ASSINE
Jornalista de A Gazeta desde 2008 e colunista de Política desde 2015. Publica diariamente informações e análises sobre os bastidores do poder no Espírito Santo

Dr. Hércules diz não a Max Filho após prefeito buscar o apoio dele

Após ter apoiado Neucimar no 1° turno, deputado decidiu não apoiar nem Max Filho nem Arnaldinho. Em nome de Max, vice-prefeito Jorge Carreta chegou a pedir apoio a Hércules pessoalmente nesta sexta

Publicado em 20/11/2020 às 20h09
Atualizado em 20/11/2020 às 22h01
O deputado estadual Hércules Silveira
O deputado estadual Hércules Silveira. Crédito: Ellen Campanharo/Ales

No 1º turno em Vila Velha, o ex-prefeito Neucimar Fraga (PSD) foi candidato a prefeito, tendo como principais apoiadores o vereador Ricardo Chiabai (Cidadania), que foi seu candidato a vice-prefeito, e o deputado estadual Hércules Silveira (MDB). Após ter chegado em 3º lugar e ficado de fora do 2º turno, Neucimar declarou apoio a Arnaldinho Borgo (Podemos). Chiabai fez o mesmo. O único do trio que ainda não tinha se posicionado era Hércules. Agora acabou o mistério: nesta sexta-feira (20), conforme publicou o colunista Leonel Ximenes, ele decidiu manter-se neutro na disputa. Mas não foi por falta de empenho.

O prefeito Max Filho (PSDB), adversário de Arnaldinho no 2º turno, tentou obter o apoio do deputado até o último momento. Tanto que, em nome de Max, o atual vice-prefeito, Jorge Carreta (PP), ligou para Hércules nesta quinta-feira (19), encontrou-se com ele nesta sexta (20) e pediu ao deputado apoio a Max.

Hércules não respondeu imediatamente ao pedido de Carreta. Segundo o próprio vice-prefeito, ficou de pensar. A resposta veio à noite.

Se dependesse de Carreta e de Max, haveria lugar espaçoso para Hércules no palanque deles, em nome das décadas de aliança política na cidade, rompida só nos últimos anos, entre o deputado do MDB e a família Mauro.

Na noite de quinta-feira, após ter ligado para Hércules pedindo o agendamento de um encontro, Carreta confirmou à coluna que ele e Max Filho gostariam de atrair a adesão do deputado (que esteve no palanque de Max na última eleição municipal, em 2016):

“Com certeza. Estamos buscando o apoio dele. Hércules é um homem público experiente e de campanhas vitoriosas. Estamos tentando aproximar o Hércules do nosso projeto, para dar sequência a esse trabalho em Vila Velha. Ele conhece os dois candidatos e pode comparar. Tenho um bom relacionamento com ele. E estou buscando esse diálogo com ele.”

Ainda na quinta-feira, Max também confirmou à coluna a tentativa de reaproximação com Hércules, por intermédio do seu vice-prefeito: “Carreta vai tomar um cafezinho com ele. Ele soma muito e tem muita experiência. É muito amigo de Hércules. A informação que temos é que Hércules não está querendo assumir posição. No1º turno, não teria caído muito bem o apoio que ele prestou ao ex-prefeito”.

Após sua abordagem inicial por telefone, Carreta foi ao encontro de Hércules, às 9 horas desta sexta-feira, na sede da associação beneficente mantida pelo deputado, no bairro Divino Espírito Santo. “Eu disse ao Hércules que o apoio dele seria muito importante para nós, como pessoa de bem que ele é”, conta Carreta, candidato a vice-prefeito novamente na chapa de Max.

Carreta recorreu ao longo vínculo de amizade e parceria política que une Hércules não só aos Mauro, mas também à sua família. De 1993 a 1996, no único mandato de Carreta como vereador, os dois foram colegas na bancada do PMDB (atual MDB), na Câmara Municipal de Vila Velha. Em 1993, logo no início do mandato em que foram companheiros de bancada, Hércules foi o obstetra da esposa de Carreta e fez o parto do primeiro filho do casal.

Antes disso, na legislatura anterior, de 1989 a 1992, o pai de Carreta, filiado ao PMDB, também foi vereador com Hércules (então no PSDB).

Um filho de Jorge Carreta inclusive já foi nomeado por Hércules para um cargo comissionado na Assembleia Legislativa.

Mas nem toda essa história compartilhada bastou para sensibilizar o coração do doutor, magoado com o filho de Max Mauro por tê-lo apoiado em seu retorno à prefeitura em 2016 e, segundo ele, não ter encontrado nenhum espaço para desenvolver projetos que gostaria, junto a Max, na atual administração.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.