ASSINE
Auxílio ermergencial é pago a desempregados e informais
Auxílio ermergencial é pago a desempregados e informais. Crédito: Carlos Alberto Silva

Governo do ES quer criar Sine itinerante e aplicativo para buscar emprego

Governo do ES também avalia reformular programa Bolsa Capixaba, que transfere renda às famílias mais pobres do Estado

No longo prazo, mais do que ajudar, transferências de renda – sejam elas da esfera federal, ou estadual – continuam a fazer a manutenção da pobreza. Assim, é preciso aliar outras ações para incentivar a produtividade e, consequentemente, a autonomia por meio da obtenção de renda própria.

Nesse sentido, o governo do Estado quer implementar medidas como um Sine Itinerante, um aplicativo para buscar emprego e estuda, inclusive, mudar o formato do Bolsa Capixaba, programa assistencial do Estado, a depender da crise.

Na visão da secretária de Trabalho, Assistência e Desenvolvimento Social, Cyntia Figueira Grillo, é preciso fortalecer serviços que vão reestruturar e reencaminhar pessoas para o mundo de trabalho.

“Falta de acesso aos serviços também traz pobreza, e sabemos que alguns não têm dinheiro para pagar uma passagem. Diante disto, temos um projeto de Sine Itinerante, que vai encaminhar pessoas em situação de vulnerabilidade para vagas de emprego.”

As ações, segundo ela, serão voltadas, principalmente, para áreas atendidas pelo programa Estado Presente, do governo estadual. Ao menos duas ofertas de vagas neste modelo devem ocorrer ainda neste ano.

“Também vamos lançar um aplicativo, como um Sine virtual. Já publicamos o edital para que as empresas se cadastrem, e a previsão é que comece a operar em dezembro. Com isso, as pessoas não precisarão se locomover para ter acesso às vagas.”

A secretária destaca, inclusive, uma influência do auxílio emergencial nesse processo. “O auxílio nos deu uma dimensão de quantas pessoas conseguem ter acesso aos serviços digitais. Achamos que haveria uma dificuldade maior, mas acabou sendo algo muito amplo. E, se tantas pessoas conseguiram se cadastrar para receber o benefício, também conseguirão buscar emprego pelo celular.”

O diretor de Integração do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), Pablo Lira, destacou ainda que o Estado já oferece, aliado a outros programas, a CNH Social, que permite que pessoas em situação de vulnerabilidade, com vocação para a área, aprendam a dirigir.

“Isso permite que busquem uma vaga como motorista, por exemplo. É um caminho. Mas há uma série de ações associadas ao Bolsa Capixaba que beneficiam a população.”

O Bolsa Capixaba é um programa do governo estadual que atua como complemento ao Bolsa Família. Hoje, são mais de 26 mil famílias atendidas.

“Por meio do programa, a gente faz a complementação de renda para as famílias que, mesmo recebendo o Bolsa Família, não conseguem chegar a uma renda per capita de R$ 109, definida pelo ES para considerar extremamente pobre. O Brasil definiu R$ 89, mas, para nós, é inadmissível que uma família sobreviva com menos que R$ 109 per capita. Então, complementamos o valor”, explica a secretária de Trabalho.

Cyntia destaca que, no mês que vem, o IJSN apresentará indicadores que permitirão a reformulação do programa, que poderá ter mudanças nos critérios de adesão, ou mesmo no valor pago, se necessário.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.