ASSINE

Vírus da "doença do beijo" pode ser causa da esclerose múltipla

Esta seria a primeira vez que os cientistas apontam a causa de uma doença autoimune que ataca o sistema nervoso central. O vírus é encontrado em cerca de 95% dos adultos

Tempo de leitura: 3min
Vitória
Publicado em 18/01/2022 às 10h26
beijo, boca, lábios, herpes, mononucleose
beijo, boca, lábios, herpes, mononucleose. Crédito: Reprodução / SEGS

Um estudo realizado por pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard, nos Estado Unidos, e publicado pela revista científica Science diz ter identificado o vírus de Epstein-Barr (EBV) como possível causador da esclerose múltipla. A descoberta gera esperanças para o desenvolvimento de um possível tratamento para a cura da doença autoimune que afeta mais de 2,8 milhões de pessoas no mundo.

O vírus Epstein-Barr (herpes-vírus humano tipo 4) é muito comum, chegando a afetar, normalmente de forma assintomática, cerca de 50% das crianças antes dos 5 anos de idade. Uma vez contraído, o vírus fica no organismo da pessoa para sempre. Uma prova disso é que ele é encontrado em cerca de 95% dos adultos e pode provocar patologias como a mononucleose, conhecida como a “doença do beijo''.

O estudo, publicado na revista científica Science, mostra que o vírus tem um papel fundamental no desenvolvimento da esclerose múltipla, embora nem todas as pessoas infectadas desenvolvam a doença. Essa hipótese era estudada há vários anos, mas era difícil de demonstrar, pois o vírus é muito comum e os sintomas da doença começam até 10 anos depois da infecção.

Este vídeo pode te interessar

Esta seria a primeira vez que os cientistas apontam a causa de uma doença autoimune que ataca o sistema nervoso central. Sendo que sua evolução depende de paciente para paciente, mas pode causar sequelas e até paralisia de membros.

O ESTUDO

Os cientistas acompanharam por mais de 20 anos dez milhões de jovens adultos do exército estadunidense, dos quais 955 foram diagnosticados com esclerose múltipla durante o serviço.

De acordo com o estudo, o risco de contrair a patologia aumenta 32 vezes após a infecção pelo vírus de Epstein-Barr, mas não varia após a infecção por outros vírus.

Pesquisadores da universidade de Stanford, que publicaram um comentário a respeito do estudo na revista Science, falaram que outros fatores, como genéticos, podem interferir no desenvolvimento ou não da doença.

A farmacêutica americana Moderna anunciou semana passada ter iniciado testes clínicos em humanos em busca de uma vacina contra o vírus de Epstein-Barr.

O QUE É ESCLEROSE MULTIPLA?

De acordo com o Ministério da Saúde, a esclerose múltipla é uma doença inflamatória crônica, autoimune. Por motivos genéticos ou ambientais o sistema imunológico começa a agredir a bainha de mielina (camada de gordura que envolve as fibras nervosas na substância branca do cérebro e na medula espinhal), comprometendo a função do sistema nervoso (cérebro e medula) ao atingir diversas funções ligadas ao trânsito de informações dos neurônios para o resto do corpo. Quando esse caminho é prejudicado pelas lesões provocadas pela enfermidade, essas informações se espalham gerando diversos sintomas.

Os ataques, chamados surtos, são crises inflamatórias que danificam a bainha de mielina causando cicatrizes, também chamadas de placas ou lesões. Há ainda, desde o início da doença, degeneração das próprias fibras nervosas ou axônios. Os surtos ocorrem aleatoriamente, variando em número e frequência, de pessoa para pessoa. Em geral, a doença acomete pessoas jovens, entre 20 e 30 anos

SINTOMAS

  • fadiga;
  • distúrbios visuais;
  • rigidez;
  • fraqueza muscular;
  • desequilíbrio;
  • alterações sensoriais;
  • dor;
  • disfunção da bexiga e/ou do intestino;
  • disfunção sexual;
  • dificuldade para articular a fala;
  • dificuldade para engolir;
  • alterações emocionais;
  • alterações cognitivas.

TRATAMENTO

Não existe cura, mas há tratamentos com medicamentos que buscam reduzir a atividade inflamatória e a ocorrência dos surtos ao longo dos anos, contribuindo para a diminuição do acúmulo de incapacidades durante a vida do paciente.

Além do foco na doença, tratar os sintomas é muito importante para a qualidade de vida do paciente. Os medicamentos utilizados, bem como todo o tratamento, devem ser indicados e acompanhados pelo médico neurologista de forma individualizada.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.