ASSINE

Bolsonaro anuncia demissão do presidente da Petrobras e indica general para vaga

Indicado é Joaquim Silva e Luna, é ex-ministro da Defesa no governo Temer. A indicação do militar ocorre em meio às críticas de Bolsonaro à política de preços da Petrobras e da pressão diante da alta dos combustíveis

Sede da Petrobras no Rio de Janeiro
Sede da Petrobras no Rio de Janeiro. Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira (19) a demissão do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Pelas redes sociais, ele comunicou a indicação do general Joaquim Silva e Luna como novo presidente. Luna é ex-ministro da Defesa no governo de Michel Temer e atualmente é diretor-geral da Itaipu Binacional.

"O governo decidiu indicar o senhor Joaquim Silva e Luna para cumprir uma nova missão, como conselheiro de administração e presidente da Petrobras, após o encerramento do ciclo, superior a dois anos, do atual presidente, senhor Roberto Castello Branco", afirma a imagem postada de Bolsonaro, com cabeçalho atribuído ao Ministério de Minas e Energia.

A indicação do militar ocorre em meio às críticas de Bolsonaro à política de preços da Petrobras e da pressão de categorias diante da alta dos combustíveis. O presidente já havia dito, na quinta-feira, que interviria na estatal, fala que fez as ações da petroleira caírem nesta sexta na Bolsa brasileira, a B3. No total, a empresa perdeu quase R$ 30 bilhões em valor de mercado.

O conselho de administração da Petrobras ainda precisa aprovar o nome indicado, podendo barrar essa indicação. O governo, porém, tem maioria no colegiado de 11 membros. Sete deles são indicados pelo acionista controlador, que é o governo federal; três nomes vêm dos outros acionistas, e o último é escolhido pelos empregados da Petrobras.

A estatal informou que o conselho tem reunião ordinária prevista para a próxima terça (23), mas a pauta do encontro não foi divulgada.

Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras
Roberto Castello Branco, demitido da presidência da Petrobras. Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

O mandato da atual diretoria da Petrobras acaba em março. Indicado pelo ministro da Fazenda, Paulo Guedes, Castello Branco foi nomeado no fim de 2018 e reconduzido para um mandato de dois anos em 20 de março de 2019.

QUEM É O INDICADO

 Joaquim Silva e Luna é ex-ministro da Defesa
Joaquim Silva e Luna é ex-ministro da Defesa. Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Com 71 anos, Luna serviu seus últimos cinco anos no Ministério da Defesa, inicialmente como secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto; depois, como secretário-Geral do Ministério; e por último, como Ministro da Defesa.

Nos seus 12 anos como oficial general da ativa, foi comandante da 16ª Brigada de Infantaria de Selva, em Tefé, Amazonas, de 2002 a 2004. Foi chefe do Estado-Maior do Exército de 2011 a 2014 e comandou várias Companhias de Engenharia de Construção na Amazônia.

Luna tem pós-graduação em Política, Estratégia e Alta Administração do Exército, em curso realizado na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (1998); e Doutorado em Ciências Militares, realizado na Escola de Comando e Estado Maior do Exército (1987/88), entre outros cursos.

No exterior, foi membro da Missão Militar Brasileira de Instrução e Assessor de Engenharia na República do Paraguai, de 1992 a 1994; e adido de Defesa, Naval, do Exército e Aeronáutico no Estado de Israel, de 1999 a 2001.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Jair Bolsonaro Petrobras Combustível

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.