ASSINE

Em média, 12 armas são apreendidas por dia no Espírito Santo

De acordo com dados da Sesp, mais de 2 mil armas foram recolhidas só de janeiro a julho deste ano; 30% delas foram adquiridas legalmente e acabaram nas mãos de criminosos

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 04/08/2022 às 06h25
Bandidos compram armas no mercado legal a um preço até 65% menor do que pagavam via contrabando
Bandidos compram armas no mercado legal a um preço até 65% menor do que pagavam via contrabando. Crédito: Shutterstock

De janeiro a julho deste ano, 2.264 armas foram apreendidas no Espírito Santo, uma média de 12 por dia. Delas, cerca de 30% foram adquiridas legalmente e acabaram nas mãos de criminosos.

Os números foram divulgados pelo secretário de Estado da Segurança Pública, coronel Márcio Celante, em entrevista ao repórter Roger Santana, da TV Gazeta (confira abaixo)

"Observamos que 30% dessas armas foram apreendidas e estavam com os criminosos eram de origem do cidadão comum: aquele que adquiriu uma arma e teve ela extraviada, furtada ou roubada", detalhou o secretário.

Armas essas que são usadas por criminosos para impor terror, com confrontos entre gangues rivais, tiroteios que assustam moradores, deixam escolas sem aula e bairros sem circulação de ônibus.

Em todo o ano passado, de acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), 4.095 armas foram apreendidas em território capixaba.

Coronel Márcio Celante

Secretário de Estado da Segurança Pública

"Através de operações qualificadas, de um trabalho de inteligência, a gente consegue resultados expressivos. Como nós falamos: (mais de) 2.200 armas de fogo somente neste ano"

Celante pontuou, ainda, que o armamento chega nas mãos de criminosos de três modos: através do tráfico de armas; pelo extravio de cidadãos comuns, que compraram legalmente, ou adquiridas de armeiros, que fabricam de forma artesanal.

"A circulação de armas é constante, intensa. O que cabe a nós, forças de segurança, é identificar, através da inteligência, a origem dessas armas, e o mais importante: a apreensão dessas armas. Conseguindo apreensão, buscando o fornecedor, aquela organização criminosa que está trazendo essa arma para o Estado, através das divisas ou fronteiras, vamos conseguir uma maior apreensão de armas de fogo", ressaltou o secretário.

Ele ainda pediu ajuda da população, através do Disque-Denúncia, pelo telefone 181. "É sigiloso e vamos trabalhar toda a informação com inteligência a fim de identificar aquele criminoso colocado na denúncia e obtermos a prisão e apreensão de arma de fogo."

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.