ASSINE
Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica aqui, diariamente, informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Rigoni sempre defendeu reforma da Previdência. Mas foi punido por isso

Em entrevista dada logo após a eleição de 2018, deputado do PSB já afirmava que votaria a favor de um projeto de reforma e acreditava que teria total autonomia para votar conforme sua consciência. Enganou-se e foi punido por suas convicções pessoais

Publicado em 03/09/2019 às 21h55
Coluna Vitor Vogas - 04/09/2019. Crédito: Amarildo
Coluna Vitor Vogas - 04/09/2019. Crédito: Amarildo

O deputado federal Felipe Rigoni afirma que quer ser presidente da República. Pelo jeito, se um dia realmente chegar lá, não será pelo PSB. O clima para o deputado de 28 anos ficou muito ruim no partido e ele até já cogita desfiliação, após a punição que sofreu do diretório nacional.

Ao lado de outros oito deputados da sigla, Rigoni foi suspenso das suas atividades no partido e no Congresso por ter votado a favor da reforma da Previdência na Câmara, contrariando orientação da cúpula nacional do PSB.

Na coluna de hoje, resgatamos e republicamos uma entrevista dada por Rigoni a mim e à repórter Letícia Gonçalves no dia 5 de novembro de 2018 – cerca de um mês após ter sido eleito. Ela prova duas coisas.

Em primeiro lugar, antes de tomar posse, Rigoni estava mesmo convencido, talvez por certa ingenuidade política, de que poderia atuar, no Congresso, de modo totalmente independente das resoluções partidárias. Na entrevista, ele fala muito mais como membro do Acredito, movimento cívico do qual faz parte, do que como representante do PSB.

A segunda constatação é que Rigoni já foi eleito defendendo a reforma previdenciária, em moldes inclusive mais austeros do que a que passou na Câmara. Embora fizesse ressalvas, ele sempre defendeu, por exemplo, a transição para o regime de capitalização – uma heresia do ponto de vista da velha guarda de partidos de esquerda como o PSB.

Confira o nosso flashback:

O senhor diz que guardará certa independência em relação ao seu partido, o PSB…

Sim.

No entanto, o senhor foi o 2º candidato a deputado federal mais votado no Espírito Santo, eleito pelo PSB, um dos partidos do campo de centro-esquerda que já se articula no Congresso para formar um grande bloco de oposição. O senhor, então, a princípio, não pretende participar desse bloco de oposição na Câmara?

Olha, isso é uma coisa que eu estou em conversa com meu próprio partido. Se esse bloco de oposição for oposição por oposição, eu tô fora no mesmo momento. Agora, se for oposição mediante cada pauta que vier, aí sim, beleza. Vai ter pauta que o presidente Bolsonaro vai enviar que pode estar incorreta tanto metodologicamente quanto em termos de evidências científicas. Aí eu vou me opor a essa pauta.

Por exemplo: reforma da Previdência. Se o presidente mandar um projeto com o qual o senhor concorde, o senhor deve votar favoravelmente, independentemente do posicionamento do PSB?

Vou votar a favor e vou defender, independentemente do posicionamento do meu partido ou de qualquer outro grupo de que eu participe.

Então podemos dizer que o senhor fará uma oposição programática?

Ou você pode chamar de apoio programático também.

Dependendo da pauta?

É, vai ser programática. No Acredito mesmo, que é o movimento de que eu faço parte, é isso que nós vamos fazer. Vai ser resistência naquilo que não merece ser aprovado. Mas vai ser apoio naquilo que merece.

O senhor defende que se faça uma reforma da Previdência. Em linhas gerais, o que o senhor defende em relação aos pontos-chave, como capitalização, tempo de contribuição, idade mínima, transição, corte de privilégios, fim da diferenciação entre o regime geral e regimes dos servidores públicos?

Vou dar duas respostas neste momento: a minha particular e a que meu mandato também vai considerar, porque teremos um mandato compartilhado com as pessoas. A minha particular é que tenha uma idade mínima, igual para todo mundo. Já pensei muito em a gente diferenciar por profissão, por conta de desgaste físico etc. Seria ótimo. Mas o problema é que, na hora que você for categorizar cada profissão, você cria uma guerra de lobbies. Aí você destrói qualquer proposta. Não tem muito jeito. Vai ter que ser uma idade única. E nós do movimento Acredito acreditamos em 65 anos para homens e 62 para mulheres. Acreditamos, sim, em um regime único. É um absurdo uma pessoa do poder público poder se aposentar com vinte e poucos mil reais, enquanto para o setor privado não tem jeito.

E transição?

Acredito em um regime de transição diferente: um regime de capitalização individual. O problema é que isso é um problemaço que nem os melhores economistas com quem já conversei têm a solução de fato ainda.

Lá no Chile fizeram isso e não deu muito certo…

Não, porque a transição foi feita de forma errada. Hoje, eu, que trabalho, financio aqueles que já estão aposentados. Se a gente transitasse, eu começaria a pagar pela minha própria aposentadoria daqui a algum tempo. Só que quem pagaria a aposentadoria dos que estão prestes a se aposentar e que não pagaram para si mesmos lá atrás? Então isso no começo criaria um rombo ainda maior. Então tem que ser muito, mas muito bem calculado. Porque, se não for, a gente quebra o Brasil ainda mais numa transição mal feita. Foi mais ou menos o que aconteceu com o Chile: uma transição mal feita. Está um nível de suicídio violento lá porque as pessoas não estão conseguindo fazer as coisas direito.

E tempo mínimo de contribuição?

Olha, isso eu acho um pouco mais variável. Mas nós do Acredito estamos defendendo 25 anos. Mas nada disso é fixo, porque estamos envolvendo uma parcela enorme da sociedade. Hoje são 29 milhões de pessoas. Em termos gerais, é a galera que mais precisa. Então, na hora de aprovar uma reforma da Previdência, você tem que dar uma contrapartida muito, muito forte para as pessoas, porque o que na prática vai acontecer é que elas vão se aposentar mais tarde e receber menos quando se aposentarem.

Não é nada popular, né?

Este vídeo pode te interessar

Não é nada popular. Nada fácil. Mas é a realidade. O modelo de Previdência que a gente tem não funcionou em lugar nenhum do planeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
felipe rigoni psb reforma da previdência

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.