ASSINE

Obra de navio da Marinha no Estaleiro Jurong vai criar 600 empregos

Embarcação, que será enviada à Antártica, deve ser construída em 36 meses. O investimento na nova estrutura é de R$ 780 milhões

Vitória
Publicado em 07/10/2021 às 14h03
Projeção do navio da Marinha que será construído pelo Estaleiro Jurong, em Aracruz
Projeção do navio da Marinha que será construído pelo Estaleiro Jurong, em Aracruz. Crédito: CLAYTON DE SOUZA

As obras do Navio de Apoio Antártico (Napant) da Marinha no Estaleiro Jurong, em Aracruz, vão gerar 600 empregos diretos e outros 6 mil indiretos a partir do ano que vem. A previsão é de que o projeto dure 36 meses, com custo total de R$ 780 milhões.

O anúncio de que a empresa do Espírito Santo foi a vencedora no processo licitatório foi feito no último dia 5 de outubro por oficiais da corporação, com a presença do presidente Jair Bolsonaro.

Após a conclusão, a embarcação será enviada à Antártica para atuar no apoio às pesquisas científicas brasileiras na região. O contrato entre a corporação e o estaleiro deve ser assinado no primeiro semestre de 2022.

De acordo com o diretor geral de material da Marinha, almirante de esquadra, José Augusto Vieira da Cunha de Menezes, o projeto de construção do Napant será gerenciado pela Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgeprom) e prevê a aquisição dos equipamentos e sistemas científicos, dos planos de gestão do ciclo de vida e do apoio logístico ao Programa Antártico Brasileiro (Proantar).

Após análise das propostas, o Estaleiro Jurong foi escolhido por ter apresentado a melhor oferta dentro dos critérios de seleção da Marinha. O Napant vai substituir o Navio de Apoio Oceonográfico (Napoc) Ary Rangel, construído em 1981.

Segundo informações no site da Marinha, a embarcação deverá ter no mínimo 45% de conteúdo local em sua estrutura e a expectativa é de que crie até 600 empregos diretos durante a construção. Com o investimento, outros segmentos da economia também devem ser movimentados, o que vai impactar em outros seis 6 mil empregos indiretos.

A proposta é que o navio contribua nas atividades de pesquisa oceanográficas e também meteorológicas, com a intenção de alavancar a participação brasileira nas discussões sobre o destino do continente antártico. 

O Estaleiro Jurong e a Marinha foram demandados para explicar o projeto, mas ainda não deram retorno.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.