ASSINE
Doutor em Geografia, mestre em Arquitetura e Urbanismo, pesquisador do Instituto Jones dos Santos Neves e professor da UVV

Combinação de estratégias é importante para mitigar impactos do coronavírus

Considerando o quadro crítico estabelecido no mundo, a eficácia de qualquer intervenção isolada se mostra limitada, o que suscita a combinação de múltiplas ações estratégicas para mitigar e controlar a disseminação do novo coronavírus

Publicado em 25/03/2020 às 05h00
Atualizado em 25/03/2020 às 05h02
Cientista estuda o novo coronavírus
Cientista estuda o novo coronavírus. Crédito: Polina Tankilevitch/ Pexels

Um recente estudo do Imperial College of London analisou o impacto de intervenções não farmacêuticas para reduzir a mortalidade e as demandas de saúde decorrentes do novo coronavírus (Covid-19). A pesquisa foi coordenada pelo professor Neil Ferguson e tomou como referência os resultados de modelagem epidemiológica calculada com base em ações estratégicas implementadas pelos governos da Grã-Bretanha e outros países.

O modelo epidemiológico simulou cenários para a Grã-Bretanha considerando que o pico da disseminação da Covid-19 ocorrerá entre os meses de maio e junho de 2020. No pior cenário, caso as autoridades não tomarem nenhuma medida para conter a disseminação da doença, a demanda no sistema de saúde poderá chegar a mais de 260 leitos de UTIs por 100 mil habitantes no período do pico da pandemia do novo coronavírus na Grã-Bretanha.

No cenário que considera a suspensão das aulas nas escolas e universidades, a taxa de demanda na saúde pode diminuir para menos de 250 leitos de UTIs por 100 mil pessoas residentes no citado período. Com a implementação de intervenções de isolamento de casos suspeitos a pressão no sistema de saúde pode cair para menos de 200 leitos de UTIs por 100 mil habitantes.

A combinação de medidas de isolamento com a implementação de estratégias quarentena domiciliar tende reduzir a demanda na saúde para cerca de 140 leitos de UTI por 100 mil habitantes. A quarentena domiciliar é aquela direcionada às pessoas que moram na mesma casa de indivíduos tratados como casos suspeitos.

A conjugação dessas duas últimas ações com o distanciamento dos grupos idosos que, quando infectados, sofrem os efeitos mais graves da Covid-19 tende diminuir a procura no sistema de saúde para menos de 100 leitos de UTIs por 100 mil pessoas residentes.

O referido estudo constata que a combinação dessas medidas podem reduzir a demanda por assistência médica em 2/3 e a letalidade da Covid-19 pela metade no pico da curva epidemiológica da Grã-Bretanha. Entretanto, ainda assim seriam necessárias outras ações estratégicas para diminuir substancialmente a sobrecarga no sistema de saúde e os números de mortes. Dentre essas intervenções complementares, podemos assinalar o isolamento social, proibição de aglomerações de pessoas e restrições no funcionamento de estabelecimentos comerciais.

Com base em dados do Ministério da Saúde e da Secretaria da Saúde do Espírito Santo, em 13 de março, o governo do Estado de forma prudente, responsável e assertiva decretou situação de emergência de saúde pública, criando uma sala de situação e estabelecendo medidas para prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos decorrentes da Covid-19.

Além das ações protocolares da saúde (reforço nos exames laboratoriais, tratamento médico, isolamento de casos suspeitos e quarentena domiciliar), desse dia em diante, de forma gradativa, as aulas presenciais nas escolas e instituições de ensino superior foram suspensas e medidas restritivas para a aglomeração e circulação de pessoas foram adotadas.

Mesmo antes do ES se enquadrar na condição de transmissão comunitária, quando não se sabe a origem de um caso transmitido, o setor público e a iniciativa privada estão tomando medidas estratégicas para controlar a pandemia no ES. A mídia está colaborando para manter a sociedade informada e instruída sobre formas de prevenção à disseminação da doença. Vide o guia sobre o novo coronavírus difundido pela A Gazeta. Essa é uma valiosa ferramenta de comunicação em tempos da proliferação de notícias falsas.

Considerando o quadro crítico estabelecido no mundo, a eficácia de qualquer intervenção isolada se mostra limitada, o que suscita a combinação de múltiplas ações estratégicas para mitigar e controlar a disseminação do novo coronavírus. A união de esforços vai fazer toda a diferença para que a sociedade capixaba supere a atual crise e, no final, saia mais fortalecida.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.