ASSINE
Crítico de cinema e colunista de cultura de A Gazeta

"Passageiro Acidental", na Netflix, é bom drama de sobrevivência

Dirigido pelo brasileiro Joe Penna, "Passageiro Acidental" chega à Netflix com doses de ficção científica e bastante drama de sobrevivência

Vitória
Publicado em 22/04/2021 às 23h00
Filme
Filme "Passageiro Acidental", da Netflix. Crédito: Netflix/Divulgação

Em 2018, o cineasta brasileiro Joe Penna e o roteirista Ryan Morrison lançaram o bom “Ártico”. No filme, Mads Mikkelsen vive um homem perdido sozinho no Círculo Polar Ártico após um acidente aéreo. Sem resgate à vista, ele precisa escolher entre permanecer em um lugar seguro, mas no qual não será encontrado, ou se arriscar por uma jornada pelo desconhecido na esperança de sair de lá vivo.

O curioso é que esse roteiro inicialmente se chamava “On Mars” e se passava, obviamente, em Marte ("Mars", em inglês). O problema é que “Perdido em Marte” estava em produção na época e a premissa de um homem sobrevivendo no Planeta Vermelho era bem similar. Penna e Morrison, então, ambientaram seu ótimo filme no Ártico e guardaram a viagem a Marte para outra ocasião.

“Passageiro Acidental”, que chegou nesta quinta (22) à Netflix, foi escrito antes de “Ártico” e os dois filmes teriam uma conexão, mas o curso dessa viagem já havia sido alterado. O filme, mais um drama espacial do que uma ficção científica, tem início na decolagem de uma nave rumo a Marte. Dentro dela, apenas a comandante Marina Barnett (Toni Collette), o cientista botânico David Kim (Daniel Dae Kim) e a pesquisadora médica Zoe Levenson (Anna Kendrick). Após um pequeno contratempo, a nave se estabiliza, mas não demora para a tripulação descobrir que há mais alguém a bordo.

Ao invés de se aproveitar da premissa para criar um terror espacial, “Passageiro Acidental” se transforma em um drama de sobrevivência. Em uma viagem espacial como essa, tudo é limitado e contabilizado, como um diálogo deixa claro logo no início em uma brincadeira entre David e Zoe. A presença desse novo elemento, que ninguém sabe ao certo como foi parar ali, altera toda a dinâmica da expedição, que agora precisa se preocupar mais em sobreviver do que em realizar os experimentos que planejavam em Marte.

“Passageiro Acidental” é um filme relativamente claustrofóbico, o que acontece não apenas pelo confinamento de quatro pessoas em uma nave que já havia sido adaptada para caber três, mas também porque muito se sabe além que se vê em tela. Em toda comunicação, por exemplo, ouvimos apenas o que é dito pela tripulação, sem nunca saber as respostas para o que dizem. Entendemos que já existem colônias em marte e que as viagens até lá acontecem com certa frequência. Aprendemos também que essas expedições aparentam ser da iniciativa privada, comandadas por uma empresa chamada Hyperion, mas noss informação fica por aí.

Toni Collette, Daniel Dae Kim e Anna Kendrick em
Toni Collette, Daniel Dae Kim e Anna Kendrick em "Passageiro Acidental". Crédito: Netflix/divulgação

O roteiro de Penna e Morrison é eficaz ao evitar exageros narrativos. Se por um lado não há uma sequência brilhante como a do balé de sangue em “O Céu da Meia-Noite”, por outro é possível entender mais o drama daqueles personagens, entender o peso da situação por que eles passam e das escolhas que se veem obrigados a fazer. Assim, entendemos a urgência e o sacrifício que é necessário fazer para que eles tenham chances de sobrevivência - não há em momento algum o questionamento “mas por que eles fazem isso?”, pois eles fazem porque não há outra opção. Ajuda o fato de elenco ser ótimo e entender que o peso da trama está depositado em suas atuações.

Essa característica de ser um filme espacial mais “contido” possibilita que “Passageiro Acidental” manipule as expectativas do público até seu clímax com tensão e boas doses de esperança. É curioso, assim, que quando uma inevitável sequência ganha a tela, ela gera uma grande mudança em tudo o que o filme construiu até aquele ponto. Sim, são acontecimentos que já haviam sido ensaiados pelo roteiro, mas algumas escolhas desse momento fazem com que “Passageiro Acidental” se aproxime de filmes genéricos do estilo.

Filme
Filme "Passageiro Acidental", da Netflix. Crédito: Netflix/Divulgação

Ao fim, a jornada de “Passageiro Acidental” é uma experiência interessante mesmo que não ofereça uma recompensa propriamente dita, mas uma melancolia que confere um sabor agridoce ao final. Joe Penna constrói um filme tenso e quase poético, uma obra que foge tanto da ficção científica e do terror espacial quanto de um possível melodrama, mas que perde força em seu terceiro ato.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Netflix Rafael Braz

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.