ASSINE
É professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante da Universidade de Yale. Escreve às segundas

Os governos nas últimas décadas têm entregue "carne e farinha"

Programas de transferência de renda importam muito, mas a chave para a criação de uma sociedade próspera e inclusiva continua sendo de ordem institucional

Publicado em 07/09/2020 às 05h04
Beneficiária mostra cartão do Bolsa Família
Beneficiária mostra cartão do Bolsa Família. Crédito: Jefferson Rudy

Em "Sobrados e Mocambos" (1936), Gilberto Freyre menciona um senador do Império que propunha que se mandasse para o Pará "carne, farinha e bacharéis".

Freyre acrescentava que o imperador depositava mais confiança "nos bacharéis que administrassem juridicamente as províncias e distribuíssem corretamente a justiça do que em socorros de carne e farinha aos povos oprimidos". Os socorros eram "precários e efêmeros"; os bacharéis teriam efeito sustentável. Freyre - cujo nascimento ocorreu há exatos 120 anos - estava certo.

Freyre lembra também que o bacharel aparecera antes. Foram os jesuítas "que tinham dado à colônia ainda sombreada de Mato Grosso – a terra inteira por desbravar, índios nus quase dentro das igrejas, de olhos arregalados para os padres que diziam missas; cobras caindo do telhado por cima das camas ou enroscando-se nas botas dos colonos – os primeiros bacharéis".

Muitos estudavam na Europa e, ao voltar, formaram o que chamou "uma aristocracia da toga"; e isso em condições inusitadas: "à sombra de mangueiras de sítio e entre macacos amansados".

O bacharel traria consigo o Estado para onde este inexistia; instituições para o Estado da natureza; o antídoto contra a violência, o arbítrio e o mandonismo local.

São duas as grandes questões que o país enfrentava e ainda o faz: pobreza e o primado da lei. Mas esta última era vista como pré-condição da eliminação sustentada da primeira: a lei e seus agentes criam condições para a prosperidade e a liberdade. Esta é a conclusão a que chegam também Daron Acemoglu e James Robinson, em "The Narrow Corridor", a análise recente mais instigante sobre o assunto.

As razões do fracasso histórico do projeto de regime igualitário baseado no império da lei –"administração e distribuição correta da justiça", diria Freyre – são tema vasto que não pode ser tratado aqui. Mas o progresso ocorrido desde 1988 tem sido importante: as instituições judiciais e seus agentes passaram a desfrutar de autonomia e independência inéditas. E nunca tantos foram punidos por desmandos. Nem tudo é positivo, mas o saldo líquido de sua atuação em um quadro sistêmico de predação é francamente positivo.

Os governos nas últimas décadas têm entregue "carne e farinha" – na forma contemporânea de programas de transferência de renda. Eles importam muito, mas a chave para a criação de uma sociedade próspera e inclusiva continua sendo de ordem institucional.

O combate aos desmandos e à corrupção tem sofrido reveses. O arranjo tenebroso em curso, pelo qual há um "trade off" entre a expansão de tais programas e interrupção no combate a corrupção, é retrocesso grave.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Bolsa Família Renda Brasil Benefício Emergencial

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.