ASSINE
Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica diariamente informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Max Filho ainda quer Ted Conti como vice em sua chapa em Vila Velha

Essa composição agrada a Max porque permite que seu atual vice, Jorge Carreta, se torne deputado federal no lugar de Ted. Sugestão foi dada por prefeito a dirigentes do PSB, mas nem Ted nem o partido topam

Publicado em 06/09/2020 às 06h01
Atualizado em 06/09/2020 às 11h36
Max Filho e Ted Conti: será que dá liga?
Max Filho e Ted Conti: será que dá liga?. Crédito: Fernando Madeira e Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O prefeito de Vila Velha, Max Filho (PSDB), não desistiu de ter o deputado federal Ted Conti (PSB) como candidato a vice-prefeito em sua chapa à reeleição. Mas, para o próprio deputado e seu partido, essa possibilidade é nula.

Dirigentes municipais do PSB tiveram nesta sexta-feira (4) uma segunda reunião com Max Filho para tratarem especificamente de uma possível composição na eleição a prefeito de Vila Velha. Sem candidato próprio à prefeitura, o partido do governador Renato Casagrande, no momento, está dividido entre dois caminhos: ou apoiará a reeleição de Max ou caminhará com o ex-prefeito Neucimar Fraga (PSD) – que por sua vez pode abrir mão da pré-candidatura para apoiar o deputado estadual Hércules Silveira (MDB).

Para atrair para sua coligação o partido de Renato Casagrande, Max está disposto a oferecer ao PSB a vaga de vice ao lado dele na chapa. Foi, inclusive, o que ele mesmo indicou em entrevista à coluna publicada na manhã deste sábado (5). Na reunião realizada nesta sexta-feira, o próprio prefeito sugeriu aos dirigentes do PSB a indicação do nome do deputado Ted Conti para compor a chapa com ele, como candidato a vice-prefeito.

A sugestão foi prontamente rechaçada pelos referidos dirigentes, uma vez que o deputado já manifestou publicamente que pretende permanecer na Câmara Federal e não disputar nenhum cargo nas eleições municipais deste ano.

Até meados de julho, Ted era tratado pelos próprios dirigentes do PSB como a opção da legenda para concorrer à Prefeitura de Vila Velha. O deputado, porém, jamais se entusiasmou pela ideia nem fez movimento algum com o intuito de se viabilizar. Não tem o menor interesse em deixar o mandato na Câmara dos Deputados para se tornar prefeito de Vila Velha e muito menos vice-prefeito.

Em entrevista à coluna veiculada no dia 23 de julho, o deputado deu esta declaração: “Em princípio, estamos definindo que é mais importante eu manter as minhas ações em Brasília, para ajudar, inclusive, e ser uma voz que represente o governo de Renato Casagrande lá em Brasília, que ele também precisa”.

O PSB não quer indicar Ted, mas já tem um quadro reservado para acomodar como vice – se não com Max, em alguma outra chapa. É o professor Júnior Bola, candidato a vice-prefeito na chapa do deputado estadual Rafael Favatto (Patriota) em 2016. Tanto Favatto como o PSB estiveram no palanque de Max no 2º turno contra Neucimar naquele ano.

O RACIOCÍNIO DE MAX: CARRETA EM BRASÍLIA

Mas por que seria tão interessante para Max encaixar logo Ted Conti em sua chapa? O raciocínio foi exposto aqui no dia 15 de fevereiro.

A resposta passa pela expressão “dança das cadeiras” e começa, mais precisamente, pelo atual vice-prefeito, Jorge Carreta (PP), eleito na chapa de Max pelo PSDB em 2016 – e, por sinal, favorito para a vaga de vice novamente caso as tratativas de Max com o PSB não evoluam nos próximos dias.

Com Ted na chapa de Max e eleito vice-prefeito, Carreta, um aliado incondicional de Max, assumiria a vaga de Ted na Câmara Federal. Seria, em Brasília, um deputado “para toda obra” a serviço de Max e da municipalidade.

Isso porque, na eleição a deputado federal em 2018, o PSB e o Avante (então partido de Carreta) ficaram na mesma coligação. Essa chapa fez dois federais, ambos do PSB: Felipe Rigoni e Paulo Foletto. Ted Conti ficou na 1ª suplência; Carreta ficou na 2ª.

Logo no início do governo Casagrande, em janeiro de 2019, o governador “puxou” Foletto de Brasília para sua equipe, nomeando-o secretário estadual de Agricultura, cargo em que ele permanece até hoje. Assim, como 1º suplente da coligação, Ted assumiu o mandato de Foletto na Câmara Federal.

Mas, supondo que deputado dispute a eleição em Vila Velha com Max e ambos levem a parada, Ted virará vice-prefeito a partir de 1º de janeiro de 2021. Assim, “a fila anda”. E, se Foletto (o “dono” original do assento) continuar na Secretaria de Sgricultura, é Carreta, como 2º suplente, quem assume o mandato no lugar de Ted.

Falta convencer o PSB. E, antes de mais nada, o próprio Ted.

MAX TENTA SEGURAR O PTB

Enquanto sua para atrair o PSB com uma mão, Max Filho faz o possível para segurar o PTB em sua coligação com a outra. À coluna, ele até frisou o bom relacionamento político que sempre cultivou com o ex-deputado federal Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, que proibiu os diretórios municipais de apoiarem candidatos de alguns partidos nas eleições municipais – entre os quais o PSDB de Max.

DESCANSE EM PAZ

Falando em PTB, deixamos aqui a nossa nota de pesar pelo falecimento do administrador e articulador político Toninho Magalhães, presidente do partido em Vila Velha, vítima da Covid-19 aos 62 anos. Sempre foi uma excelente fonte, cordial no trato e correto no relacionamento. Desejamos força à família neste momento difícil.

O IMBRÓGLIO NO PTB DE VILA VELHA

A perda inesperada do dirigente, em pleno período de convenções e de reviravlolta nacional do PTB, aumenta o ponto de interrogação sobre o rumo eleitoral a ser tomado pela sigla em Vila Velha. Toninho havia fechado acordo de apoio a Max Filho (PSDB), mas isso foi antes da resolução baixada por Jefferson.

Agora, o partido fica sob a direção de dois dos quatro filhos de Toninho: Mariana e Matheus Magalhães. “Ainda estamos definindo. O que posso afirmar é que estamos alinhados com as orientações da direção nacional”, diz Mariana. Se for isso mesmo, o apoio a Max já era.

EM GUARAPARI, PREFEITO TAMBÉM PODE PERDER PTB

A propósito do PTB, com a “bolsonarização” e a “militarização” do partido no Espírito Santo e Brasil afora, o partido corre o risco de sofrer um súbito redirecionamento eleitoral também em Guarapari. Na cidade, a agremiação já havia fechado apoio ao prefeito Edson Magalhães (PSDB), mas agora pode sofrer intervenção também lá.

Como lembrado acima, o ex-mensaleiro Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, proibiu as executivas municipais de se coligarem com o PSDB, entre outras siglas, nas próximas eleições municipais. E Magalhães é do PSDB.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.