ASSINE

Entenda as principais mudanças do novo ensino médio

A partir de 2021, a carga horária vai ser maior e o currículo dividido em duas partes, além de alterações no material didático e foco na formação de um aluno protagonista

As mudanças no novo ensino médio vão ser implantadas a partir de 2021
As mudanças no novo ensino médio vão ser implantadas a partir de 2021. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

Citada 46 vezes na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – conjunto de orientações para reelaboração dos currículos das escolas do Brasil –, o termo aluno protagonista explica muitas das principais mudanças que começarão a ser implantadas já a partir de 2021 no chamado novo ensino médio.

Na avaliação do diretor-pedagógico do Centro Educacional Leonardo Da Vinci, Mário Broetto, o aluno será trazido para o centro da educação.

Mário Broetto

Diretor-pedagógico do Centro Educacional Leonardo Da Vinc

"Até aqui, o modelo era o professor conduzindo o aluno. Essa lógica será invertida. O aluno precisará ser protagonista; aquele que não espera, mas vai em busca. Isso impacta os métodos de ensino, pois a sala de aula tradicional favorece o passivo, e os projetos e as metodologias colaborativas, o ativo. E também implica em estimular a autonomia. Um aluno que chega assim no ensino superior ou no mercado de trabalho não vai só copiar os modelos, mas sedimentá-los e construir novos degraus de conhecimento. É isso que se deseja"

Na prática, o currículo do novo ensino médio será dividido em duas partes: uma formação geral básica igual para qualquer escola do Brasil, que terá conteúdos menores em quantidade e profundidade; e os itinerários formativos, que se organizam em quatro eixos estruturantes: Investigação Científica, Processos Criativos, Mediação e Intervenção Sociocultural, e Empreendedorismo.

Mário Broetto

Diretor-pedagógico do Centro Educacional Leonardo Da Vinc

"Um estudante interessado em engenharia, por exemplo, terá uma visão de física mais profunda e aplicada. Isso significa que ele será mais conhecedor de algumas áreas e nem tanto de outras. Também será possível que outro tenha uma conversa de alto nível sobre política, mas não se destaque tanto em matemática"

Ainda de acordo com ele, é nesse ponto que os principais questionamentos podem surgir. “São mudanças radicais. Todos nós fomos formados no modelo antigo que priorizava os conteúdos. Éramos obrigados a saber todas as capitais do mundo, por exemplo. Por isso, num primeiro momento, pode até haver a percepção de que a escola está mais fácil. Entendidos os objetivos, as mudanças de paradigmas serão positivas, apesar de desafiadoras”, observa.

Ampliação

Fundamentais no processo de educação, os materiais didáticos também vão passar por alterações
Fundamentais no processo de educação, os materiais didáticos também vão passar por alterações. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

O primeiro desafio para muitas instituições é o aumento da carga horária, que passa de 800 para mil horas anuais, sendo 60% de formação básica e 40% de itinerários formativos até o final do ensino médio. 

Mário Broetto

Diretor-pedagógico do Centro Educacional Leonardo Da Vinc

"No Leonardo Da Vinci, como só temos a modalidade integral, já oferecemos em torno de 1.500 horas anuais. Mas na maioria das demais instituições, serão necessárias adequações"

Com a missão de organização da carga horária vencida, outras surgem, como o fim da listagem de conteúdos obrigatórios. O principal cuidado, para o diretor, será no sentido de não trabalhar de forma fragmentada. “No novo ensino médio, não existem as disciplinas de química, física e biologia, mas de ciências da natureza. Isso pressupõe que elas se entrelacem. Podemos até permanecer com os nomes das matérias originais, mas temos que garantir que elas se comuniquem, que uma enxergue na outra interdisciplinaridade. Não temos no Brasil professores de ciências da natureza, temos de química, física e biologia. Isso exigirá um intenso processo de formação para capacitá-los a aglutinar em prol da integralidade do processo, derrubando qualquer barreira de que uma matéria é mais importante que a outra”, comenta.

Fundamentais no processo de educação, os materiais didáticos também vão passar por alterações. “Para trabalhar nessa nova perspectiva, adotaremos já em 2021, na 1ª série, apostilas do sistema de ensino que integramos, as do PH. Elas já estão sendo escritas este ano seguindo a lógica do novo ensino médio, aglutinando de forma harmoniosa as ciências”, detalha.

Enem 2023

O aluno como protagonista é o que norteia as principais mudanças no novo ensino médio
O aluno como protagonista é o que norteia as principais mudanças no novo ensino médio. Foto registrada antes da pandemia. Crédito: Leonardo da Vinci/Divulgação

Todas essas mudanças culminam com a alteração em 2023 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Mário explica que no Da Vinci, em 2021, as turmas da 1ª série serão o primeiro grupo a aderir ao novo ensino médio. Em 2022, também serão contempladas as turmas da 2ª série, e em 2023, todas, já que o Enem 2023 contemplará as mudanças e será dividido em dois para contemplar as duas áreas do novo currículo

Otimista, o diretor vê como positivas as mudanças, mas ressalta que a mobilização é grande e imediata.

Mário Broetto

Diretor-pedagógico do Centro Educacional Leonardo Da Vinc

"Não será simples, mas contaremos com equipe técnicas e docentes bem capacitadas e comprometidas. O processo de formação será semanal e intenso para formarmos este novo aluno egresso do ensino médio"

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.