ASSINE

Vídeo: celular explode dentro de loja no Centro de Vitória

Técnico Ronan Camargo Pereira estava a cerca de 60 cm do aparelho e por pouco não se feriu nesta quinta-feira (27). Ele já passou por situação parecida em 2019

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 27/01/2022 às 16h12

Era uma manhã comum de trabalho como as de outros dias, até que um celular explodiu dentro de uma loja no Centro de Vitória, bem perto do técnico Ronan Camargo Pereira, de 29 anos, que se dedicava a consertar outro aparelho. A explosão aconteceu por volta das 11h desta quinta-feira (27).

Câmeras do circuito interno de segurança da loja registraram como tudo aconteceu. A "bola de fogo", por pouco, não acertou em cheio o profissional, que chegou a sentir algumas faíscas no braço. Naquele momento, outros quatro funcionários e dois clientes estavam no estabelecimento.

Ronan Camargo Pereira

Técnico

"Eu ia trocar a bateria do celular que explodiu, mas enquanto eu fazia testes em outro aparelho, ouvi o barulho da explosão e veio a 'chuva de fogo' em cima de mim. Não chegou a me machucar, mas queimou os pelos do braço"

De acordo com o relato do técnico, o aparelho que explodiu estava em cima de uma bancada da loja e não estava ligado à energia elétrica, carregando. O equipamento seria o próximo a ser consertado. Ou seja, o problema poderia ter sido muito mais que um prejuízo material e um susto.

"O celular estava a uns 60 centímetros de mim e o cliente ainda estava esperando na recepção. Ele viu o clarão da explosão e levantou para ver o que tinha acontecido, mas não imaginou que era o celular dele", comentou Ronan. As fotos abaixo mostram o estado em que o telefone ficou:

Celular explodiu em loja no Centro de Vitória

Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26). Eugênio Martini
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26). Eugênio Martini
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26). Eugênio Martini
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26). Eugênio Martini
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26). Eugênio Martini
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)
Bateria do celular explodiu e ficou totalmente destruída após o episódio desta quarta-feira (26)

Sentado perto da entrada da loja, estava o aposentado Jorge Alberto Rodrigues Vieira, que era o dono do celular. Ele contou que levou o telefone ao local porque o aparelho não estava mais segurando a carga e descarregava rapidamente. Ao chegar lá, a atendente informou que a bateria estava inchada.

O aposentado Jorge Alberto Rodrigues Vieira estava na loja, aguardando para receber o celular, que acabou explodindo
O aposentado Jorge Alberto Rodrigues Vieira estava na loja, aguardando para receber o celular, que acabou explodindo. Crédito: Eugênio Martini

"Eu não tinha percebido, porque uso uma capa de proteção, mas desconfiava de algum problema. Então, entreguei o celular e paguei R$ 120 pela troca da bateria. Até então, achei que sairia com o meu aparelho funcionando. Dez minutos depois, teve a explosão, um estouro forte", contou.

Jorge Alberto Rodrigues Vieira

Aposentado, dono do aparelho que explodiu

"Ontem eu tinha deixado o celular perto do neném da minha filha e, depois, ele ficou até de madrugada carregando, perto da minha cama e da minha cabeça. Poderia ter explodido ali. Foi um livramento"

Apesar de se sentir constrangido pela situação e de estar chateado por ter perdido o celular com o qual já estava acostumado a mexer nos últimos quatro anos, o aposentado sabe que tudo poderia ter sido ainda pior e está se adaptando a um novo aparelho, emprestado pelo estabelecimento.

CELULAR JÁ EXPLODIU NA MÃO DO MESMO TÉCNICO

Funcionário da loja há cinco anos, o técnico Ronan Camargo Pereira já passou por um episódio parecido em 2019 – também em uma manhã de dia 27. Em agosto daquele ano, a bateria de um celular explodiu na mão dele, enquanto um reparo era realizado no próprio aparelho.

Na entrevista concedida nesta quarta-feira, ele lembrou do caso com bom-humor devido às coincidências de data e horário. Naquela primeira vez, ele também não se machucou e relatou que só teve tempo de "soltar o celular e correr", depois de a fumaça começar a sair.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.