ASSINE
Ph.D em Contabilidade, consultora de empresas em Ciência de Dados e negócios, professora da Fucape Business School, jornalista e comentarista da CBN Vitória

Compensa sacar o FGTS no seu aniversário? Fundo perde para inflação

O FGTS é uma poupança compulsória, rende pífios 6% ao ano, mas é uma forma de reservar o capital para períodos em que você estiver desempregado ou procurando emprego

Vitória
Publicado em 29/07/2022 às 07h57

Se você faz aniversário em julho, isso significa que tem até esta sexta-feira (29) para aderir à modalidade do saque-aniversário do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o FGTS. O FGTS é uma poupança compulsória que remunerou o trabalhador, em muitos momentos da história, abaixo dos títulos públicos e de renda fixa. A questão é que hoje, pela primeira vez desde 2016, o fundo está rendendo também abaixo da inflação e não bate nem a já tão desgastada caderneta de poupança.

Segundo a Caixa Econômica, que guarda os depósitos do FGTS, a rentabilidade do fundo em 2021 deve ficar em torno de 5,8% ao ano. O IPCA, inflação oficial brasileira, passou dos 10% ao ano no período. A poupança paga em torno de 6,2% ao ano. E há modalidades de investimento hoje no mercado pagando 16% ao ano (CDBs prefixados, por exemplo). O FGTS perde para essas alternativas, a preço de hoje.

Então, compensa aderir ao saque-FGTS e retirar parte do dinheiro do fundo? Sim, se seu objetivo for continuar poupando e não usar esse dinheiro para consumo. A lógica é a seguinte: o FGTS é uma poupança compulsória, rende pífios 6% ao ano, mas é uma forma de reservar o capital para períodos em que você estiver desempregado ou procurando emprego.

Então, se resolver sacar o dinheiro do FGTS, invista ou pague dívidas caras que tem hoje. Se tem um empréstimo sendo pago, por exemplo, a 10% ao ano, o dinheiro do FGTS, que é remunerado a 6% aproximadamente, pode quitar a dívida mais cara.

No fim do dia, para quem se julga sem disciplina financeira e quer usar o dinheiro do FGTS para consumo, a recomendação é não sacar o FGTS. Dos males o menor: deixe o dinheiro lá, porque será útil para dias desfavoráveis. Não adianta sacar o FGTS todos os anos apenas para quitar dívidas. Não vale a pena entrar nesse ciclo de endividamento crônico. Atenção para isso.

O saque-aniversário do FGTS foi criado em 2019. Para aderir à modalidade, basta acessar o aplicativo do FGTS e assinar o termo digital. Quem adere pode sacar parte do dinheiro, e a transferência (TED) pode ser feita da Caixa para qualquer outro banco. Quando você adere ao saque-aniversário, necessariamente, perde o direito de resgatar o saldo integral do FGTS se for demitido. Mas a multa rescisória de 40% do saldo (responsabilidade do empregador) se mantém em caso de demissão sem justa causa.

O FGTS rende no mínimo 3% ao ano mais taxa referencial, que estava zerada nos anos anteriores, acrescidos ainda de uma taxa proveniente da distribuição de lucros do fundo, regra criada no governo Temer. Este ano, o FGTS perdeu para inflação; em 2020, houve um quase empate: 4,9% de rentabilidade do FGTS versus 4,5% do IPCA.

Antes disso, o FGTS ganhava a disputa, com mais distância. Estima-se que o fundo alcance a rentabilidade de 6,5% no consolidado de 2022, segundo projeções da Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac). Ainda perdendo para inflação projetada para 2022.

Saque-aniversário do FGTS pode ser alternativa para quem quer buscar mais rendimento no mercado financeiro
Saque-aniversário do FGTS pode ser alternativa para quem quer buscar mais rendimento no mercado financeiro. Crédito: Mikaella Campos

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Caixa Econômica Federal Fgts dividas Investimentos

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.