ASSINE

Asteroide passará próximo à Terra e poderá ser visto do ES nesta terça

Preparem os telescópios! O asteroide 7482, que possui diâmetro estimado entre 750 a 1350 metros, vai passar a uma distância de cerca de 2 milhões de quilômetros do planeta nesta terça-feira (18)

Tempo de leitura: 3min
Vitória
Publicado em 18/01/2022 às 16h24
Asteroide 7482 passa próximo a Terra nesta terça-feira (18)
Asteroide 7482 passa próximo a Terra nesta terça-feira (18). Crédito: Deposit Photos

Um asteroide de mais de um quilômetro de diâmetro passará próximo à Terra nesta terça-feira (18). Conforme divulgado pelo Projeto Telescópio Virtual, da Itália, o corpo celeste é classificado como "potencialmente perigoso", mas a passagem não apresentará riscos ao planeta.

O projeto detalhou que o asteroide - chamado de 7482 (1994 PC1) - tem um diâmetro estimado entre 750 metros a 1350 metros e passará a cerca de 2 milhões de quilômetros da Terra. Por conta do tamanho, o corpo celeste será visível por telescópios menores, sobretudo no Hemisfério Sul, inclusive no Espírito Santo.

2 milhões de quilômetros

É a distância que o asteroide 7482 passará da Terra

Segundo Marcelo de Cicco, astrônomo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o asteroide possui um tamanho equivalente a 2,5 vezes o Empire State Building, arranha-céu de 102 andares no coração de Nova York. Ele reforçou, porém, que não há risco de impacto com a Terra nos próximos anos e que se trata de um asteroide já bem conhecido e estudado.

"Ele é considerado um asteroide “Near Earth Object” (Objeto Próximo à Terra, na tradução livre), ou NEO, e é considerado um asteroide com possível risco de impacto. Ele faz parte do grupo de famílias Apollo, que são objetos que têm a órbita um pouco maior e, às vezes, podem cruzar a órbita terrestre. Mas é um risco quase zero, não tem qualquer possibilidade desse asteroide impactar na Terra pelos próximos centenas ou milhares de anos. Ele foi descoberto em 1994, então é um objeto conhecido, estudado", disse.

Este vídeo pode te interessar

O astrônomo apontou que a distância que ele passará da Terra é aproximadamente cinco vezes a do planeta até a Lua, o que é considerado próximo para a astronomia. Isso permitirá a observação do corpo celeste por meio de telescópios amadores.

"Essa é a distância mais próxima da Terra até os próximos 200 anos. Por conta da proximidade, em termos astronômicos, é o objeto mais fácil de se observar com telescópios amadores", completou Marcelo de Cicco.

COMO OBSERVAR O ASTEROIDE?

Como sempre, tudo depende das condições climáticas. Se o céu estiver limpo, facilita. Mas você só vai poder observar o asteroide se tiver um pequeno telescópio. Ele aparecerá na constelação de Peixes, perto de Urano e da estrela dupla Torcular Septentrional.

O asteroide estará na constelação de Peixes no dia 18 de janeiro, na altura de Urano
O asteroide estará na constelação de Peixes no dia 18 de janeiro, na altura de Urano. Crédito: Stellarium

O melhor horário para observá-lo é a partir das 20h30 desta terça-feira (18), quando o céu ficará escuro e Urano estará a 40° acima do horizonte. Durante a noite, o planeta e as estrelas desse lado do céu descerão até desaparecerem no horizonte. O mesmo vale para o asteroide.

Pode ser bem difícil detectar o objeto, mas, quando ele passar perto de estrelas de fundo, será possível observar o movimento em relação a elas. O brilho da Lua pode atrapalhar um pouco, mas ela estará a uma boa distância do alvo.

O Projeto Telescópio Virtual irá transmitir a passagem do asteroide a partir das 17h, quando o corpo celeste estará mais próximo da Terra. A trajetória dele pode ser acompanhada pelo canal oficial do projeto no Youtube.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.