Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica diariamente, informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Neucimar: “Hércules tem a preferência para ser candidato a prefeito”

Após selar aliança com deputado do MDB na eleição à Prefeitura de Vila Velha, ex-prefeito afirma que a cabeça da chapa ainda não foi definida, mas que a preferência é de Hércules, “que ainda não foi prefeito”

Publicado em 12/08/2020 às 16h35
Atualizado em 12/08/2020 às 17h24
Hércules Silveira e Neucimar Fraga
O deputado estadual Hércules Silveira e o ex-prefeito de Vila Velha Neucimar Fraga firmaram uma aliança. Crédito: Facebook de Hércules e de Neucimar / Montagem de Vitor Vogas

O ex-prefeito Neucimar Fraga (PSD) e o deputado estadual Hércules Silveira (MDB) marcharão juntos na eleição a prefeito de Vila Velha, unindo forças para derrotar o prefeito Max Filho (PSDB). Conforme aliança firmada entre os dois, após um longo namoro iniciado no ano passado, só um deles será candidato à prefeitura. Nesse caso, Neucimar se dispõe até a ser vice de Hércules. A cabeça da chapa só será definida em setembro, mas, em conversa com a coluna, Neucimar adianta: “A preferência é de Hércules, que ainda não foi prefeito”.

Neucimar, assim, entra numa situação insólita, isto é, assume uma “tripla condição”. Pode ser candidato a prefeito de Vila Velha. Pode ser vice em uma chapa encabeçada por Hércules. E, independentemente das duas primeiras opções, segue sendo o 1º suplente na Câmara dos Deputados da coligação que, em 2018, elegeu Sérgio Vidigal (PDT) e Norma Ayub (DEM).

Vidigal é pré-candidato a prefeito da Serra, enquanto Norma é postulante à Prefeitura de Marataízes. Se qualquer um dos dois for eleito, Neucimar será convocado a assumir, em janeiro, uma cadeira na Câmara Federal. Nesse caso, supondo que ele seja candidato a prefeito e vença a eleição em Vila Velha, obviamente fará a opção de assumir a prefeitura em detrimento da vaga na Câmara (como faria qualquer um nessa hipótese).

Mas suponhamos que Neucimar seja vice de Hércules, a chapa deles vença a eleição em Vila Velha e Neucimar seja chamado a assumir o mandato na Câmara, em janeiro. O que ele fará nesse caso? Foi um dos questionamentos que fizemos ao ex-prefeito, na entrevista que se segue abaixo:

Selada essa aliança com Hércules, o senhor diria que hoje está mais para qual dos dois ocupar a cabeça da chapa? O senhor ou Hércules?

A preferência é do Hércules, que ainda não foi prefeito. Eu já fui. Então a preferência é para ele, que não foi prefeito ainda. Mas isso não é critério para decidir.

Essa aliança vai até o fim, isto é, até o registro de candidaturas, ou pode vir a ser revista em função de algum fator externo? Por exemplo: se Vidigal não for candidato na Serra e Amaro Neto sim, o senhor ainda assim pode abrir mão da cabeça da chapa para o Hércules?

Posso sim. A eleição em Vila Velha é independente de qualquer outra eleição em outro município. Estamos fazendo um projeto para a cidade. Eu tenho conversado com o Hércules. Ele é uma liderança política importante na cidade. Tem história na cidade. Já concorremos em 2008, mas sempre mantivemos respeito, parceria e diálogo. E desta vez pintou a oportunidade de a gente poder conversar melhor sobre a cidade. Nada melhor que o tempo. Nós dois amadurecemos bastante também nos últimos anos, politicamente. E eu já conversei com Hércules dessa possibilidade de aliança, que agora selamos. Ele tem vontade de ser prefeito da cidade também. Eu disse a ele que não tenho nem vaidade mais para ser prefeito, mas topo também a missão de trabalhar a retomada do desenvolvimento da cidade. E não faço questão de ser cabeça de chapa. A gente estar fazendo parte de um grupo onde a gente consiga implantar um bom projeto para a cidade, isso já me satisfaz. A eleição da Serra vai ocorrer independentemente da de Vila Velha, assim como a de Marataízes vai ocorrer independentemente da de Vila Velha. E eu fiz um compromisso com o Hércules e ele comigo. O que facilitou o diálogo de nós dois é que nós dois podemos abrir mão da cabeça da chapa. Estamos dispostos a encabeçar a chapa e a compor também. Então isso facilitou o diálogo. Não tem nenhuma possibilidade de interferência externa ou de fatores externos interferirem nessa aliança que nós selamos em Vila Velha.

Vamos supor que, nesse mesmo desenho (com o senhor como vice), vocês ganhem a eleição, mas Vidigal e/ou Norma também ganhem na Serra e/ou em Marataízes, abrindo-se a vaga para o senhor na Câmara dos Deputados. O que o senhor fará nesse caso? Renunciará a quê?

Nós ainda estamos discutindo essa aliança. Nós só decidimos selar uma aliança e que nós dois vamos caminhar juntos. Então, como não está definido quem será o cabeça de chapa, a pergunta fica fora de tempo. Quando eu decidir a forma de participação, posso responder a essa pergunta. Mas só depois do dia 15 de setembro [limite para realização das convenções]. Agora está muito antecipado ainda.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.