ASSINE
Foto aérea do Porto de Vitória: desestatização da Codesa é uma das oportunidades para acelerar a economia do ES
Foto aérea do Porto de Vitória: desestatização da Codesa é uma das oportunidades para acelerar a economia do ES. Crédito: Codesa/Divulgação

Pacotão pós-pandemia tem obras que vão criar 100 mil empregos no ES

Planos para a retoma econômica do Estado preveem retorno de obras públicas, além de articulação para destravar projetos federais e da iniciativa privada. Findes estima potencial de R$ 16 bilhões em investimentos em 3 anos

Publicado em 18/07/2020 às 06h00
Atualizado em 18/07/2020 às 16h52

A força letal do novo coronavírus exigiu dos governos reações imediatas e planejamento para evitar um caos no sistema de saúde e uma quantidade ainda maior de vidas perdidas. O cenário vai demandar também um grande esforço para a economia voltar a um ciclo virtuoso na pós-pandemia. E os caminhos para essa recuperação no Espírito Santo já começam a ser desenhados.

Para além das medidas emergenciais já tomadas neste momento de isolamento, a saída da crise econômica provocada pelo vírus vai contar com um amplo plano de retomada da economia do Estado para estimular o desenvolvimento das empresas no curto, médio e longo prazos e a volta da geração de emprego e renda.

O governo do Estado trabalha em um projeto, conduzido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedes), que deve prever uma ampla agenda de obras de infraestrutura, públicas e privadas, além da redução de burocracia. O plano conta com a colaboração de setores da economia, como a Federação das Indústrias (Findes), que inclusive já entregou suas propostas ao Estado.

Terminal Portuário de Vila Velha

O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
Data: 13/10/2017 - ES - Vitória - Porto de Capuaba, iluminado com o tema do Outubro Rosa - Editoria: Opinião - Foto: Carlos Alberto Silva - GZ
Data: 13/10/2017 - ES - Vitória - Porto de Capuaba, iluminado com o tema do Outubro Rosa - Editoria: Opinião - Foto: Carlos Alberto Silva - GZ. Carlos Alberto Silva
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística.
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística. . Carlos Alberto Silva
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística.
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística. . Carlos Alberto Silvs
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística.
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística. . Carlos Alberto Silvs
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística.
Gustavo Paixão, gerente operacional do Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística. . Carlos Alberto Silvs
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
Navio no Porto de Vitória
Navio no Porto de Vitória. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, adotou medidas de segurança contra a covid-19. O  terminal é administrado pela empresa Log-in Logística.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, adotou medidas de segurança contra a covid-19. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística. . Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, adotou medidas de segurança contra a covid-19. O  terminal é administrado pela empresa Log-in Logística.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, adotou medidas de segurança contra a covid-19. O terminal é administrado pela empresa Log-in Logística. . Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV) é único do Estado especializado no transporte de contêineres. Ele é administrado pela Log-in Logística. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística.  Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros.
O Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), único terminal de contêineres do Estado, é administrado pela empresa Log-in Logística. Por lá passam eletrodomésticos, insumos para a indústria de mineração e siderúrgica, e outros. Carlos Alberto Silva
Data: 13/09/2019 - ES - Vitória - Porto de Vitória e Porto de Capuaba - Vista aérea do Centro de Vitória - Editoria: Cidades - Foto: Carlos Alberto Silva - GZ
Data: 13/09/2019 - ES - Vitória - Porto de Vitória e Porto de Capuaba - Vista aérea do Centro de Vitória - Editoria: Cidades - Foto: Carlos Alberto Silva - GZ. Carlos Alberto Silva
Data: 05/03/2012 - ES - Vitória - Navio da empresa MSC carregado de contêineres em direção ao TVV
undefined. Carlos Alberto Silva
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined
undefined

O governador Renato Casagrande adiantou que o pacote deve ter quatro pilares centrais: dar velocidade e retomar obras públicas estaduais, ampliar a parceria com o setor privado por meio de PPPs e apoio para projetos de empresas; reforçar a articulação com o governo e a bancada federal para destravar projetos no Estado; e reduzir a burocracia do setor público para facilitar a vida dos empreendedores.

