Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica diariamente informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Luiz Paulo: “O Último dos Moitucanos” e a morte do PSDB raiz no ES

Ex-prefeito de Vitória é o tucano capixaba mais identificado com aquele PSDB original de FHC. Sua derrota prematura na eleição de Vitória, além de enfraquecê-lo ainda mais, decreta o fim de um ciclo para o partido no Estado

Publicado em 28/09/2020 às 21h38
Atualizado em 29/09/2020 às 00h49
Luiz Paulo: o Último dos Moitucanos
Luiz Paulo: o Último dos Moitucanos. Crédito: Amarildo

Os resultados das eleições municipais oficialmente inauguradas no último domingo (27) só serão conhecidos em novembro, mas o período anterior à campanha, de definição de chapas e candidaturas, começou a definir o pleito e também teve seus vencedores e vencidos. Nessa última categoria, não se pode deixar de destacar o ex-prefeito de Vitória, Luiz Paulo Vellozo Lucas, do PSDB, que nem sequer conseguiu alinhar o seu carro no grid de largada da corrida rumo à prefeitura da Capital.

Na última eleição municipal, Luiz Paulo começou a decidir a eleição ao Executivo de Vitória ao retirar a sua pré-candidatura a poucos dias do início da campanha para declarar apoio a Luciano Rezende (Cidadania). Mas foi um movimento consciente e voluntário. Agora é diferente. Luiz Paulo queria e tentou ser candidato. Mas, antes mesmo de a bola rolar, foi derrotado nesse jogo pela direção municipal e estadual do próprio partido (que lançou a vereadora Neuzinha de Oliveira). E ainda viu a nacional lavar as mãos.

O mundo político dá voltas, então não vamos aqui decretar a morte política de ninguém. O ex-prefeito segue sendo um agente político relevante, inclusive nesse pleito em Vitória (vamos ver se apoiará alguém). Mas é inegável que essa derrota prematura o enfraquece no cenário municipal e estadual, principalmente porque se soma a uma sequência de reveses acumulados por ele ao longo da última década.

Após governar Vitória por dois mandatos com bons resultados (1997/2004) e exercer um mandato de deputado federal (2007/2010), sempre pelo PSDB, Luiz Paulo foi candidato a governador em 2010, para garantir um palanque no Estado ao candidato tucano à Presidência, José Serra. Perdeu no 1º turno para Renato Casagrande (PSB). Dois anos depois, apoiado por Paulo Hartung, perdeu para Luciano Rezende, de virada, a eleição a prefeito de Vitória.

Em 2014, não conseguiu ser candidato ao Senado, engolido pelo movimento de um antigo aliado (seu candidato à sucessão em 2004) que se tornaria um adversário interno no PSDB: César Colnago levou o partido para a coligação de Hartung ao governo e tornou-se vice do mesmo Hartung, que apoiou Rose de Freitas ao Senado. Em 2016, veio o recuo em favor de Luciano na Capital.

Em novembro do ano seguinte, unido a Max Filho, Sergio Majeski e outros mais, Luiz Paulo tentou tomar do grupo de Colnago o comando do PSDB pelo voto, na convenção estadual do partido, em um movimento então apelidado pela coluna de “PSDB Autêntico” (o nome seria incorporado pela chapa). Nada feito. Prevaleceu a chapa hartunguista encabeçada por Colnago, reunindo Octaciano Neto, Vandinho Leite, entre outros aliados de PH.

Em 2018, filiado ao Cidadania, Luiz Paulo concorreu novamente a um assento na Câmara Federal. Foi mal votado. Em 2019, assumiu a presidência do centro de pesquisas do governo estadual, o Instituto Jones dos Santos Neves. Estava bem lá. Saiu em abril deste ano, para tentar viabilizar a candidatura. E o desfecho foi o já mencionado.

A MORTE DO “PSDB RAIZ” NO ES

Ao mesmo tempo que cabe uma reflexão sobre os efeitos desse episódio na trajetória política de Luiz Paulo, parece-nos ainda mais pertinente analisar o que isso representa para o próprio PSDB no Espírito Santo. Estamos falando aqui, afinal, de uma espécie raríssima, em extinção – talvez o último espécime, na Mata Atlântica capixaba, do tucanus autenticus

A derrota precoce de Luiz Paulo no atual processo eleitoral – sobretudo pela maneira como se deu – pode marcar o fim definitivo de um ciclo, de uma era, para o PSDB no Espírito Santo. A meu ver representa a morte do “PSDB raiz” em solo capixaba.

Definitivamente, não existe mais no Estado aquele PSDB idealizado por FHC, Mario Covas, Franco Montoro, entre outros, e fundado em 1988 sob inspiração de partidos sociais-democratas europeus. Luiz Paulo é “o último dos moitucanos”: o único político remanescente no Estado fortemente identificado com aquele ideário original do PSDB.

O que restou de pé no Estado hoje é algo muito distante daquele partido original de centro-esquerda que trouxe a tão almejada estabilidade econômica ao Brasil e governou o país por oito anos com FHC (1995/2002). Agora, seguindo a guinada à direita ditada nacionalmente por João Doria desde que este colou em Bolsonaro para se eleger governador de São Paulo em 2018, o presidente estadual do PSDB, Vandinho Leite, conduz aqui uma mudança ainda mais intensa.

Como candidato a prefeito da Serra, Vandinho apresenta-se como representante do bolsonarismo, no discurso e até na adoção da simbologia do presidente da República: faz foto abraçado à bandeira de Israel, elabora projeto na Assembleia em defesa do uso da cloroquina e assim sucessivamente.

No Espírito Santo, Vandinho está radicalizando nessa "nova orientação" do PSDB, mais até do que tem feito o partido no plano nacional (enquanto ele se alinha a Bolsonaro, por exemplo, o próprio Doria passou a antagonizar com o presidente da República). Não é necessariamente pior, não é isso que estamos dizendo. Mas é sem dúvida alguma outra coisa: outro partido, com outras inclinações político-ideológicas. 

Enquanto isso, como outra referência do PSDB no Espírito Santo, sobra um deslocado Max Filho, político historicamente de esquerda, com raízes no brizolismo e no trabalhismo. E que vai ficando por ali por puro pragmatismo, nem um pouco identificado com esse "novo PSDB" capixaba assumidamente de direita, mas no qual pelo menos encontra apoio, estrutura e comodidade para buscar sua reeleição na Prefeitura de Vila Velha. E até voos maiores em 2022.

Politicamente antitéticos, Vandinho e Max Filho, os dois principais líderes com mandato filiados ao partido hoje no Espírito Santo, traduzem precisamente esse momento de metamorfose vivido pelo PSDB. Trata-se, afinal, de uma transição identitária. E, como toda transição, não se dá de um só golpe, como uma limpa machadada. Há um período de coexistência entre a velha identidade ainda não inteiramente superada e a nova identidade ainda não de todo estabelecida.

Aliás, em caso de vitória de Vandinho na Serra e de reeleição de Max em Vila Velha, será um exercício muito curioso observar e comparar as diretrizes da gestão de cada um nas respectivas cidades nos próximos anos.

MAX: TUCANO FORA DE ÉPOCA

É curioso: o Max Filho do ano 2000, recém-eleito para o primeiro mandato de prefeito de Vila Velha, dificilmente caberia naquele PSDB dos tempos do governo de FHC. Ficaria deslocado, pois aquele PSDB estava mais à direita que ele. Hoje, o Max de 2020 encontra-se deslocado no PSDB, pois continua à esquerda do partido. Mas esse Max de hoje talvez coubesse muito bem naquele PSDB da época do governo FHC.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.