ASSINE
Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica diariamente informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Partidos de Casagrande e de Amaro juntos em quase 20 cidades no ES

PSB apoia o candidato do Republicanos a prefeito em sete municípios capixabas, enquanto o Republicanos apoia o candidato do PSB em 10 cidades. Parcerias indicam integração de Amaro e Erick Musso ao polo de poder do governador

Publicado em 02/10/2020 às 05h00
Atualizado em 02/10/2020 às 05h05
Partidos de Casagrande e de Amaro estão juntos em quase 20 cidades nas eleições no ES
Partidos de Casagrande e de Amaro estão juntos em quase 20 cidades nas eleições no ES. Crédito: Amarildo

PSB tem projeto de preservação (e expansão) do poder político no Espírito Santo, liderado por Renato Casagrande; o Republicanos tem projeto de crescimento político no Espírito Santo, liderado por Amaro Neto e Erick Musso. À primeira vista, parecem projetos políticos distintos e independentes, talvez até antagônicos. Ou pareciam.

Na lista de chapas que vão disputar prefeituras pelo Espírito Santo nestas eleições municipais, um dos pontos que mais chama a atenção é o número de cidades onde PSB e Republicanos fecharam aliança.

Em nada menos que 17 municípios do Estado, os dois partidos fazem parte da mesma coligação, com a cabeça de chapa ocupada por uma das duas siglas. Em outras palavras, nessas 17 cidades, PSB e Republicanos estão apoiando os candidatos um do outro.

O PSB de Casagrande apoia o candidato do Republicanos de Amaro em sete cidades: Domingos Martins, Ibatiba, Iconha, Mimoso do Sul, Pedro Canário, Sooretama e Venda Nova do Imigrante. Nas três últimas, o PSB tem o candidato a vice-prefeito.

Nenhum outro partido (nem mesmo o Cidadania, parceiro nº 1 do governo Casagrande) tem tantos candidatos a prefeito apoiados formalmente pelo PSB no Espírito Santo.

Reciprocamente, o Republicanos apoia o candidato do PSB a prefeito em dez municípios! São eles: Afonso Cláudio, Águia Branca, Anchieta, Divino de São Lourenço, Fundão, Nova Venécia, Piúma, Ponto Belo, Rio Bananal e Santa Maria do Jetibá. Tanto em Piúma como em Rio Bananal, o vice da chapa é do partido de Amaro.

Em coluna publicada no dia 21 de setembro, o próprio Amaro já avisou que tem dialogado muito com Casagrande sobre eleições e que, em cidades importantíssimas como Serra e Cariacica (onde sua presença é mais influente), ele decidirá a quem dará seu apoio a partir de entendimentos com o governador.

Esse conjunto de elementos nos informa, em primeiro lugar, que o PSB e o Republicanos estão muito integrados do ponto de vista político-eleitoral. E essa integração pode até ir além das eleições municipais, ganhando ecos até na próxima eleição pelo comando da Assembleia (logo ali, em fevereiro) e no relacionamento entre o Poder Executivo e o Legislativo no Estado.

Também podemos extrair daí alguns indicativos importantes de que o projeto de expansão política do partido de Amaro Neto e do presidente da Assembleia está se fundindo ao projeto de Casagrande, ou sendo por ele absorvido. Na prática, logo após as eleições de novembro, especialmente se PSB e Republicanos fizerem muitos prefeitos nessas cidades onde uniram forças, o partido de Amaro e Erick poderá ingressar em definitivo no governo Casagrande.

E isso pode reabrir o caminho (interditado por ele próprio no fim de 2019) para Erick Musso conseguir se reeleger presidente da Assembleia em fevereiro, com o Republicanos preservando o controle do Legislativo, o PSB à frente do Executivo, e os dois Poderes mantendo relação harmoniosa na segunda metade do governo Casagrande.

A CANDIDATA DE AMBOS NAS MONTANHAS

Um exemplo muito ilustrativo dessa aproximação entre PSB e Republicanos, nas pessoas de Casagrande e Amaro, é o apoio de ambos a Daiane Oliveira, candidata a prefeita de Domingos Martins pelo partido de Amaro, tendo como vice um correligionário. A coligação dela ainda reúne o PSB e o Patriota. Os três já tiraram até foto juntos no Palácio Anchieta.

Daiane Oliveira, entre Amaro Neto e Casagrande
Daiane Oliveira, entre Amaro Neto e Casagrande. Crédito: Fonte da coluna

PSB X REPUBLICANOS

Em dez dos 78 municípios capixabas, PSB e Republicanos terão um confronto direto, cada qual com um candidato próprio a prefeito: Alfredo Chaves, Guaçuí, Guarapari, Jaguaré, Montanha, Muqui, Pancas, Santa Teresa, Vila Valério e Vitória.