Só o planejamento inicial da Findes, segundo o presidente da Federação, Léo de Castro, mapeou 35 projetos estratégicos, públicos e privados, que somam mais de R$ 16 bilhões em investimentos e que têm expectativa de geração de cerca de 100 mil empregos entre diretos e indiretos em até três anos.

Essa verdadeira operação de guerra, de acordo com Casagrande, só será divulgada em detalhes e iniciada após o controle da Covid-19 no Espírito Santo. “Estamos elaborando um plano de retomada do Estado que só pode ser divulgado quando a gente conseguir reduzir o número de óbitos ou praticamente zerarmos, porque a nossa prioridade neste momento é ainda o enfrentamento da pandemia e preservação de vidas”, disse.

A agenda de infraestrutura é a principal do plano. A ideia, na esfera estadual, é retomar obras paradas e dar velocidade aos projetos já existentes. O governador explicou que isso seria possível usando recursos do Fundo Estadual de Infraestrutura.

“Nós tomamos uma decisão muito importante no ano passado, na hora que fizemos aquele acordo com a Petrobras (de unificação do Parque das Baleias), de ter criado o Fundo de Infraestrutura separado das despesas correntes do governo, o que nos permitiu, neste momento de crise, não paralisar nenhuma obra e permitirá dar velocidade às obras do governo do Estado em andamento”, afirmou.

Casagrande não chega a citar quais investimentos devem ser priorizados nesse plano. Já Léo de Castro mencionou, por exemplo, obras do Departamento de Edificações e de Rodovias do Espírito Santo (DER-ES) em rodovias estaduais que poderiam ser retomadas gerando emprego e desenvolvimento em várias regiões do Estado.

Estado deve abrir o cofre para impulsionar retomada da economia e criar empregos
Estado deve abrir o cofre para impulsionar retomada da economia e criar empregos . Crédito: Ilustração/Amarildo

A Gazeta já havia mostrado em primeira mão que o governo retirou neste ano cerca de R$ 300 milhões do fundo para obras do DER. Também noticiou que deveria usar parte da reserva para dar continuidade nas obras do Aeroporto de Linhares, hoje estagnada. Ainda estavam nos planos aproveitar esse colchão financeiro para contratar os projetos para o Portal do Príncipe e as novas faixas e ciclovia da Terceira Ponte. O fundo, quando criado no ano passado, recebeu aporte inicial de R$ 1,5 bilhão.

"Hoje, 29% da malha rodoviária capixaba é de leito natural, ou seja, chão batido. Nós precisamos avançar nisso. A agenda de crescimento do Espírito Santo é a da infraestrutura porque precisamos olhar para fora. Nosso mercado é pequeno e para as empresas daqui poderem competir com o mundo é preciso ser mais enérgico nessa agenda", afirmou Castro, que ainda elencou uma lista de iniciativas federais importantes para esse plano e que serão oportunidades para a retomada da nossa economia.

Encabeçam a lista a concessão prevista para este ano da BR 262 e a sua duplicação; a garantia contratual (dentro da renovação da concessão da Estrada de Ferro Vitória a Minas) de que a Vale vai construir o ramal ferroviário de Cariacica até Ubu, em Anchieta, e elaborar todo o projeto para a EF-118 chegar até o Rio; e a desestatização da Codesa, que deve ter audiências públicas realizadas em outubro e leilão em 2021.

ARTICULAÇÃO

É diante dessa agenda federal que entra a parte da articulação. Segundo Castro, é preciso intensificar as conversas para acelerar os projetos em Brasília e aprimorá-los para garantir e eles saiam do papel.

