ASSINE

Pressão e falta de acordo fazem votação de reforma do IR ser adiada na Câmara

O que tem emperrado projeto são as perdas que as mudanças podem trazer aos caixas de Estados e municípios

Publicado em 12/08/2021 às 16h57
Plenário da Câmara dos Deputados. Parte dos parlamentares participa da sessão virtualmente, em meio à pandemia de Covid-19
Plenário da Câmara dos Deputados. Parte dos parlamentares participa da sessão virtualmente, em meio à pandemia de Covid-19. Crédito: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Após pressão de prefeitos e governadores e falta de acordo entre os partidos, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), acatou contrariado a sugestão de líderes da Casa para adiar a votação do projeto da reforma tributária que trata de mudanças no Imposto de Renda para a próxima terça-feira (17).

"Está fora de pauta, a pedido dos líderes, para votar na terça-feira, sem compromisso de mérito", determinou Lira. O que tem emperrado projeto são as perdas que as mudanças podem trazer aos caixas de Estados e municípios, como já mostrou A Gazeta.

A análise do texto do deputado Celso Sabino (PSDB-PA) já havia iniciado no plenário, mas, sem consenso, líderes de centro e de oposição iniciaram um movimento para adiar a votação. A sugestão foi levada pelo líder do DEM, Efraim Filho (PB). Líderes do PT, PDT, PSDB e Novo concordaram com proposta.

"Colocar para semana que vem é sem dúvida nenhuma o caminho mais prudente", afirmou o líder do MBD, Isnaldo Bulhões (AL). O líder do PSC, Aluísio Mendes, discordou com o adiamento, assim como o do PCdoB, Renildo Calheiros.

Lira queria avançar com a reforma nesta quinta. Ele afirmou que o tema da reforma tributária foi dividido justamente pela complexidade do assunto. Lira negou que a reforma possa tirar recursos de Estados e municípios. "Eu não colocaria essa matéria para votar se tivesse qualquer chance de municípios perderem recurso", disse. "Não vai se chegar a um consenso nunca em relação a isso quando não se tem boa vontade de sentar e fazer a conta"."

Lira defendeu que o texto de Sabino está no caminho certo, mas que acataria o apelo do plenário, embora não visse no adiamento uma solução.

O relator disse que acatará sugestões das bancadas e irá protocolar um novo texto ainda nesta quinta. Disse ainda que estará disponível até terça-feira para tirar as dúvidas dos colegas.

Após a decisão, o plenário passou a analisar o projeto que trata sobre a federação dos partidos. A relatora da reforma eleitoral, deputada Renata Abreu (Podemos-SP) está em voo e, quando ela chegar ao seus destino, deverá ser retomada a votação do segundo turno da proposta de emenda à constituição (PEC) sobre mudanças nas regras eleitorais.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.