ASSINE
Crítico de cinema e apaixonado por cultura pop, Rafael Braz é Jornalista de A Gazeta desde 2008. Além disso é colunista de cultura, comentarista da Rádio CBN Vitória e comanda semanalmente o quadro Em Cartaz

"Raised by Wolves", da HBO Max, tem ótimas ideias e final estranho

Série produzida por Ridley Scott acompanha androides chegando a um planeta desconhecido com a missão de criar crianças humanas em um ambiente inóspito

Vitória
Publicado em 30/06/2021 às 00h32
Série
Série "Raised by Wolves", lançada pela HBO Max. Crédito: Coco Van Opens/HBO Max

“Raised by Wolves” tem um início espetacular. Com direção de Ridley Scott (“Alien, o 8º Passageiro”, “Blade Runner”), que assina a produção, o primeiro episódio da série é eficaz ao nos apresentar seu universo e nos surpreender com seus protagonistas em uma virada que dá o tom de toda a narrativa. Há poucos cineastas melhores que Scott para esse estilo de ambientação em meio ao desconhecido.

A trama é centrada em Pai (Abubakar Salim) e Mãe (Amanda Collin), dois androides fugitivos de uma guerra religiosa que devastou a Terra. Eles chegam ao habitável planeta Kepler-22B com a missão de criar e proteger embriões humanos. Seis crianças nascem e são criadas por eles, mas elas, aos poucos sucumbem a doenças ou ao ambiente inóspito do planeta. Alguns anos depois, Campion (Winta McGrath), o embrião que mais sofreu para nascer, é a única criança sobrevivente.

Campion foi criado como ateu, seguindo as diretrizes de programação dos androides, mas quando uma arca de humanos crentes chega ao planeta, a família começa a ruir. Com características diferentes, Pai e Mãe já apresentam deterioração e sabem que não estarão presentes para Campion, por isso o androide acha necessário interagir com os humanos para que o filho possa ter companhia ao crescer. Mãe, por outro lado, quer que o filho mantenha distância da religião e de todos os mitraicos que destruíram a Terra.

Após o impacto do episódio inicial e suas consequências, “Raised by Wolves” passa para a parte do desenvolvimento e tropeça pelo caminho. Vamos descobrindo como funcionam os androides e o que os levou até lá; somos levados também para dentro da seita dos mitraicos quando o texto dedica tempo a desenvolver Marcus (Travis Fimmel, de “Vikings”) e Sue (Niamh Algar) desde seus dias na Terra, passando pela viagem a Kepler-22B até chegar ao novo planeta.

Série
Série "Raised by Wolves", lançada pela HBO Max. Crédito: Coco Van Opens/HBO Max

“Raised by Wolves” tem vários arcos que se misturam. Há a maternidade e os instintos de proteção de Mãe, há a religião, a paternidade, a humanidade e também o mistério sustentado pela ficção científica. Neste ponto, a série criada por Aaron Guzikowski se sai melhor quando envereda pelo desconhecido e pelas possibilidades às vezes bem bizarras do novo planeta. O roteiro, porém, nem sempre prioriza a ficção científica e aposta em arcos quase melodramáticos. Não são histórias ruins, mas elas acabam diluindo o charme inicial da série.

A narrativa se embola no meio e sofre também com a falta de carisma de quase todos os personagens, o que praticamente impossibilita uma identificação - acabamos não ligando para o destino deles. Apenas Pai, com piadas de tiozão e uma compreensão própria daquele mundo, conquista o espectador.

O roteiro aposta em várias alegorias e metáforas religiosas, nem todas muito sutis, para discutir alguns dogmas. A série discute o papel da fé e sua separação de uma estrutura religiosa. O niilismo inicial logo perde espaço para uma espécie de espiritualidade digital para Mãe no arco. É justamente por essas características que os vinte minutos finais da primeira temporada de “Raised by Wolves” chocam tanto.

Para responder algumas perguntas e fazer o roteiro andar, a série aposta muito no recurso de profecias, visões e delírios de dois personagens. É uma opção arriscada, que pode afastar o público quando utilizada de forma gratuita - funciona no caso da Mãe, que tem uma justificativa para suas visões, mas não no de Marcus. Em ambos os casos, as informações ajudam a entender não apenas o que vemos em tela, mas o que já aconteceu por ali e, consequentemente, o que pode vir a acontecer.

Mesmo perdendo o foco no meio do desenvolvimento, “Raised by Wolves” nunca se torna desinteressante, ela apenas não conduz a audiência pelos caminhos esperados. Com uma segunda temporada já confirmada, a série que chegou esta semana ao HBO Max no Brasil poderá desenvolver mais seus conceitos que ficaram em aberto e principalmente dar algumas respostas para quem terminou o décimo episódio sem entender direito ao que estava assistindo. Uma ótima opção em um gênero que hoje carece de boas produções na TV.

Este vídeo pode te interessar

Série
Série "Raised by Wolves", lançada pela HBO Max. Crédito: Coco Van Opens/HBO Max

A Gazeta integra o

Saiba mais
Rafael Braz

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.