ASSINE

Jovem morreu por tiro acidental e não durante roleta-russa em Guaçuí

A Polícia Civil concluiu que Eduardo Carvalho Vieira, de 18 anos, foi morto por um disparo acidental durante churrasco em que comemorava 18 anos com mais três amigos

Publicado em 15/04/2021 às 11h35
A arma utilizada foi encontrada pela Polícia Militar, próximo a residência, embaixo de folhas secas
A arma utilizada no crime foi encontrada pela Polícia Militar, próximo a residência, embaixo de folhas secas. Crédito: Polícia Militar

Polícia Civil concluiu o inquérito policial que apurou a morte de um jovem de 18 anos, ocorrida no dia 12 de abril, no bairro Manoel Monteiro Torres, em Guaçuí, na Região do Caparaó do Espírito Santo. Eduardo Carvalho Vieira foi morto com um tiro na cabeça, durante um churrasco em que comemorava seu aniversário, com mais três amigos.

As investigações da Delegacia de Polícia de Guaçuí concluíram que o rapaz foi morto por um disparo acidental, e não durante uma roleta-russa, conforme se especulou inicialmente. O suspeito de ser o autor do tiro também tem 18 anos e é morador da residência onde ocorria o churrasco.

“O suspeito quis mostrar um revólver calibre 38 que ele tinha adquirido, de forma ilegal. Ele abriu o tambor do revólver e achou ter retirado todas as munições. Os outros rapazes que estavam no churrasco também manusearam a arma, até mesmo a vítima manuseou a arma. Mas  havia ficado uma cápsula no tambor. O dono da arma acionou o gatilho para demonstrar o funcionamento e acabou disparando”, explicou o titular da DP de Guaçuí, delegado Marcos Nery.

A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu ao ferimento e faleceu no hospital, horas depois. Logo após o disparo, o suspeito fugiu do local, levando a arma, e depois a dispensou num matagal no mesmo bairro.

O inquérito já foi encaminhado à Justiça, com indiciamento pelo crime de homicídio por dolo eventual, ou seja, quando o autor assume o risco de produzir o resultado morte ao manusear arma indevidamente. O suspeito também foi indiciado pelos crimes de posse ilegal de arma de fogo e receptação, por adquirir o revólver de procedência ilícita. Até este momento, ele responde em liberdade.

Guaçuí Polícia Civil armas crime

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.