ASSINE

ArcelorMittal quer reduzir uso de água doce com sistema que tira sal do mar

Planta tem capacidade inicial para dessalinizar 500 m³/hora de água e garantirá maior segurança hídrica para a empresa; entenda como vai funcionar

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 13/09/2021 às 19h09
Captação da água do mar
Captação de água do mar: líquido dessalinizado será usado em processos de resfriamento. Crédito: Mosaico Imagem/ArcelorMittal

ArcelorMittal Tubarão inaugurou, nesta segunda-feira (13), uma estrutura para retirar o sal da água do mar, em um processo chamado de dessalinização. O sistema permitirá que a companhia reduza em até 30% o consumo de água doce que, atualmente, é captada no Rio Santa Maria da Vitória, por meio da Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan).

A planta, pioneira no Espírito Santo e nas unidades do grupo pelo mundo, terá capacidade inicial para dessalinizar 500 m³/hora de água. Hoje, o consumo total do complexo industrial em território capixaba é de cerca de 1800 m³/hora.

A água dessalinizada não será utilizada para consumo humano, mas em processos de resfriamento necessários para a produção da siderúrgica. Conforme destacou o presidente da ArcelorMittal Brasil e CEO ArcelorMittal Aços Planos América do Sul, Benjamin Baptista Filho, a nova planta está alinhada à estratégia da empresa frente a cenários de crise hídrica, como o que vive atualmente o país.

Ele explica que diante de eventual escassez hídrica, como já aconteceu em outros momentos, é priorizado o uso da água para consumo humano e animal e, somente depois, o uso industrial. Segundo o CEO, anteriormente, a necessidade de racionamento já prejudicou a empresa.

O executivo observa ainda que, em 2016, diversos estudos previram mudanças na disponibilidade média de água e eventos hidrológicos críticos, que poderiam ocorrer na região Sudeste do Brasil nos 20 anos seguintes.

"Para enfrentarmos esse período, nós fizemos inúmeras alterações e melhorias nos nossos processos de consumo de água doce e conseguimos, nesse período, reduzir o nosso consumo de água doce em cerca de 40% do que tomávamos no princípio desses eventos hídricos, em 2015. Ficamos estudando o que fazer, já que as previsões que tínhamos na época eram de que eventos dessa natureza seriam cada vez mais frequentes."

A planta de dessalinização, construída em área de cerca de 6 mil m², é uma solução mais definitiva para eventuais momentos de racionamento. Embora ainda não supra toda a demanda de água da companhia, a estrutura é configurada por módulos, e poderá ser ampliada futuramente, de modo a aumentar sua capacidade, se necessário.

O vice-presidente de Operações de Aços Planos da ArcelorMittal, Erick Torres, explica que o sistema utiliza uma tecnologia de osmose reversa, bastante comum em países como Israel, Espanha e Estados Unidos.

"O processo de dessalinização fica baseado em duas filtrações prévias, com discos. Depois a gente faz uma ultrafiltração, onde pega mais detalhes da água do mar, para que, então, no processo de bombeamento sob pressão, a gente leve essa água para os squids de osmose reversa, que é a utilização de uma membrana muito fina para fazer a captura do sal."

São captados 1.300 m³/hora de água do mar, sendo que, do total, 500 m³/hora são dessalinizados. O restante resulta em uma água com maior concentração de sal, a salmoura, que será devolvida ao mar por um canal de retorno já existente na usina. Torres reforça que não há impactos ambientais significativos, pois resulta em uma concentração de sal apenas 1% superior ao habitual, em um raio de 500 metros. A partir dessa distância, a salmoura é completamente diluída.

PROCESSO DE DESSALINIZAÇÃO: ENTENDA COMO FUNCIONA

Dessalinização da água do mar: osmose Reversa
Unidade de dessalinização de água do mar. Crédito: Mosaico Imagem/ArcelorMittal

O processo de dessalinização da água do mar é dividido em algumas etapas principais.

  • Primeiramente, é feita a captação da água do mar.
  • Na sequência, a água captada do mar chega ao sistema de alimentação, que, com cinco bombas, bombeia  o líquido de acordo com a demanda de cada estação.
  • Nesse processo, é adicionado cloreto férrico, que auxiliar no processo de ultrafiltração da água.
  • Após essa etapa, é feito o pré-tratamento para remoção de partículas presentes na água do mar. Para isso, a água pressurizada passa por uma bateria com cinco filtros disco autolimpantes, que fazem a filtragem da água. Cada filtro passa por um processo de limpeza automática, de acordo com o tempo de operação e a qualidade da água do mar.
  • Em seguida, é feito o pré-tratamento da água para a osmose reversa. Funciona assim: a água pressurizada e filtrada alimenta os trens de ultrafiltração, de modo a remover sólidos suspensos e materiais coloidais, além de reduzir a presença de bactérias e vírus. Nessa fase, é acidicionado bissulfito de sódio para remoção de residual de cloro.
  • Finalmente, é realizado o processo de osmose reversa, que é dividido em duas etapas.
  • A água ultrafiltrada é direcionada a vasos de pressão, dentro dos quais é forçada, através de membranas semiperveáveis em espiral, que retém o sal e separam uma solução concentrada de água salgada da água dessalinizada.
  • A água dessalinizada, que chega à tubulação no centro do vaso, é utilizada exclusivamente para uso industrial. Já a salmoura (solução concentrada de água salgada) volta para o mar.  
  • Nessa etapa de osmose reversa é utilizado antiincrustante para auxiliar na proteção das membranas e soda para garantir  o adequado PH da água produzida.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.