Professor do ES que faz Enem todo ano comenta a prova e dá dicas

O professor Mário Broetto dá aulas no ensino médio e se inscreve no exame, desde 2016, para aprimorar o que ele ensina para os alunos. Confira as dicas dele para o segundo dia de prova

Vitória
Publicado em 23/01/2021 às 11h18
Prova de Redação: dicas para se dar bem na hora de produzir o texto no Enem
Prova de Redação: dicas para se dar bem na hora de produzir o texto no Enem. Crédito: Arquivo

No próximo domingo (24), os candidatos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vão testar suas habilidades nas áreas de Matemática e suas Tecnologias e Ciências da Natureza. E para Mário Broetto, professor de Química e diretor pedagógico do Centro Educacional Leonardo da Vinci, também será dia de prova. 

Este é o quinto Enem que o professor participa. Em 2016, quando fez o primeiro exame, Broetto percebeu que como educador precisava entender sobre o que estava falando e também aprimorar técnicas a partir do conhecimento prático. 

"Eu sou de uma época pré-Enem enquanto era aluno.  Depois passei a trabalhar com educação, mas o Enem teve uma mudança muito significativa em todo o processo do ensino médio e de preparação. Eu tinha que conversar com meus alunos e eu era diretor também de escola. Acabava  que me sentia um pouco inseguro de conversar sobre uma coisa que eu não vivenciei. Então, eu decidi vivenciar o Enem para enriquecer meu trabalho e fazer o projeto pedagógico da escola voltado para a preparação da prova o mais real possível", descreveu Broetto. 

Além de qualidade para o trabalho dele, o professor  também percebeu que poderia dar dicas mais próximas da realidade dos candidatos. Ele conta que percebeu uma mudança gradual nessas cinco provas que já prestou.

Em 2016, o Enem  acontecia em dois dias consecutivos. "Era cansativo demais, pois no sábado saí do exame com muita dor no pescoço  e coluna, por causa da posição em uma sala que o candidato não conhece e nem sempre se adapta.  No dia seguinte, saí da segunda prova sem quase conseguir andar. O desgaste físico é muito forte", lembrou. 

Já no ano seguinte, a divisão das provas foi diferente. Ciências Humanas e Ciências da Natureza foram divididas em dias diferentes e tiveram como par Matemática ou Linguagem. Porém, em 2017,  quando juntaram tudo, o tempo de prova ficou curto. "Eu saí de lá sem conseguir finalizar a prova adequadamente, assim como outros candidatos", conta o professor.  

ESTRUTURA DA PROVA

Em 2018, o Inep aumentou em meia hora  o tempo de prova, passando para cinco horas de duração cada dia. "Essa meia hora permitiu que fizesse a prova um pouco melhor. A maneira como o aluno responde à prova depende do objetivo dele. Se a pessoa é candidata da área de exatas, ele precisa fazer a prova de Matemática primeiro. O raciocínio vai estar mais descansado no começo, e ele vai fazer melhor. O aluno da área da saúde deve começar por Quimica e Biologia", orienta.

Mário Broetto acredita que a prova do Enem mais bem elaborada é a de Matemática, pois ela explora o raciocínio lógico do aluno e não o deixa  refém de fórmulas. 

"É possível resolver várias questões sem depender de fórmulas, pois  elas valorizam aspectos do cotidiano, envolvem o dia a dia da pessoa. Então é uma prova de Matemática, mas uma pessoa que não estudou tanto tem chances de ter um resultado bom, diferente de Química, Física e Biologia.  Nessas últimas, ou você vai abastecido por conhecimento conceitual ou faz quase nada da prova", observa o professor.

Dia de prova do Enem
Data: 17/01/2021 - ES - Vitória - Fechamento dos portões no dia de Enem no Colégio Salesiano - Editoria: Cidades - Foto: Fernando Madeira - GZ. Crédito: Fernando

Outra mudança que professor percebeu ao longo dos anos foi na prova de Ciências Humanas. "Ela foi se afastando do conceitual e foi se acostumando em questões interpretativas. Ler o enunciado e ter uma boa interpretação já dá um norte da solução para o candidato. A interpretação está diretamente ligada a um bom leitor. Quanto mais lê, mais desenvolve essa habilidade", avalia. 

DICAS

O professor afirma que uma boa dica para qualquer prova do Enem é começar pelo assunto que se tem uma facilidade maior.

No segundo dia de prova, para quem não é de biomédicas, outra sugestão é começar a resolver as questões de  Matemática. "Das 45 questões,  20 a 25 serão de raciocínio lógico. O candidato não precisará de fórmula para resolver e será onde terá mais chances de acertar", observa. 

Por último, mas não menos importante: atenção com o tempo. Como o candidato não pode entrar com relógio, o tempo é sinalizado de acordo com uma marcação no quadro, mostrando cada meia hora de prova que se passou. 

"Não existe relógio na sala de aula, as etiquetas são retiradas a cada meia hora. A pessoa tem que tomar muito cuidado, pois o Enem é cansativo", explicou.

Agora, é fazer uma boa escolha de onde vai sentar -  já que as janelas estarão abertas devido à pandemia -  levar máscaras, água e uma fruta. Boa prova! 

Educação Enem MEC Ensino Superior

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.