ASSINE
É publicitário. Uma visão mais humanizada dos avanços tecnológicos e das próprias relações sociais tem destaque neste espaço. Escreve às quintas

Além do conhecimento de dados, marqueteiros precisam entender pessoas

Humanização é colocar as características humanas no processo, no funil e na experiência. Quanto mais humanos formos, mas vendas faremos

Publicado em 13/05/2021 às 02h00
Marketing digital
Os dados precisam servir para entender o humano-consumidor. Crédito: jcomp/Freepik

O tempo passa, avança, corre. Essas três palavras quase que se encaixam na linha do tempo que se iniciou no último século e se estende até os dias de hoje. Antes o tempo passava; depois das revoluções, sobretudo a industrial, o tempo avançou; e agora ele corre. Esse sentimento está em todos nós.

Porém, a velocidade temporal (se é que podemos chamar assim) não está no relógio, nos ponteiros, mas no movimento da vida. Cada vez mais queremos otimizar o tempo, e quanto mais otimizamos o tempo, menos vivemos o tempo. Essa correria se equipara à tecnologia, ao mundo digital. No ambiente virtual, tudo mudo o tempo todo no mudo, como diz a música, mas o “tudo digitalizado” pode arrancar da humanidade a humanização.

Começo o artigo de hoje fazendo essa reflexão para apresentar o duelo existente na vida do marketing contemporâneo: mais do que nunca, é preciso balancear algoritmos com humanização. Assim, um fato nos toca: o marketing do achismo passou, tal como o marketing das hipóteses. Chegamos a um novo tempo em que os dados devem servir para estruturar mais do que as estratégias de digitalização, também as de humanização do contato. Os dados precisam servir para entender o humano-consumidor. Sacar os sentimentos, coagular interesses com aquilo que o move, o desejo.

Anna Karina, diretora de marketing da Linx escreveu recentemente em um artigo que “o novo profissional de marketing deve estudar o comportamento do seu público, apostando forte no social listening (Monitoramento de Redes Sociais) para entender suas necessidades, dores e alegrias, compreender seus interesses e tipo de linguagem e, com suas mensagens, mostrar para ele que não é apenas um número, mas importante para a marca, parte de sua identidade e influente em suas mudanças e decisões. Desta forma, ele gera consumidores identificados com a marca, promovendo uma comunicação mais pessoal e afetiva, que gera uma conexão muito mais forte do que uma simples propaganda massificada”.

A fala da Anna deve ecoar. Quando permitimos isso, podemos compreender que no meio da velocidade, dos algoritmos, dos designs e formas, precisa imperar a compreensão para humanização. Se o desejo nos move a consumir, a humanização se torna estratégia para suprir o desejo humano do cliente, do consumidor. E para que isso aconteça, o marqueteiro precisa ir além do conhecimento de dados, do tráfego e da matemática, é preciso entender o humano. Humanização é colocar as características humanas no processo, no funil e na experiência. Quanto mais humanos formos, mas vendas faremos.

Por fim, chegamos a uma conclusão: o cliente chega com uma expectativa e ele precisa sair dali com uma experiência, seja no físico e no virtual. O marqueteiro que entender isso, já entendeu que estamos em um novo tempo, um tempo de entender pessoas.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Internet Redes Sociais Tecnologia Publicidade

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.