ASSINE

Cantor sertanejo morto no ES sobreviveu à internação por Covid

O amigo e parceiro de dupla, Roniel Cardozo, contou que durante a pandemia os dois fizeram três apresentações pela internet, mas que, devido à Covid-19, Carlos precisou se afastar

Cachoeiro de Itapemirim / Rede Gazeta
Publicado em 16/07/2021 às 13h31
Homem e mulher são assassinados em fazenda de Muqui
Cantor e mulher são assassinados em fazenda de Muqui. Crédito: Reprodução/TV Gazeta Sul

O cantor sertanejo Carlos Pastor Neto, encontrado morto na noite desta quarta-feira (14), em uma fazenda no município de Muqui, no Sul do Espírito Santo, chegou a ser internado por complicações da Covid-19. Segundo o parceiro de dupla, ele teria testado positivo duas vezes para a doença. A informação foi confirmada pela família à TV Gazeta, na manhã desta sexta-feira (16), enquanto parentes liberavam o corpo do músico no Serviço Médico Legal de Cachoeiro. 

O amigo e parceiro de dupla, Roniel Cardozo, contou que durante a pandemia os dois fizeram três apresentações pela internet, mas que, devido à Covid-19, Carlos precisou se afastar. “Na época, ele mesmo me falou que estava com Covid. Na segunda vez que ele pegou, ele chegou a ficar internado, mas recuperou", afimou. 

DATA MARCADA PARA VOLTAR AOS PALCOS

A dupla Carlos e Roniel, que completou dois anos em junho, cantava sertanejo e forró e estava com alguns eventos agendados para a região. A próxima apresentação estava marcada para o mês seguinte. “Tinha um show previsto para agosto e outros em diante. A nossa dupla foi formada em junho 2019 e, por causa da pandemia, ficou parada. Agora que a gente estava voltando, infelizmente, não deu para continuar com o projeto”, disse Roniel.

CORPO LIBERADO

O corpo de Carlos foi liberado no fim da manhã desta sexta-feira (16) e o sepultamento está previsto para acontecer ainda nesta sexta. “Depois de tanto tempo de espera, liberaram o corpo agora, 11h40. Além da perda dele, tivemos essa espera por não ter perito para liberar o corpo. Vamos levar a localidade de Conceição de Muqui para o velório e sepultamento”, disse a prima do cantor Edilaine Dias.

O companheiro de palco lamenta a perda do amigo. “Eu fiquei sabendo da morte dele por um outro amigo. Devido à pandemia, a gente não estava muito junto pessoalmente, mas sempre pelo telefone, com contato direto, trocava mensagem”, contou Roniel.

O QUE DIZ A POLÍCIA CIVIL

Procurada na manhã desta sexta-feira (16), a Polícia Civil informou que o caso seguirá sob investigação da Delegacia de Polícia (DP) de Muqui e, até o momento, nenhum suspeito foi detido. "Outras informações não serão repassadas para que a apuração dos fatos seja preservada", disse, em nota. 

O CRIME

duplo homicídio aconteceu no interior de Muqui, na localidade de Santa Rita e as vítimas trabalhavam na fazenda. Maria das Graças Xavier Nalim Franzoni, tinha 48 anos e trabalhava como empregada doméstica. Já Carlos Pastor Neto, de 49 anos, era o caseiro do local e cantor sertanejo. Os dois foram encontrados com marcas de tiros à noite e, inicialmente, nenhum objeto foi roubado do local. 

Segundo familiares, o corpo de Maria das Graças foi sepultado nesta quinta-feira (15), em Muqui. Já Carlos Pastor foi enterrado nesta sexta-feira (16), em Conceição de Muqui, zona rural de Mimoso do Sul. 

Com a colaboração de Gustavo Ribeiro/TV Gazeta Sul

Entrada da fazenda onde crimes aconteceram em Muqui
Entrada da fazenda onde crimes aconteceram em Muqui . Crédito: Reprodução/ TV Gazeta Sul

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.