ASSINE

Bolsonaro ainda precisa virar a chave e adotar tom de presidente

Discursos de posse de Bolsonaro mostram que o novo presidente ainda precisa ser mais veemente na busca da conciliação

Publicado em 02/01/2019 às 11h31
Presidente Jair Bolsonaro saúda o público depois de receber a faixa presidencial de Michel Temer, no parlatório do Palácio do Planalto. Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro saúda o público depois de receber a faixa presidencial de Michel Temer, no parlatório do Palácio do Planalto. Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Os discursos de posse de Jair Bolsonaro, principalmente o voltado para o público no parlatório do Palácio do Planalto, mantiveram o tom da campanha, de ênfase na batalha ideológica que tanto prometeu travar quando chegasse ao poder. Diante da multidão de apoiadores, é compreensível que Bolsonaro tenha apelado para a popularidade do tema entre o seu eleitorado e ressaltado que, agora presidente, vai “libertar o povo do socialismo e do politicamente correto”.

A sensação é de que o Bolsonaro candidato ainda precisa virar a chave para o Bolsonaro presidente. Justamente por já ostentar a faixa presidencial, poderia ter ido além, no sentido da conciliação nacional e dos caminhos que pretende seguir para resolver os problemas mais urgentes do país.

Mais cedo, no Congresso, teve mais êxito em deixar para trás o candidato e se portar como um governante, não só por ressaltar seu compromisso de “construir uma sociedade sem discriminação ou divisão”, mas também por traçar diretrizes que de fato interessam à nação como um todo, com resultados capazes de proporcionar a retomada do crescimento e garantir mais qualidade de vida e justiça social.

Ao assegurar que “o governo não gastará mais do que arrecada”, como expôs às autoridades presentes, esboçou a preocupação com o equilíbrio fiscal. Também fez menção às reformas estruturantes, que apontam para esse cuidado com a saúde financeira do país. Citou a necessidade de menos burocracia, mais produtividade e descentralização do poder. Passeou por demandas que são inegavelmente de interesse comum: educação de qualidade, saúde para todos e segurança. Para arrematar, reafirmou o compromisso com a democracia.

Uma longa jornada aguarda Bolsonaro, que terá de buscar consensos e convencimentos para atingir aquilo que é considerado o bem comum. Para isso, alguns sacrifícios serão exigidos da sociedade. E, como ninguém governa sozinho numa democracia, o diálogo deverá se fazer presente, com espaço para críticas.

O tratamento dado à imprensa na cerimônia de posse, com limitações à circulação de jornalistas, confinamento e acesso restrito à água e aos banheiros, provocou um mal-estar que poderia ter sido evitado. A liberdade de imprensa não é mera benevolência; é muito mais, é o oxigênio que garante o vigor democrático. O Bolsonaro presidente, diferentemente do candidato, ainda tem tempo para corrigir deslizes assim.

A Gazeta integra o

Saiba mais
jair bolsonaro opinião

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.