Isso significa que o número de confrontos diretos é menor que o de municípios (de novo: 17) em que os dois partidos estão apoiando os candidatos um do outro.

CANDIDATOS DO PSB APOIADOS PELO CIDADANIA

PSB e Cidadania compõem coligações encabeçadas por candidatos de um dos dois partidos em 16 cidades (uma a menos que PSB e Republicanos).

O partido de Luciano Rezende apoia candidatos do PSB à prefeitura de 13 cidades: Vila Pavão, São José do Calçado, Santa Teresa, Santa Leopoldina, Marilândia, Laranja da Terra, Guaçuí, Fundão, Ecoporanga, Cachoeiro, Anchieta, Alfredo Chaves e Afonso Cláudio.

CANDIDATOS DO CIDADANIA APOIADOS PELO PSB

Mas a recíproca não foi tão forte. O partido de Casagrande só apoia candidatos do Cidadania à prefeitura de três municípios: São Domingos do Norte, Pinheiros e Colatina. Lembrando: o PSB está apoiando sete candidatos a prefeito pelo Republicanos.

FRENTE PROGRESSISTA

A parceria eleitoral da Rede com o PT não deu certo nem na Serra nem em Vitória nem em Cariacica. Mas houve uma tabelinha das duas legendas de esquerda em Cachoeiro e Vila Velha. Na cidade do Sul, o Capitão Sousa (Rede) é o vice de Joana D’Arck (PT). Em Vila Velha, o ex-deputado Nunes (PT) é o vice de Rafael Primo (Rede).

A SIGLA MAIS “SOLIDÁRIA”

O Solidariedade é mesmo uma sigla “solidária”: apoia candidatos os mais diversos, sem muita coerência ideológica. Na Grande Vitória, está apoiando, respectivamente, Vidigal (PDT) na Serra, Arnaldinho Borgo (Podemos) em Vila Velha, Célia Tavares (PT) em Cariacica, Lorenzo Pazolini (Republicanos) em Vitória e Wylis Lyra (MDB) em Viana.

MEU NOME É FÁBIO. SÓ FÁBIO

Como sempre, na relação de candidatos no site do TSE, alguns nomes de urna chamam a nossa atenção. Um deles é o do vereador Fábio Duarte (Rede), candidato do prefeito Audifax Barcelos (Rede) à sua sucessão na Serra. Na urna, ele será Fábio: apenas Fábio. Possivelmente para gerar no eleitor sensação maior de intimidade, o candidato foi orientado a cortar o sobrenome.

JÁ LAMAS É SÓ BRUNO

Também na Serra, o jingle de Bruno Lamas (PSB), com uma levada gospel, também chama o candidato só pelo primeiro nome: Bruno. Já o de Fábio Duarte (aliás, Fábio) é cantado pelo menino (já não tão menino) Jeremias, campeão do programa “The Voice Kids” em uma das edições passadas. O videoclipe traz o candidato caminhando ao lado de seu padrinho, Audifax, ambos com capacete, em frente às obras do Hospital Materno Infantil e do Contorno.

MAS FABRÍCIO É SÓ GANDINI

Enquanto isso, em Vitória, o deputado Fabrício Gandini (Cidadania) optou desta vez por usar somente o sobrenome como nome de urna: na campanha, será só Gandini. Nas eleições anteriores (2014, 2016, 2018), seu nome de urna foi Fabrício Gandini. Curiosamente, na eleição municipal passada, em 2016, o padrinho político de Gandini, Luciano Rezende (Cidadania), fez o contrário: seu nome de urna foi só Luciano.

OPERAÇÃO POLICIAL? WORKSHOP DE SEGURANÇA?

Ainda em Vitória, o início da relação de candidatos a prefeito no site do TSE, por nome de urna e ordem alfabética, lembra mais uma convocação para a guerra, ou a lista de presença de algum curso voltado para agentes de segurança pública: 1. Capitão Assumção; 2. Coronel Nylton; 3. Delegado Pazolini…

MINISTROS TAMBÉM SÃO CANDIDATOS

Agora, falando em nomes engraçados, mas engraçados de verdade, fique você que me lê sabendo que temos até ministros entre os candidatos às eleições municipais. Alderino Gonçalves (Patriota), candidato a vereador de Baixo Guandu, informou à Justiça Eleitoral que sua profissão é ministro de Estado. Já Claudia Lemos (PDT), candidata a vereadora de Cachoeiro de Itapemirim, declarou que é ministra do Poder Judiciário.

Gente, largar a Esplanada ou o STF em Brasília para se tornar vereador(a) no interior do Espírito Santo...

NADA A DECLARAR

Tire as próprias conclusões:

Gatão Policial
Gatão Policial. Crédito: TSE

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.