ASSINE

Conheça as profissões em alta com a nova indústria

Estudo aponta quais profissionais serão mais requisitados

Publicado em 25/11/2018 às 20h51

A quarta revolução industrial já começou. Além da modernização das fábricas, as profissões também serão impactadas pela indústria 4.0. Entre os profissionais que mais serão demandados nessa nova era estão o técnico de projetos de produtos de moda, mecânico de veículos híbridos, analista de internet das coisas e projetista para tecnologias 3D.

Recente pesquisa feita pelo Senai apontou que oito áreas serão mais impactadas pela nova indústria em um prazo de cinco a dez anos: automotiva, construção civil, tecnologia da informação, máquinas e ferramentas, química e petroquímica, têxtil e vestuário, petróleo e gás e alimentos e bebidas.

Ainda de acordo com o levantamento da instituição, essa nova realidade vai criar, pelo menos, 30 novas profissões, que serão bastante requisitadas para atuarem nas organizações. Tudo isso por conta da transformação.

José Augusto Rocha Junior, aluno do Senai, fez automação industrial de olho no futuro tecnológico das empresas. Crédito: Fernando Madeira
José Augusto Rocha Junior, aluno do Senai, fez automação industrial de olho no futuro tecnológico das empresas. Crédito: Fernando Madeira

Um bom exemplo é o trabalhador que atua como mecânico. O superintendente do Sesi-ES e diretor Regional do Senai-ES, Mateus Simões de Freitas, lembra que antes de existir os carros, as pessoas precisavam de ferreiro para selar os cavalos. Depois disso, vieram os automóveis, sendo necessário aprender a consertar o motor, seguido pela tecnologia de injeção eletrônica. O próximo passo será saber lidar com veículos elétricos.

“Algumas carreiras deixarão de existir, outras vão nascer e algumas se transformarão. Novas tecnologias vão exigir novos conhecimentos, principalmente aqueles que conectam o real com o digital. Todos os cursos do Senai e Sesi já são voltados para a indústria 4.0”, salienta.

Freitas ressalta que esse novo momento não está longe da indústria brasileira. “No Espírito Santo, há casos de empresas que o executivo pode acompanhar a produção pelo celular. A modernidade sugere adaptações e o homem complementa”, destaca.

José Augusto Rocha Junior já se formou no curso de Automação Industrial de olho no futuro. “Escolhi a formação porque a carreira está dentro dos novos conceitos da indústria e sempre em crescimento. O melhor de tudo é que não há previsão de regresso. Agora, estou cursando Engenharia Elétrica, e espero ter novas oportunidades de emprego e crescimento pessoal e profissional”, comenta. O estudante participa da Olimpíada do Conhecimento do Senai.

Para o gerente-geral de Gestão de Pessoas, Saúde e Segurança da ArcelorMittal Tubarão, Rodrigo Gama, muito se fala sobre tecnologia, mas um outro fator muito importante para solucionar problemas será a criatividade.

“Isso será possível com o pensamento inovador, com uma tecnologia que tenha a mesma velocidade do que se pensa. Estudos apontam que uma pessoa terá até cinco carreiras ao longo de sua vida profissional. Isso que dizer que será necessário reaprender permanentemente, se especializar cada vez mais, ou seja, ter mentalidade de crescimento e se desenvolver para estar apto para o novo mundo. A sociedade está mudando e o contexto do trabalho também”, ressalta.

NOVAS PROFISSÕES PARA O MERCADO E SUAS ATIVIDADES

Tec. da Informação e Comunicação

Analista de IoT (internet das coisas): Integrar hardware e software por meio da internet, entre outras.

Engenheiro de cibersegurança: Realizar testes de penetração e outras ferramentas de cibersegurança, usando-as para manter a empresa segura contra ameaças internas e externas.

Analista de segurança e defesa digital: Identificar riscos existentes ou em potencial que impactam a segurança de informações; entre outras.

Especialista em big data: determinar como a empresa pode se inserir em novo nichos de

mercado, entre outras.

Engenheiro de softwares: Automatizar, centralizar e otimizar todos os processos de uma fábrica ede sua matriz recorrendo a softwares feitos sob medida (customizados).

Alimentos e Bebidas

Téc. impressão de alimentos: Fazer manutenção das máquinas responsáveis pela impressão de alimentos.

Especialista em Comunicação para rastrear alimentos: Colaborar com as empresas de alimentos no design, entre outras.

Especialista em aplicações de embalagens para alimentos: melhorar embalagens e/ou adaptá-las para novas tecnologias de embalagem, entre outras.

Automotivo

Mecânico de veículos híbridos: Realizar diagnóstico de motores a combustão interna e/ou elétricos e todas as atividades de manutenções.

Mecânico especialista em telemetria: Programar computadores e realizar diagnóstico e reparo em redes eletrônicas.

Programador de unidades de controles eletrônicos: Acessar e reprogramar unidades de controle eletrônico por meio de protocolos de comunicação via scanner ou interfaces, entre outras.

Téc. informática veicular: Instalar equipamentos para teste, motores ou acessórios, entre outras.

Máquina e Ferramenta

Operador de High Speed Machine: Otimizar processos produtivos por meio de softwares de programação CNC, entre outras.

Programador de ferramentas CAD/CAM/CAE/CAI: Atuar substituindo o desenhista mecânico.

Técnico de manutenção em automação: Substituir componentes eletroeletrônicos, entre outras.

Projetista para tecnologias 3D: Atuar na modelagem em software CAD e/ou específicos para impressão 3D, entre outras.

Construção Civil

Gestor de logística de canteiro de obras: Ler e interpretar projetos, entre outras.

Integrador de sistema de automação predial: Compatibilizar e integrar as necessidades relativas à automação predial.

