Cobra é vista "tomando banho de mar" em praia de Vila Velha

Registro da serpente na beira do mar foi feito na manhã de segunda-feira (22), na área do Parque Paulo Cezar Vinha; é uma espécie venenosa, mas que não oferece risco aos seres humanos

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 23/02/2021 às 17h48
Atualizado em 23/02/2021 às 17h48
Cobra foi vista tomando um banho de mar na areia de Ponta da Fruta nesta segunda-feira (22)
Cobra foi vista "tomando um banho de mar" na praia Ponta da Fruta nesta segunda-feira (22). Crédito: Marcelo Venturini

A presença de uma cobra na areia da praia de Ponta da Fruta, em Vila Velha, na manhã desta segunda-feira (22) chamou atenção de quem passou pelo local. O registro do animal foi feito pelo tatuador Marcelo Venturini, próximo à área da reserva ambiental do Parque Paulo Cezar Vinha. A espécie é venenosa, mas não traz riscos ao ser humano.

Marcelo explicou que mora próximo à praia e que frequenta a área da reserva para surfar. Ele disse já ter visto vários animais por ali, como cobras, macacos e até um veado. Segundo o tatuador, a serpente estava bem próxima da água, tanto que algumas ondas chegavam a bater nela.

"Sou surfista e todos os dias de manhã acordo cedo para surfar, várias vezes vejo animais por ali. Estava passando de bicicleta, parei e tirei a foto. Fiquei um tempo observando a cobra e depois fui surfar. Fiquei perto dela, ela ficou tranquilona, com a água batendo nela", disse.

O biólogo Daniel Motta explicou que trata-se de uma cobra da espécie Philodryas patagoniensis, que é conhecida por alguns nomes, como cobra palhereieira, corre-campo ou papa-pinto. Ele explicou que é um animal comum no litoral do Espírito Santo, principalmente na área de restinga.

"Essa espécie tem hábitos diurnos e se alimenta de pequenos roedores, anfíbios, répteis e até mesmo cobras da própria espécie. É uma cobra venenosa, mas, apesar de conter toxina, não é capaz de matar um ser humano. A preservação das serpentes é muito importante, pois elas têm um papel no controle de pragas urbanas e servem de alimento para outros animais", completou o biólogo.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.