ASSINE
É economista

Economia capixaba se destaca, mas ainda é refém de fatores externos

O PIB expressa, no agregado, um conjunto de fatores que interferem na sua formação e composição, inclusive certas especificidades que lhes são estruturais

Publicado em 29/02/2020 às 05h00
Atualizado em 29/02/2020 às 05h01
Pilha de minério de ferro em pátio da Vale. Crédito: Vale/Divulgação - GZ
Pilha de minério de ferro em pátio da Vale. Crédito: Vale/Divulgação - GZ

É razoavelmente possível que o Espírito Santo seja o único Estado brasileiro a apresentar queda do PIB em 2019. O IBC-Br, que é calculado pelo Banco Central, o indicador que antecipa a evolução do PIB para o Espírito Santo, fechou o ano com variação negativa de 1,28%. Contrastando com o observado para o país, que embora abaixo das expectativas, apresentou-se positivo em 0,89%. Mas o recomendável é que se tenha cautela na leitura e interpretação desse resultado agregado negativo.

Primeiramente, temos que ter em mente que o PIB expressa, no agregado, um conjunto de fatores que interferem na sua formação e composição, inclusive certas especificidades que lhes são estruturais.

No caso específico capixaba, tomam peso, por exemplo, setores como extrativa mineral, que integram a produção de pelotas de minério e petróleo, produção de celulose e produtos metalúrgicos. Todos eles fortemente vinculados ao mercado internacional, sofreram quedas acentuadas de preços e quantidades no decorrer do ano de 2019.

Não fossem fatores externos internacionais, o desempenho da economia capixaba se mostraria positivo e muito provavelmente acima da média nacional. Mas o que não podemos perder de vista é o fato de que tais setores mexem mais com a superfície da economia do que com o seu dinamismo interno. No caso capixaba, ele é relativamente inelástico em relação às variações desses setores, que podem ser acentuadas.

Se analisarmos com maior cautela os números da economia capixaba relativos a 2019, vamos ver que o núcleo responsável pela queda do PIB está concentrado na extrativa mineral, que apresentou queda de 21%, consequência do episódio de Brumadinho, mas também do baixo desempenho do mercado externo, petróleo e celulose (-35%), numa combinação de fatores externos e outros ligados à estratégia empresarial.

Esse lado negativo, no entanto, contrasta com o bom desempenho da economia interna, inclusive com indicadores melhores do que observados em nível nacional. O consumo de gasolina e diesel, por exemplo, superou médias nacionais: diesel, 2,53% (ES), contra 1,03% (BR); gasolina 1,02% (ES), contra 0,99% (BR); receita nominal do varejo ampliado, 7,5% (ES), contra 6,4% (BR), receita nominal do setor de serviços, 4,7% (ES), contra 4,5% (BR). Tivemos também bom desempenho em 2019 na geração de ICMS, com crescimento de 11,3%, e no estoque de emprego formal, que cresceu 2,67%.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Economia indústria

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.