ASSINE

Descoberto no ES: café potente tem 40% mais cafeína que grãos tradicionais

Grão do tipo conilon identificado e registrado por pesquisadores da Ufes é considerado inédito. Ele produz bebida mais potente, embora a diferença seja pouco perceptível ao paladar; saiba mais

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 24/05/2022 às 09h50
hyper cafeina
Café com alto teor de cafeína produzido no ES foi identificado por pesquisadores. Crédito: Fábio Partelli/Acervo pessoal

Há quem prefira o café mais forte, outros o bebem mais fraquinho. Mas é indiscutível que uma boa xícara de café é capaz de dar uma injeção de ânimo em qualquer um. Esse "boom" de energia se deve à cafeína, uma das substâncias presentes no grão. Nesse quesito, uma variedade inédita de café identificada por pesquisadores no Espírito Santo promete produzir uma bebida 44% mais potente que as demais.

O café conilon Forte Guarani (de nome científico Coffea canephora Pierre ex A. Froehner) tem, em média, 2,68 gramas de cafeína por 100 gramas de grão cru, enquanto a média dos demais genótipos avaliados é de 1,86 grama por 100 gramas.

Essa diferença, segundo o pesquisador da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Fábio Partelli é quase imperceptível ao paladar, entretanto, seus efeitos no organismo são evidentes.

“O café extra forte que se vende por aí, ele é só mais torrado. Já esse tipo de grão que registramos é forte de verdade, se você considerar que a cafeína é considerada uma fortaleza.”

O grão foi identificado entre 42 genótipos avaliados por pesquisadores da Ufes em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e dois cafeicultores capixabas.

Fábio Partelli: pesquisador mostra café com alto teor de cafeína produzido no ES
Fábio Luiz Partelli: café com alto teor de cafeína produzido no ES foi identificado por pesquisadores da Ufes. Crédito: Fábio Partelli/Acervo pessoal

De acordo com Partelli, o Forte Guarani, observado em uma lavoura no interior do município de Vila Valério, no Noroeste do Espírito Santo, destaca-se não apenas pelo alto teor de cafeína, como também pela produção satisfatória em relação aos demais grãos.

“A produção dele se manteve na média de 90 sacas por hectare durante o período em que foi analisado. E é uma produção comum, o plantio é feito da mesma forma como o dos demais grãos.”

Fábio Partelli

Pesquisador da Ufes

"É um tipo de café para pessoas que gostam de provar cafés diferentes e pessoas que gostam de fazer atletismo e usam a cafeína para se tornarem mais produtivos. Em termos de paladar, não chega a ser perceptível a diferença, mas o organismo percebe"

O grão, que já começa a atrair a atenção de cafeterias do Estado, foi registrado junto ao Ministério da Agricultura (Mapa) no final do mês de dezembro.

"Um dos requisitos para o RNC (Registro Nacional de Cultivares) é que a cultivar seja distinta das demais já registradas. O alto teor de cafeína consta como uma das características apontadas no processo de registro dessa cultivar que, conforme declarado pela instituição mantenedora, apresentou média do teor de cafeína significativamente superior aos outros genótipos avaliados", informou o Mapa em nota.

Uma cultivar é como uma variedade de café, mas é chamada desta forma porque tem características únicas que a diferenciam de outros cultivares da mesma espécie e, quando reproduzidas, mantém essas características. Além disso, o termo é utilizado para pesquisas com o objetivo de melhorias na produtividade.

ONDE ENCONTRAR

Por enquanto, o café com alto teor de cafeína do grão Forte Guarani só pode ser adquirido junto aos produtores. Para mais informações, basta enviar um e-mail para: [email protected]

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.