> >
Corinthians coloca salários em dia, mas segue com algumas pendências de 2020

Corinthians coloca salários em dia, mas segue com algumas pendências de 2020

Timão tem todos os vencimentos acertados, mas ainda deve férias e direitos de imagens do ano passado à alguns atletas...

Publicado em 9 de abril de 2021 às 10:47- Atualizado há 3 anos

Ícone - Tempo de Leitura 3min de leitura
(Rodrigo Coca/Ag. Corinthians)

O Diretor Financeiro do Corinthians, Wesley Melo, afirmou que o clube não tem débitos de salários atualmente. Contudo, ainda há alguns encargos financeiros a serem pagos pelo clube desde o ano passado, como férias e direitos de imagem.

- A despesa de salário está em dia. Não devemos mais nada. Tínhamos dinheiro na conta e pagamos antecipado. Existem algumas pendências do ano passado de férias e de direitos de imagem e isso está no nosso balanço. Disseram que não havíamos pago os salários dos funcionários, mas é mentira. Pagamos todos - disse Melo em live promovida pela Gaviões da Fiel, principal torcida uniformizada corintiana, onde o Diretor, inclusive, revelou uma redução salarial de 10% na folha do clube e a necessidade de renegociação de dívidas.

>> Confira a tabela do Paulistão e simule os próximos jogosEm 2020, o Timão chegou a acumular três meses de salários atrasados, ainda na gestão do ex-presidente Andrés Sanchez, que conseguiu quitar as dívidas referentes a agosto, setembro e outubro antes de deixar o cargo. Contudo, nos primeiros dias da nova administração, comandada por Duílio Monteiro Alves, que era Diretor de Futebol com Andrés, os vencimentos de dezembro não foram pagos. A situação foi integralmente resolvida em março.

Na semana passada, o técnico Vagner Mancini afirmou que os pagamentos do último mês foi quitado sem atraso pela direção do Alvinegro.

Dívidas gerais

Ainda assim, a realidade financeira do Corinthians é delicada. A dívida total que o clube possui atualmente é de R$ 956,9 milhões, sendo mais da metade do valor (R$ 586 mi) de pendências a curto prazo.

Wesley Melo é realista sobre a dificuldade de reduzir esse deficit em zero, mas pontua a necessidade de reduzir e, para isso, ter que encontrar novas possibilidades de receitas.

- O Duílio (presidente) e o Colagrossi (superintendente de comunicação, marketing e inovação) determinaram que cada modalidade dentro do clube tenha um marketing específico. Precisamos encontrar uma maneira para que todos sejam autossustentáveis. Nosso compromisso é gerar novas receitas para aquele departamento específico, que precisam ser olhados de forma individualizada - disse o Diretor Financeiro.

- Não temos o objetivo de zerar a dívida. Precisamos reduzir a dívida, o nosso número é muito representativo e isso acaba nos afetando. Existe uma necessidade, mas nunca eliminar a dívida. Precisamos ter um equilíbrio com a nossa geração de caixa. Hoje, isso está desbalanceado. Zerar realmente não há necessidade. O que nós temos que fazer é aumentar as nossas receitas - concluiu.

Além do montante acima citado, o Corinthians tem uma pendência em torno de R$ 500 milhões com a Caixa Econômica Federal, a respeito do pagamento pela construção do seu estádio, inaugurado em 2014. O Timão terá até 2040 para concretizar o pagamento, sendo que mais da metade (R$ 300 milhões) serão direcionados pela Neo Química, empresa que comprou o naming rights da Arena.

Este vídeo pode te interessar

A Gaviões da Fiel se propõe a auxiliar no levantamento de recursos para saldar a dívida do estádio, tendo exposto em nota oficial e na própria live realizada que as campanhas que serão promovidas, e já estão em discussão, tanto com o presidente Duílio, quanto com o superintendente de comunicação, inovação e marketing José Colagrossi, não dispõe sobre o "caos administrativo" que leva até a dívida atual, mas apenas ao pagamento referente a Neo Química Arena.

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

Tags:

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais