ASSINE

Vovó dá show de embaixadinhas em Vila Velha e vídeo viraliza na internet

Aos 57 anos, a comerciante Maria Nilda Pereira Passos chamou a atenção na internet ao dominar e controlar a bola com maestria no calçadão da Praia de Itaparica. O talento dela foi parar em perfis nacionais e recebeu muitos elogios

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 07/07/2021 às 12h51
Vila Velha
Nas caminhadas fazendo altinha pela praia, Nilda por vezes tem a companhia do próprio cão, Tufão. Crédito: Arquivo pessoal

O que você faz no período de 4h40? De carro, nessas quase cinco horas, é possível percorrer praticamente metade dos 458 quilômetros da BR 101 no Espírito Santo. Mas a comerciante Maria Nilda Perreira Passos, de 57 anos, consegue, nesse tempo, fazer embaixadinhas ininterruptas e de variadas formas sem deixar a bola cair.

O talento de décadas com a redonda já a deixou famosa em Vila Velha, no Estado e também no país, mas como a habilidade se mantém mesmo com o passar dos anos, ela voltou aos holofotes nos últimos dias, quando um vídeo dela dando um show na orla de Itaparica impressionou quem passava pelo local. A gravação, inicialmente postada pelo perfil @varzeasports, foi compartilhada pelo Canal Desimpedidos, colocando a fera novamente em evidência. No video, ela aparece ao lado de seu netinho Ivan, de dois anos.

"É habilidade purinha. Desde criancinha eu gostava de jogar bola. Pedia de presente bola e boneca, então fui sempre jogando futebol, brincava com meus colegas e adorava jogar. Gravaram esse vídeo aí e jogaram na internet. Agora tô em alta de nova. Bato bola com a garotada e eles se espantam", brinca Nilda.

PELÉ, O ÍDOLO

Natural de Barra de São Francisco, no Norte do Estado, Nilda se mudou ainda aos cinco anos para Vila Velha. Na mudança, a bola já veio junto dela e desde então tornaram-se companheiras inseparáveis. Foi aos 7 anos, porém, que o gosto virou paixão de vez.

Vila Velha
Nilda é talento puro com a bola e dá show nas embaixadinhas há décadas. Crédito: Arquivo Pessoal

"Na Copa de 70 (no México), eu vi o Pelé jogar e aquilo me encantou. Queria fazer o que ele fazia, então comecei a tentar reproduzir o que ele exibia em campo. Foi minha grande inspiração. Com 14 anos eu fui jogar futebol de campo com outras meninas, mas naquela época era complicado. Futebol feminino não era comum e olhavam meio torto. Era muito masculinizado o esporte, então acabou que fui para outros. Joguei basquete, vôlei, mas nunca abandonei a bola de futebol. Essa é para sempre", conta.

CAMINHANDO E CONTANDO

Quando não está no restaurante que mantém há 12 anos em um camping de Setiba, em Guarapari, Nilda gosta de caminhar na praia e nem o fato de a areia ser irregular e fofa faz com que ela deixa a bola de lado.

"Várias vezes eu saí aqui de onde moro em Itaparica caminhando pelo calçadão ou pela areia mesmo fazendo embaixadinhas. E a bola não cai, quem já viu garante. Já fiz uns 13 quilômetros aqui em Vila Velha conduzindo a bola no alto. Só parei porque tinha compromisso depois", brinca a craque da altinha.

Para se ter uma noção do talento e habilidade dela, em meia hora Nilda conseguiu realizar seis mil embaixadinhas. Além disso, a craque se mostra feliz em ver que o preconceito em relação às mulheres envolvidas com o futebol tem diminuído e ela também contribui para isso.

"Isso é muito legal. Tem uma mulherada mandando muito bem. Umas mulheres bonitas, com cada corpão de dar inveja. Pena que na minha época isso não podia acontecer, pois se pudesse eu também faria. Já tive um corpão também (risos). É legal ver que as coisas estão mudando para melhor", explica. Craque mundial na modalidade, a jogadora Natália Guitler curtiu a desenvoltura da capixaba. 

BOLA NOVA?

O único "porém" que Nilda faz é em relação à companheira de longa data. A craque da altinha contou que as amigas fiéis já estão com a idade um pouco avançada e não está sobrando muito para providenciar uma nova.

"Eu tenho três bolas e como elas 'trabalham' bastante, já estão desgastadas. Essa que aparece no vídeo e ideal para a altinha é cara, custa uns R$ 400 reais, então é difícil para comprar. Com pouco movimento na minha cantina, não sobra para investir em bola não. Mas não vai ser por isso que deixarei de brincar", diz Nilda.

Vila Velha
Nilda já percorreu o calçadão da orla de Vila Velha fazendo embaixadinhas. Crédito: Arquivo pessoal

No que depender dela, o talento da família "Passos" passará adiante. O netinho Ivan, de dois aninhos, assim como a vovó, já dá os primeiros chutes na bola. Ele inclusive, aparece no vídeo que viralizou nas redes sociais e escapou por pouco de levar um chapéu.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.