ASSINE

Vacinação de professores pode ser somente no 2° semestre, mas ES tenta antecipar

Segundo o secretário de Estado da Educação, Vitor de Angelo, a dinâmica de vacinação no Brasil aponta para uma tendência de que ainda vai demorar alguns meses para os professores serem vacinados contra a Covid-19

Publicado em 28/01/2021 às 12h55
Atualizado em 28/01/2021 às 13h56
Vacinação dos profissionais de saúde, veterinários e agentes funerários com 60 anos ou mais de idade, que estão na ativa, na Clínica da Família Estácio de Sá, na região central da cidade. O município do Rio de Janeiro ampliou hoje (27) o público-alvo da campanha de vacinação contra a covid-19.
Vacinação - aplicação de vacina contra a Covid-19. Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O secretário de Estado da Educação, Vitor de Angelo, afirmou durante uma coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira (28), que a dinâmica de vacinação no Brasil aponta para uma tendência de que ainda vai demorar alguns meses para os professores serem vacinados contra a Covid-19. De acordo com ele, a imunização da categoria talvez aconteça somente no segundo semestre deste ano.

De Angelo destacou que Estados e Municípios seguem o Plano Nacional de Imunização, que é definido pelo governo federal. O secretário da Educação do Espírito Santo apontou que esse plano coloca os professores como grupo prioritário, mas os últimos desse grupo.

Segundo De Angelo, o governo do Estado tenta antecipar a vacinação dos educadores. "Nós não temos toda a liberdade de fazer as escolhas e é por essa razão que o plano nacional de imunização prevê o professor como grupo prioritário, mas é o último dos grupos prioritários", apontou.

Vitor de Angelo

Secretário de Estado da Educação

"Pela dinâmica da vacinação, há uma tendência de que a vacinação de professores vá demorar alguns meses ainda, talvez chegando ao segundo semestre. O governador Casagrande tem tentado, junto ao governo federal, sensibilizar sobre a importância de trazer os professores para o início da fila de prioridade"

CASAGRANDE QUER COMPRAR DOSES COMPLEMENTARES

"Não temos ainda nenhum fornecedor garantido, mas estamos prospectando aqui com o tempo conseguiremos comprar alguma coisa. Estamos em contato com todos os laboratórios, mas todos estão ainda em um processo de discussão com o governo federal. A hora que eles concluírem essa avaliação com o governo federal, talvez eles poderão disponibilizar as vacinas para a compra dos Estados. (Essas vacinas) seriam usadas para a gente adiantar a vacinação, por exemplo, de idosos, professores e profissionais da segurança", explicou Casagrande à reportagem de A Gazeta na última segunda-feira (25).

PAIS VÃO PODER ESCOLHER SE MANDAM FILHO PARA A ESCOLA

Questionado sobre o assunto, o secretário Vitor de Angelo (Sedu) afirmou que o direito de escolha sobre a ida dos alunos à escola, presencialmente, continua cabendo às famílias.

“Nas redes estaduais, no ano passado, cogitou-se diferente, falando-se em encerrar essa opção de escolha. Mas essa fala foi feita no ano passado, ainda em um contexto diferente da pandemia. Em alinhamento junto ao Ministério Público e à Defensoria Pública, chegamos à conclusão de que é importante manter essas decisões no âmbito da família, dado o contexto epidemiológico”, afirmou.

Sedu Coronavírus no ES Vacina Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.