No caso da 262, por exemplo, ele avaliou ser preciso garantir que a rodovia, após as obras, permitirá o tráfego em velocidade superior a 60 km/h, e que o modelo do leilão seja mais competitivo. Para isso, ele defendeu um trabalho de convencimento com o Ministério da Infraestrutura para que o governo federal assuma a responsabilidade pela parte que já deveria estar em obras, correspondente a 52 quilômetros.

BR 262
BR 262 será duplicada pela iniciativa privada. Crédito: Fernando Madeira

Casagrande citou ainda a necessidade de articulação com a bancada capixaba em Brasília e com o governo federal para dar continuidade às obras do Contorno do Mestre Álvaro, na Serra, e da BR 447, ligando a BR 262 Viana ao Terminal Portuário de Vila Velha.

No modal ferroviário, além da renovação da EFVM e do início da EF-118, o presidente da Findes destacou a importância de o Estado comprar a briga de Minas Gerais pelo contorno férreo da Serra do Tigre.

"Essa é uma demanda de décadas dos mineiros e mesmo não sendo no Espírito Santo nos afeta, porque isso permitiria haver um corredor ferroviário do centro do Brasil para o leste, trazendo a produção de grãos de Goiás e Mato Grosso para os nossos portos, o que hoje ocorre em uma quantidade muito inexpressiva".

Há outros projetos importantes para o Estado que dependem da articulação política. Passado o marco legal do saneamento, que permite uma maior abertura do setor para investidores privados, o setor produtivo considera urgente a aprovação da chamada Lei do Gás, que vai permitir, por meio da competição, um menor custo pela molécula.

Segundo a Findes, a nova legislação tem potencial para destravar R$ 60 bilhões de investimentos no país e gerar cerca de 15 mil empregos só no Espírito Santo, viabilizando, com a redução do preço do insumo, grandes projetos como a fábrica de HBI (Hot Briquetted Iron) da Vale em Anchieta e plantas de tratamento e geração de energia a partir do gás em portos capixabas.

Ainda no setor de óleo e gás, outro entrave que precisa ser solicitado para viabilizar empreendimentos é o contrato de concessão da ES Gás, que vem sendo adiado. Na área de petróleo, a venda de campos terrestres e de águas rasas da Petrobras bem como o início dos investimentos em descomissionamento de plataformas também são oportunidades.

PARCERIAS PRIVADAS

As parcerias do Estado com o setor privado também estão na mira do plano. Há a intenção de ampliar o programa estadual de PPPs e concessões, para garantir também a realização de investimentos privados e dar mais apoio a empresas na implementação de grandes projetos.

"Queremos dar velocidade e mais apoio a essas ações para gerar emprego e dinamismo no Estado do Espírito Santo com recurso público e privado", disse Casagrande.

No Espírito Santo, 1,7 milhão de pessoas vivem em locais que não contam com rede de esgoto
Local sem rede de esgoto: investimentos em saneamento com apoio privado. Crédito: Fernando Madeira

Um dos pleitos do setor produtivo nessa agenda é ampliação de estímulos fiscais. Léo de Castro explicou que a proposta da Findes prevê a equalização de incentivos fiscais no Espírito Santo. "Temos 12 setores estratégicos aqui que estão competindo de forma desigual hoje com outros Estados. Nossa ideia é equalizar a carga tributária deles para que eles possam competir com o resto do país", disse o industrial, que ainda defende um amplo debate sobre privatizações:

Léo de Castro

Presidente da Findes

"A gente precisa sair dessa paixão estatal e fazer um debate pragmático disso, sem ideologias, e sem ser refém das corporações. O Estado tem ativos que pode desinvestir e pegar esse recurso para colocar em obras e projetos fundamentais agora"

Um dos exemplos que ele cita é a área de saneamento, tanto no âmbito estadual como municipal. "A aprovação do novo marco legal foi uma grande conquista, mas agora precisamos abrir espaço para que todos aqueles investimentos se realizem. Abrir esse mercado é bom para todo mundo", comentou o presidente da Findes.

* Com colaboração de Letícia Gonçalves

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.