ASSINE
É professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante da Universidade de Yale. Escreve às segundas

Como vai ser o pós-pandemia?

O primeiro impacto no novo coronavírus é que ele desmantelou a agenda pública: saem costumes, corrupção, segurança, reformas, entra crise sanitária e seus efeitos

Publicado em 14/09/2020 às 05h00
Atualizado em 14/09/2020 às 05h02
Aplicativo do auxílio emergencial do Governo Federal
O auxílio emergencial revelou-se crucial para a popularidade do presidente. Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

"Profetizar é tão difícil para trás como para diante. O que aconteceu esclarece-nos bem pouco sobre o que teria acontecido. Quando se diz que outra medida teria estas ou aquelas consequências, subentende-se que é tudo o mais se passando como se passou."

O alerta de Joaquim Nabuco dizia respeito à dinâmica dos projetos de abolição da escravatura, mas joga luz sobre o que teria acontecido com o governo Bolsonaro se a pandemia não tivesse ocorrido. Nabuco raciocinava em termos de contrafactuais e mecanismos: para eventos singulares o suposto do ceteris paribus ("tudo o mais constante") seria insustentável.

Feito o alerta, podemos fazer a conjetura que, na ausência da pandemia, o principal evento recente – a formação de uma base parlamentar do governo – teria ocorrido de qualquer forma, pois foi deflagrado em resposta à janela que se abriu para o impeachment.

Afinal, então, quais os principais impactos da pandemia?

O primeiro é que desmantelou a agenda pública: saem costumes, corrupção, segurança, reformas, entra crise sanitária e seus efeitos. O cenário de uma conflagração social desestabilizante causou pânico: Bolsonaro mimetizou Trump que tomou medidas cavalares na dose, ao mesmo tempo em que fazia pouco caso da pandemia.

As declarações recentes de Bob Woodward confirmam a previsão já feita anteriormente. Haverá guerra de narrativas: a do estadista – a referência aqui será Churchill para quem a verdade seria "tão preciosa que deve ser blindada por mentiras"; e a do tirano irresponsável – em que opositores irão brandir as mortes que poderiam ser evitadas.

O segundo impacto é um efeito não antecipado: o remédio anticaos (o auxílio) revelou-se crucial para a popularidade presidencial. O terceiro é consequência do primeiro e terá efeito retardado: a agenda pública passa a ser vertebrada, como no passado recente, em termos de "quem redistribui mais e melhor". Sai a cacofonia hiperpolitizada e de costumes, entra o Renda Brasil.

Especula-se com base na assimetria cognitiva entre perdas e ganhos, identificada por Kahneman e Tversky, que a "super-reação" ao fim do auxílio anulará os benefícios gerados. Improvável: ele será descontinuado pelo seu próprio criador, não é um direito estabelecido (entitlement, no jargão) e foi anunciado como temporário.

Isso não quer dizer, no entanto, que desemprego, pressões inflacionárias e queda da renda não terão consequências políticas. Mas aqui é o clássico "voto econômico" da literatura que seguramente terá impacto decisivo, mas gradativo. Quanto mais perto do fim (eleição) maior forte a lembrança do sofrimento econômico. Como nas colonoscopias, segundo Kahneman.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.