ASSINE

Exposição comemorativa reúne 20 artistas do Espírito Santo

Mostra coletiva "20/20" celebra as duas décadas do Museu Vale com obras de artistas locais e suas múltiplas linguagens

Publicado em 26/10/2018 às 13h43

Um dos principais espaços dedicados à arte no Espírito Santo, o Museu Vale celebra suas décadas de existência com a exposição “20/20”. Com a curadoria de Ronaldo Barbosa, diretor do Museu, e Neuza Mendes, curadora institucional, 20 artistas locais foram selecionados para expor obras inéditas que ocupam desde a fachada do museu até o seu interior.

A mostra reúne artistas como os veteranos Vilar e Hélio Coelho, que se juntam a nomes mais contemporâneos como Andréia Falqueto, Bruno Zorzal, Elton Pinheiro, Fernando Augusto, Fredone Fone, Gabriel Borém, Jocimar Nalesco, Juliana Pessoa, Leo Benjamim, Luciano Feijão, Luiz Felipe Porto, Miro Soares, Poliana Dalla, Rafael Pagatini, Re Henri, Rick Rodrigues, Sandro Novais e Thiago Arruda.

“A ideia vem desde o ano passado. Eu e Neuza analisamos em média 50 portfólios de artistas e escolhemos 20. Não é uma exposição temática, mas sim uma que olha para potência de cada trabalho”, explica Ronaldo Barbosa.

SELEÇÃO

Os curadores acabaram criando um mapeamento dessa nova produção artística capixaba e fortalecendo o interesse do museu em acompanhar as atualizações da produção contemporânea e as mudanças na arte, cultura e comportamento.

“Quando Ronaldo me convidou para fazer a curadoria, eu já tinha em mente essa produção mais atual. Sou sempre muito inquieta e meu olhar sempre vai em busca desse pulso do momento, de uma geração que está muito próxima”, conta Neuza Mendes.

artistas

A exposição já começa na fachada do museu, que ganhou as cores preta, vermelha e branca pelas mãos do artista plástico Fredone Fone. Conhecido por seus murais que se espalham mundo afora, Fredone terá sua obra podendo ser vista até por quem não entrar na exposição.

“Acho importante a pintura da fachada porque ali é uma região onde as pessoas vão pescar, muitas nunca entraram no museu, mas de alguma forma poderão acessar a exposição através do meu trabalho”, reflete Fredone.

No interior, uma das obras é “Retrato Oficial”, de Rafael Pagatini. De perto, parecem pregos de aço cravados nas paredes, mas de longe é possível visualizar retratos impressos dos presidentes militares, a partir de detalhes das bocas.

“Percebi que os presidentes militares sempre posaram com a roupa civil, eles não usaram a farda militar. Essa ausência da farda indica que o objetivo era apresentar como se não fosse ditadura. Eles estão com a boca fechada, e aí você vê essa boca de frente e vai percebendo essa materialidade e o aspecto violento, presente no período”, contextualiza Rafael.

Por toda exposição é possível passear por diversas expressões da arte: instalações, fotografias, bordados, gravuras, grafite, pinturas, site specific (feitas no local) e desenhos. “A maioria dos artistas passou pela universidade e representa muito o que é o Centro de Artes. Essa mistura. É uma exposição que tem uma diversidade”, analisa Ronaldo Barbosa.

Exposição 20/20

Visitação: 30 de outubro a 25 de fevereiro de 2019.

Onde: Antiga Estação Pedro Nolasco. S/n

Argolas, Vila Velha.

Ingressos: Entrada gratuita.

Informações: (27) 3333-2484.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.