ASSINE
Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica diariamente, informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Os planos eleitorais do "novo PSL" nas principais cidades do ES

Sob nova direção, com o deputado Alexandre Quintino na presidência estadual, PSL vai apoiar Fabrício Gandini em Vitória, lançar Joel da Costa em Cariacica e Amarildo Lovato em Vila Velha. Saiba o que o partido planeja nesses e em outros municípios

Publicado em 14/07/2020 às 05h03
Atualizado em 14/07/2020 às 11h39
Presidido por Alexandre Quintino no ES, PSL vai apoiar Fabrício Quintino para a Prefeitura de Vitória
Dupla "Gandino": Presidido por Alexandre Quintino no ES, PSL vai apoiar Fabrício Quintino para a Prefeitura de Vitória. Crédito: Amarildo

Desde o mês de março, o PSL no Espírito Santo está “sob nova direção”. Para ser mais preciso, sob a presidência do deputado estadual Alexandre Quintino, notório aliado do governador Renato Casagrande (PSB) e do Palácio Anchieta. Desde o instante em que o coronel da reserva assumiu a presidência estadual do ex-partido do presidente Jair Bolsonaro, substituindo no cargo o empresário Amarildo Lovato, o PSL deu um cavalo de pau na pista política do Espírito Santo.

O partido alinhou-se ao movimento liderado por Casagrande e passou a construir alianças eleitorais que seriam inconcebíveis até janeiro deste ano, quando a sigla era comandada no Estado pelo ex-deputado federal Carlos Manato (hoje sem partido), aliado de Jair Bolsonaro e opositor de Casagrande no plano local.

Aprofundando o seu distanciamento em relação a Bolsonaro, o PSL capixaba deve apoiar aliados de Casagrande na disputa pela prefeitura de cidades importantes (Vitória, Cachoeiro, Guarapari), ao mesmo tempo que não dará legenda para opositores do governo concorrerem às eleições municipais (Vila Velha).

Em conversa com a coluna, Alexandre Quintino revela quais são os planos desse “novo PSL” para as eleições municipais de novembro nas maiores cidades capixabas, começando pela Capital. Confira:

VITÓRIA: GANDINI COM NATHAN OU PABLO

A tendência total do PSL é de apoio à candidatura do deputado estadual Fabrício Gandini, presidente estadual do Cidadania e candidato apoiado pelo atual prefeito, Luciano Rezende (do mesmo partido). Quintino só não bate o martelo, mas na verdade esse acordo com o Cidadania já está costurado desde o movimento de março em que ele “tomou” a presidência estadual do PSL, contando com a ajuda direta do deputado federal Josias da Vitória, também do Cidadania, aliado de Casagrande e de Gandini.

“Já fizemos várias conversas com o Cidadania. Conversamos muito mais com o Gandini do que com outros candidatos a prefeito que virão. Eu diria que é bem provável que o PSL caminhe com o Cidadania em Vitória na próxima eleição”, afirma Quintino, escolhendo bem as palavras.

Após trocar o PSB pelo PSL em abril, o vereador Nathan Medeiros é cotado para ser o vice de Gandini, mas, segundo Quintino, não é a única opção do partido para o posto. “É um dos possíveis nomes. Temos também o Pablo, que coordena movimentos de igrejas evangélicas na Grande São Pedro.” Pablo Alves Pereira, 37 anos, é da mesma região de Nathan, atendendo a um perfil buscado por Gandini para compor a chapa com ele.

VILA VELHA: SAI BAHIENSE, ENTRA LOVATO

Duas faces da guinada desse “novo PSL” sob a direção de Quintino no Espírito Santo: em algumas cidades, como Vitória, o partido apoiará candidatos que fazem parte do polo político de Renato Casagrande; em outras, a Executiva Estadual simplesmente não dará legenda a candidatos que estejam fora desse polo no Estado e que apoiem o governo federal de Bolsonaro.

É o que se observa do outro lado da Terceira Ponte: em Vila Velha, a “vítima” dessa guinada é o também deputado estadual Danilo Bahiense, que se declara pré-candidato a prefeito desde que o PSL ainda era presidido por Manato. Quintino afirma, porém: o PSL não dará legenda para o delegado aposentado, e o candidato do PSL na cidade é Amarildo Lovato.

Bahiense compõe, hoje, um sexteto de deputados de oposição ao governo Casagrande na Assembleia e, antes da tomada do PSL por Quintino, chegou a participar de atos de coleta de assinaturas para a fundação do futuro partido de Bolsonaro, Aliança pelo Brasil.