Instalador de sistema de automação predial: Instalar sistemas de automação predial (elétrica, eletrônica e TI).

Téc. construção seca: Analisar projetos, executar e montar sistemas do tipo seca (ex.: drywall).

Téc. automação predial: Criar projetos e executar automação predial.

Têxtil e Vestuário

Téc. projetos de produtos de moda: desenvolver produtos e tecnologias para aumento da customização, entre outras.

Engenheiro em fibras têxteis: adequar os processos de fiação, tecelagem e beneficiamentos têxteis às novas fibras, entre outras.

Designer de tecidos avançados: Desenvolver projetos de novos tecidos e materiais sintéticos com propriedades predefinidas (por exemplo, telas de memória LED).

Química e Petroquímica

Especialista em análises instrumentais automatizadas: Realizar análises instrumentais, utilizando equipamentos automatizados.

Especialista no desenvolvimento de produtos poliméricos: Analisar e desenvolver novos produtos (ex.: nanotecnologia), entre outras.

Especialista em reciclagem de produtos poliméricos: Gerenciar o processo de separação e descontaminação dos materiais a serem reciclados, entre outras.

Petróleo e Gás

Especialista em téc. de perfuração: Desenvolver e implantar novas técnicas de perfuração.

Especialistas em sismologias e geofísica de poços: Desenvolver tecnologias para aumentar a confiabilidade de novos reservatórios de petróleo e gás em bacias onshore e offshore.

Especialistas para recuperação de petróleo: Criar e implantar novas tecnologias para melhoria na eficiência de injeção de água, entre outras.

Fonte: Senai

HABILIDADES SE CONECTAM COM O FUTURO

O que antes fazia parte da imaginação dos diretores de ficção científica, agora já é realidade na indústria. O avanço tecnológico possibilita cada vez mais a integração entre o mundo físico e o virtual. Nessa nova realidade, será essencial ter conhecimentos como análise de dados, internet das coisas, robótica e dados digitais na nuvem.

Essas habilidades, que já fazem parte do mundo corporativo, serão aliadas do profissional na melhoria de processos e na gestão do tempo, além do consequente aumento de produtividade e lucratividade.

Um bom exemplo é o conhecimento de internet das coisas, um termo que faz referência às possibilidades de objetivos físicos poderem se comunicar entre eles via internet, coletando e trocando dados entre si e com o usuário. Só para se ter uma ideia, na indústria, eles são responsáveis por otimizar e facilitar os processos no chão de fábrica ou em qualquer outro lugar.

Alunos do Sesi já estão em contato com as novas tecnologias, como robótica. Crédito: Sesi/Divulgação
Alunos do Sesi já estão em contato com as novas tecnologias, como robótica. Crédito: Sesi/Divulgação

TECNOLOGIA

Já a robótica é um dos campos mais crescentes no setor industrial, por conta do processo de automatização das fábricas. A tecnologia poupa tempo e dinheiro, proporciona maior segurança para os funcionários em operação e, futuramente, serão capazes de interagir com outras máquinas e com os humanos, tornando-se mais flexíveis.

A vice-presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos, seccional Espírito Santo (ABRH-ES), Alessandra Zanotti, lembra que as novas carreiras estão ligadas às mudanças tecnológicas e à inovação, como programação em 3D, gestor de rede, gestor de big data e engenheiro.

“Todas as profissões estão passando por transformações, até mesmo aquelas que não estão ligadas à indústria. Um bom exemplo é a área de medicina, que já utiliza a tecnologia em cirurgias. Cada vez mais, haverá exigência de uma formação mais multidisciplinar para entender um pouco de cada coisa, além de relações mais compartilhadas e colaborativas, um compartilhamento de ideias”, destaca Alessandra.

O estudioso da cultura digital Gil Giardelli aponta a importância de várias áreas trabalharem juntas. “As pessoas terão que aprender e desaprender as coisas rapidamente. Todos os dias é preciso investir um pouco de tempo em estudo. Nunca foi tão necessário se atualizar”, reforça.

CONHECIMENTOS PARA SE PREPARAR PARA O FUTURO

Internet das Coisas

Estar antenado sobre o funcionamento, uso e manutenção de sensores e softwares, além da criação das redes que os conectam é uma boa pedida para quem quer se inserir nesse futuro.

Big Data

Analisar e extrair as informações certas dos dados coletados pode ser um grande passo para se inserir no contexto da nova indústria e conquistar novos horizontes no mercado de trabalho. Essas análises vão ajudar a tomar decisões mais acertadas.

Inteligência Artificial

A tecnologia pode ajudar os robôs a gerenciarem a produção de um fábrica, por exemplo. Profissionais de programação devem ficar atentos ao setor.

Realidade Aumentada

Com essa tecnologia, as fábricas podem ser gerenciadas à distância, como se o usuário estivesse na planta. Os cursos nessas áreas abordam a criação de simulações e aplicações em realidade virtual e aumentada. Para programadores, essa é uma boa área para investir.

Robótica

Este é um dos campos mais crescentes da indústria, devido ao processo de automatização. O profissional que se dedicar nessa área terá muito a oferecer às empresas em transformação.

Nanotecnologia

A nanotecnologia já tem ajudado os setores de tecnologia de informação, energia, meio ambiente, segurança, tecnologia de alimentos e transporte a avançar. Na Indústria 4.0, a implementação pode atuar no desenvolvimento de roupas inteligentes capazes de monitorar os sinais vitais do corpo humano, por exemplo.

Dados digitais na nuvem

Armazenar fotos e documentos na nuvem é tendência também dentro do setor industrial. Isso gera economia e redução de aparelhos que ocupavam espaços físicos. Fora a facilidade de acesso aos arquivos e sistemas por mais de uma pessoa ao mesmo tempo.

carreira economia emprego indústria

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.