ASSINE

Abdulrazak Gurnah, da Tanzânia, vence o Nobel de Literatura de 2021

Academia Sueca anunciou vencedor do prêmio literário na manhã desta quinta

Publicado em 07/10/2021 às 08h47
O escritor Abdulrazak Gurnah, da Tanzânia, que ganhou o Nobel de Literatura de 2021
O escritor Abdulrazak Gurnah, da Tanzânia, que ganhou o Nobel de Literatura de 2021. Crédito: Divulgação

O romancista Abdulrazak Gurnah venceu o prêmio Nobel de Literatura deste ano, o maior reconhecimento mundial a um escritor vivo.

A Academia Sueca fez na manhã desta quinta-feira o anúncio que pega todas as bolsas de aposta de surpresa.

A premiação vinha tendo anos turbulentos antes da vitória pouco ruidosa da poeta americana Louise Glück, no ano passado.

Outra cria dos Estados Unidos, o músico Bob Dylan causou um terremoto nos círculos literários ao ser escolhido para o prêmio há cinco anos, quando o principal de sua obra são letras de canções.

No ano seguinte, o Nobel passou por sua maior crise, devido a acusações de estupro e corrupção no comitê que escolhe os vencedores, o que causou sete baixas na instituição.

Em 2018, o prêmio não foi entregue -foi a primeira vez que isso aconteceu por um motivo diferente de uma guerra- e, em compensação, a instituição decidiu escolher duas pessoas em 2019.

Mas isso não acalmou ânimo nenhum, já que ao lado da polonesa Olga Tokarczuk, o Nobel escolheu o austríaco Peter Handke, sob quem recaíam acusações de racismo e de negar a existência do genocídio na Bósnia.

Fundada há 232 anos pelo rei da Suécia com o objetivo inicial de proteger seu idioma, a Academia Sueca seleciona desde 1901 o vencedor do Nobel, que hoje ganha um prêmio de 10 milhões de coroas suecas, ou cerca de 6 milhões de reais.

Dos 118 escritores escolhidos até hoje, apenas 16 foram mulheres. Só três pessoas negras venceram até hoje: a americana Toni Morrison, o nigeriano Wole Soyinka e Derek Walcott, da ilha caribenha de Santa Lúcia.

O eurocentrismo e a anglofilia, que sempre marcaram o Nobel de literatura, ainda perduram. Nove dos dez premiados da última década vieram da América do Norte ou da Europa -a exceção foi o chinês Mo Yan, em 2012.

Os Estados Unidos e a França lideram a lista de nacionalidades, com 11 vencedores cada um.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.