ASSINE

Que fim levou caso da família que teve carro atingido por cavalo da PM?

A família esperava ser ressarcida pelos danos, mas depois de um ano e duas audiências na Justiça, nada foi resolvido ainda.

Publicado em 03/01/2018 às 10h59

Na virada de 2016 para 2017, um cavalo da Polícia Militar descontrolado por causa do barulho dos fogos chamou a atenção de quem passava em algumas avenidas em Vitória. Um vídeo do animal em disparada (veja abaixo) chegou a ser feito na Avenida Rio Branco, na Praia do Canto. 

O cavalo acabou atingindo um veículo Chevrolet Corsa, causando perda total. Naquele dia, quatro pessoas estavam dentro do veículo e passavam pela Avenida Vitória voltando para casa quando o fato ocorreu, por volta de 1h20. Como o carro não tinha seguro, a família esperava ser ressarcida pelos danos, mas depois de um ano e duas audiências na Justiça, nada foi resolvido ainda.

Na Justiça, o processo estava concentrado no 3º Juizado Especial Criminal da Fazenda Pública. Após realizadas audiências, no final de setembro de 2017 a juíza responsável pelo caso, Maria Nazareth Caldonazzi de Figueiredo Cortes, remeteu o processo para a Comarca da Serra, de onde é a família responsável pelo veículo.

O processo foi iniciado no município serrano apenas no dia 30 de novembro deste ano e segue em trâmite, sem novas movimentações. A dona do carro, que prefere não ser identificada, conta que até hoje a família não comprou um novo veículo, ainda esperando que alguma indenização saia na ação.

“Não tivemos fundos para comprar outro carro. A gente fica prejudicado para ir em vários lugares, como ao supermercado. Temos que ficar pagando táxi. E o carro danificado está parado, sem poder ser usado, mas temos que ficar pagando os impostos ainda assim”, declara.

A dona do carro lembra que ficou assustada com a situação, mas ninguém ficou ferido com o ocorrido. “Espero que sejam sensatos e a gente consiga algo na Justiça, já que não tivemos culpa nenhuma por isso. Nunca você pensa que seu carro vai ser atropelado por um cavalo, pois foi isso praticamente o que aconteceu. O contrário a gente até pensa”, observa.

No dia, segundo a dona do carro, a Polícia Militar, responsável pelo cavalo, já acompanhava o animal e prestou os primeiros socorros à família, mas depois nada mais foi feito. 

“A gente acionou a Corregedoria da PM administrativamente, mas, como demorou, tivemos que partir para a Justiça. Esperamos que nos próximos meses a Justiça dê alguma resposta e saia alguma indenização sobre essa situação, mas ainda está muito devagar”, ressalta.

O OUTRO LADO

Segundo a Polícia Militar, foi aberto um inquérito técnico para apurar o caso administrativamente. A assessoria de imprensa não soube precisar o resultado. Sobre o cavalo, a PM disse que, na ocasião, o animal foi medicado e ficou bem. Hoje ele é usado pelos policiais normalmente.

 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.