ASSINE
É artista e escritora, e como observadora do cotidiano, usa toda sua essência criativa na busca de entender a si mesma e o outro. É usuária das medicinas da palavra, da música, das cores e da dança

Crônica de amor

E certos sonhares são inesquecíveis, feito massagem com óleo quente. É, amar amolece a gente

Publicado em 10/01/2021 às 05h00
Casal de araras
Há o amor de araras, lindo, eterno, monogâmico por natureza, uma ode ao companheirismo. Voando lado a lado, criando filhotes, cuidando juntos, do mesmo ninho. Crédito: Freepik

“Alguns pressentem a chuva. Outros se contentam em se molhar”, Henry Miller.

Que será o amor se não um profundo mergulho na generosidade de si?

Um dar de braçadas em claras águas, mornas pela graça da causa.

Sonho colorido, tão raro quanto bonito... E certos sonhares são inesquecíveis, feito massagem com óleo quente. É, amar amolece a gente.

Mas o amor não é exclusivo nem excludente. Ao contrário: toda forma de amor é emoliente.

Há o amor de araras, lindo, eterno, monogâmico por natureza, uma ode ao companheirismo. Desejo-par-colorido. Voando lado a lado, criando filhotes, cuidando juntos, do mesmo ninho.

E na mesma prateleira, contudo, existe outra opção, desenvolvida pela mesma mão (natureza) que desenhou a primeira: solitude. Solitude com plena satisfação, ou amor-próprio em estado de multiplicação. Prazer em estar consigo, fluindo... Ora voando solo, noutras acompanhado, e em outras ainda, completamente misturado – e mesmo assim, sem nunca se perder de si.

(Respiro)

Que será amar se não a impossibilidade de desviar?

“Eros”. Força de magneto, seta de prata apontada pra dentro, caldo escorrendo, erupção de coxas, quatro tempos.

Amar não é escolha, nem mandamento. Ao contrário: é a poderosa mística da vida se exibindo.

Claro, tentamos a todo custo dar conta do mistério. Mas somos meros, somos quaisquer e queremos sorrir (e comer, e dançar, e sorrir o máximo possível).

Pensando bem, eis o problema: somos mais humanos do que a gente pensa! Porque os quadris têm vontades plenas. Absolutas são as línguas, e as íris, ferocíssimas.

Verdade é que sabemos de menos... (Ainda bem). Mergulhar na própria consciência pode significar afogamento... Narcisos, nascemos cheios de graças e poderes sobres os quais jamais teremos conhecimento.

Maria Sanz

Cronista

"Mergulhar na própria consciência pode significar afogamento... Narcisos, nascemos cheios de graças e poderes sobres os quais jamais teremos conhecimento"

Então, que será, será!

Sem nunca perder de vista que o amor é uma frequência – a mais alta que existe. E por isso não é possível segurá-la com as mãos. Aliás, a única experiência possível é mesmo senti-la... No corpo, na casa, nos Chakras, nos poros, no coração. Depois agradecer, cultivar, emanar, irradiar, compartilhar, expandir e se sintonizar, enfim.

Perceba, quando estamos vibrando no amor, seja o fraternal, profundo, espiritual; seja o carnal, envolvente, passional; seja como for, o universo nos ouve claramente, nos entende, e surpreendentemente, nos atende.

(De modo que quando tem amor envolvido, o que será – será bem-vindo.)

“O amor sempre vence no fim”. (Então, pra quê resistir?)

Deixa acontecer, deixa vir, potente, emoliente, misterioso, como deve ser.

Mas não tente compreender o que possa haver escondido... Além de raro e colorido, ele nunca falha em ser incrível.

Eu sei, você pode estar pensando que falar de amor é chover no molhado, mas eu tenho certeza, Deus fez a gente foi pra isso.

A Gazeta integra o

Saiba mais
opinião

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.