ASSINE

Espero que um candidato mais de centro consiga furar a polarização, diz Zema após encontro com Moro

Governador de Minas Gerais, a quem foi confirmada a candidatura do ex-ministro Sérgio Moro a presidente da República, participou de evento promovido pela Rede Gazeta em Vitória nesta quinta-feira (25)

Tempo de leitura: 3min
Vitória
Publicado em 25/11/2021 às 15h01
Romeu Zema participa de painel do Vitória Summit 2021
Romeu Zema participa de painel do Vitória Summit 2021. Crédito: Vitor Jubini

“Espero que um candidato mais de centro consiga tirar um pouco dessa polarização que existe”. A declaração foi feita pelo governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), durante participação no Vitória Summit - Encontro de Líderes 2021, promovido pela Rede Gazeta, nesta quinta-feira (25).

A fala ocorreu durante o painel "ES e MG: desafios e oportunidades para 2022", em conjunto com o governador do Espírito SantoRenato Casagrande (PSB). Com o objetivo de discutir perspectivas políticas e econômicas do Espírito Santo e do país, o Vitória Summit seguirá até esta sexta-feira (26) e terá a programação toda transmitida ao vivo em A Gazeta.

Romeu Zema

Governador de Minas Gerais

"Parece que passamos a viver num mundo de jogar pedra um no outro. Não é desse jeito. Precisamos ter mais diálogo, precisamos estar mais abertos a recebermos críticas e não achar que o outro lado é o diabo, e, infelizmente, no Brasil, parece que temos convivido com isso. E espero que consigamos ir para uma eleição tranquila e que haja um candidato que mude essa polarização atual"

A declaração ocorre um dia após o encontro do governador mineiro com o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, em Belo Horizonte (MG). A reunião, que chegou a ser divulgada pelo jornal O Globo, foi confirmada por Zema durante o Vitória Summit, nesta quinta (25).

Embora não tenha comentado sobre o teor do encontro, o governador de Minas Gerais confirmou: “O Moro, com quem eu estive ontem, comunicou que será candidato através do Podemos.”

A relação entre Zema e o atual presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), de quem foi aliado desde a campanha eleitoral de 2018, foi abalada após os constantes ataques do presidente aos governadores sobre a alta no preço dos combustíveis.

Contudo, segundo Zema, ainda existe respeito. “Respeito muito o ex-ministro, respeito o presidente, mantenho o diálogo com todos e manterei com todos os candidatos, até porque Minas precisa muito do governo federal. Minas Gerais precisa ter esse diálogo. Vamos aguardar, a campanha está muito distante ainda.”

Questionado se apoia ou poderia vir a apoiar a candidatura de Moro, o governador mineiro esclareceu: “Vamos aguardar, a campanha está muito distante ainda. O meu partido lançou um candidato, o Luiz Felipe D’Avila, então, no momento, quem apoio é ele.”

Apesar de também planejar concorrer à reeleição, Zema garantiu que a disputa, no momento, não é uma prioridade. “O meu foco hoje é viabilizar Minas Gerais. Nós temos uma dívida vencida que está com liminares hoje, de R$ 30 bilhões, e se essas liminares caírem teremos uma situação terrível no Estado. Meu foco hoje é totalmente esse.”

Romeu Zema e Renato Casagrande participam de painel do Vitória Summit 2021

Vitória Summit 2021
Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Vitória Summit 2021
Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Romeu Zema participa de painel do Vitória Summit 2021
Romeu Zema participa de painel do Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Romeu Zema e Renato Casagrande participam de painel do Vitória Summit 2021
Romeu Zema e Renato Casagrande participam de painel do Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Romeu Zema e Renato Casagrande participam de painel do Vitória Summit 2021
Romeu Zema e Renato Casagrande durante Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Romeu Zema e Renato Casagrande durante Vitória Summit 2021
Romeu Zema e Renato Casagrande durante Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Romeu Zema participa de painel do Vitória Summit 2021
Romeu Zema participa de painel do Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021. Vitor Jubini
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021
Renato Casagrande durante painel do Vitória Summit 2021

"UM ESTADO ARRASADO"

Durante o painel, Zema fez um retrospecto sobre a situação caótica que encontrou ao assumir o governo de Minas Gerais, descrito por ele como “um Estado arrasado” naquele momento.

“Assumimos um Estado arrasado. O que aconteceu em Minas, pelo que nós sabemos, não aconteceu em momento algum, em lugar algum do Brasil. Os 853 municípios não estavam recebendo os repasses constitucionais de ICMS, de IPVA, de Fundeb, da saúde. Fomos levantar qual era a dívida com os municípios: R$ 14 bilhões. Começamos a fazer os repasses correntes e fizemos acordos para pagar o que havia sido acumulado anteriormente. Quem acompanha Minas Gerais sabe que nós tivemos, no passado, vários prefeitos que renunciaram, com problemas seríssimos de saúde, e até prefeito que suicidou devido a toda essa carga.”

Outros R$ 7 bilhões referentes a depósitos judiciais também foram alvo de acordos com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Entre outros problemas, Zema cita ainda os atrasos salariais do funcionalismo. Somente no mês de agosto deste ano os pagamentos, que há seis anos estavam em desajuste, voltaram a ser feitos na data correta.

“Mas teve um fato incrível, eu diria. O último governo descontou do funcionalismo público o empréstimo consignado e não pagou aos bancos. Duzentos e quarenta mil funcionários tiveram o seu nome inscrito indevidamente no SPC e Serasa. Nós também assumimos mais essa bomba.”

Os ajustes, ele explica, foram fruto de esforços para aumentar a receita e reduzir despesas, renegociação de dívidas, mas também de diálogos para atrair investimentos. “Nós já atraímos, em três anos de governo, R$ 180 bilhões em investimentos.”

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.