“O PSL não dará legenda a Danilo Bahiense. Isso já está decidido e já foi informado a ele por escrito”, ratifica Quintino, que assume para si a decisão: “O Amarildo está no PSL há muito tempo e goza de um prestígio muito grande com o Bivar [o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar]. E o Bivar entendeu por bem apostar no nome do Amarildo. A sugestão partiu do Bivar, a decisão é minha, e a Executiva Estadual concordou. Então, a princípio, o PSL disponibiliza o nome do Amarildo para compor na majoritária em Vila Velha”.

Ou seja, o nome de Amarildo está sendo lançado, mas pode ser balão de ensaio. O PSL pode compor com outro partido e apoiar outro candidato à Prefeitura de Vila Velha, tentando emplacar o vice da chapa, como confirma Quintino: “É possível isso aí”.

SERRA: PSL QUER DAR O VICE A VIDIGAL

O PSL está com a chapa de vereadores já montada, mas não terá candidato a prefeito no maior colégio eleitoral do Estado. O partido ainda não definiu apoio a ninguém, mas Quintino frisa que estão “conversando bastante” com o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT), repetindo o advérbio de intensidade: “Podemos vir como vice-prefeito na chapa. Estamos conversando bastante, bastante, com o Sérgio Vidigal, mas ainda não temos certeza”.

Lançar o vice de Vidigal na Serra seria uma boa solução para o PSL? “Seria. Seria sim”, responde Quintino.

CARIACICA: JOEL DA COSTA É A APOSTA

O presidente estadual confirma o lançamento da candidatura do vereador Joel da Costa, que trocou o Cidadania pelo PSL no início de abril, em movimento que também contou com a participação de Josias da Vitória: “Teremos Joel da Costa como candidato a prefeito, com muitas chances de ganhar essa eleição”.

VIANA: GRAÇA FORTES, MAS PODE SER VICE

“Chapa de vereadores muito forte”, e candidatura a prefeita da contadora e advogada Graça Fortes. Mas tem chances de composição com outro candidato? “É lógico que tem”, diz Quintino.

GUARAPARI: CONVERSA AVANÇADA COM MERÍZIO

O PSL não terá candidato próprio à sucessão de Edson Magalhães, mas tem conversas avançadas no sentido de apoiar o ex-vereador e ex-subsecretário estadual de Turismo, Gedson Merízio (PSB), outro nome ligado ao Palácio Anchieta. “A conversa está mais adiantada com ele.”

CACHOEIRO: APOIO A VICTOR OU BRENO

Na cidade polo do Sul do Estado, ocorreu situação parecida com as de Vitória e de Vila Velha. Em Vitória, o deputado Capitão Assumção foi expulso do PSL e migrou para o Patriota para poder concorrer à prefeitura porque não teria legenda no partido sob Quintino; em Vila Velha, Bahiense está “preso ao PSL”, perdeu o prazo para trocar de sigla e agora não tem legenda para disputar.

Já em Cachoeiro, na “era Manato”, o pré-candidato do PSL à prefeitura era o vice-prefeito Jonas Nogueira. Como também não teria legenda assegurada por Quintino, Nogueira saiu do PSL, levando todo o seu grupo, e migrou dentro do prazo legal para o PL, presidido no Estado pelo também bolsonarista Magno Malta, que lhe dará legenda. “Ele é adepto do Manato e decidiu sair por si só”, diz Quintino. Mas e se Nogueira tivesse ficado, teria tido legenda? “A princípio, não”, responde o presidente estadual.

Com isso, Nogueira se salvou da “tesoura de Quintino”, e a situação do PSL ficou enfraquecida na eleição proporcional em Cachoeiro. Na majoritária, o partido já conversou com dois candidatos a prefeito: Professor Breno (PROS) e o atual prefeito, Victor Coelho (PSB), correligionário de Casagrande. Um dos dois poderá ser apoiado.

COLATINA: TENENTE BALBINO SERÁ LANÇADO

O PSL deve lançar a candidatura a prefeito do Tenente Balbino, quadro da ativa da PMES, que atua na cidade do Noroeste.

ARACRUZ: POSSÍVEL APOIO A DOUTOR COUTINHO

O PSL formou um bloco eleitoral na cidade com a Rede e o PTC. A ideia é que os três partidos apoiem um só candidato a prefeito. O nome ainda está indefinido, mas, de acordo com Quintino, o PSL tem “conversa boa, adiantada, com o Doutor Coutinho”. É um cardiologista e ex-vereador de Aracruz, filiado ao Cidadania, muito conhecido na cidade e já testado nas urnas.

LINHARES: INDEFINIÇÃO

O partido não terá candidato próprio e ainda não definiu quem apoiará.

SÃO MATEUS: IDEM

No momento, o PSL não tem um nome para concorrer à prefeitura.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.