ASSINE
É artista e escritora, e como observadora do cotidiano, usa toda sua essência criativa na busca de entender a si mesma e o outro. É usuária das medicinas da palavra, da música, das cores e da dança

Crônica: sela própria

Porque este desejo que plantam na gente desde pequenos, é um superlativo extremado – que beira o ridículo. Na verdade, qualquer ideia que nos faça acreditar que isso é mesmo possível, deseja ser "comprada", só isso

Publicado em 22/08/2021 às 02h00
amigas conversando
Na verdade, qualquer ideia que nos faça acreditar que isso é mesmo possível, deseja ser "comprada", só isso. Crédito: Freepik

Outro dia alguém me ameaçou a paz com aquele ditado "ó, cavalo selado não passa duas vezes" – aí eu discordei e a conversa esquentou.

De onde veio essa ideia que liga a oportunidade de ganhar ao medo de perder?

Pensamento mais simplório, comparativo, angustiante...

Poxa, pensa comigo, essa lógica não fala de um cavalo comum, nem do seu cavalo de estimação, ela fala do "melhor" cavalo possível.

Aquele certo, garantido! E ameaça sobre a incapacidade de distingui-lo, do risco de não montá-lo e, e "perda" atrelada a tudo isso.

Ora, o medo de perder é pior que o medo de já ter perdido.

Ou seja, esperar pelo cavalo selado pode ser pior que a certeza de que não haverá cavalo.

Donde concluo que a cura para essa angústia talvez seja tornar-se convicto.

Assim, poderemos finalmente lidar com isso! (O que é libertador, no mínimo.)

Em português claro: não existe "melhor" cavalo. Porque "o melhor" é caricato, uma ilusão vendida, uma ideologia.

Aliás, nada mais vulgar e nocivo que a tentativa de alcançar "o melhor".

Porque este desejo que plantam na gente desde pequenos, é um superlativo extremado – que beira o ridículo. Na verdade, qualquer ideia que nos faça acreditar que isso é mesmo possível, deseja ser "comprada", só isso.

Percebe? Na maioria das vezes em que nos deixamos atrair pela "oportunidade" de sermos importantes, maiores, melhores, especiais, escolhidos ou privilegiados, estamos nos rendendo, nos associando, ou nos moldando a algum tipo de critério externo – via de regra, interessado.

Interessado em suas próprias regras! Como o sistema que confere prestígio aos seus fiéis e maldiz os falhos.

É da nossa cultura... Fomos educados para jamais perder um "cavalo selado" – seja lá o que for isso – de modo que ficamos olhando pra fora, esperando, julgando, comparando, medindo. Nos adequando aos sistema de recompensas, pirâmides de privilégios e cadeias de garantias.

Tudo, para não perder a chance de... De quê mesmo?

Enfim, "estou esperando o homem da minha vida" – ouvi uma amiga dizer entre goles, enquanto olhava para os lados, como treinasse a atenção e a agilidade para pular na sela ideal, que um dia há de passar por ali...

Não disse na hora, mas pensei: amiga, "ele" são todos e nenhum deles. "Ele" não existe e, ao mesmo tempo, está bem aqui, neste bar. "Ele", ou este fenômeno pelo qual você espera é, na verdade, a manifestação de uma força íntima, uma interseção cósmica, uma aprendizagem – o resultado do amor-próprio quando transborda.

Porque amor, paz, alegria, saúde, sorte, não têm nada a ver com a dupla "poder e oportunidade", mas com modéstia, humildade, compaixão e graça. E, como bem se sabe, nada disso vem de fora...

De modo que concluo: ao invés de esperar por um cavalo que já venha selado, mais vale tecer uma montaria própria, com paciência, autoconhecimento e equanimidade.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Crônica

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.