ASSINE
É presidente do Insper, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda (2003-2005). Escreve aos domingos

O Brasil da pandemia redime a ficção científica

Em tempos de distanciamento social, alguma histeria e muito oportunismo, a literatura, mesmo a descompromissada, é bem melhor do que assistir ao presidente e ao seu entorno disfuncional

Publicado em 19/04/2020 às 05h00
Atualizado em 19/04/2020 às 05h01
Isaac Asimov, autor de ficção científica
Isaac Asimov, renomado autor de ficção científica. Crédito: Reprodução

praga atual convida alguns a sugerir romances admiráveis, como "A Peste", de Albert Camus, "O Deserto dos Tártaros", de Dino Buzzati, ou "À Espera dos Bárbaros", de J. M. Coetzee, que ecoa o poema homônimo de Konstantinos Kaváfis. Não se espere nada tão sofisticado desta coluna. São tempos de miudezas em meio ao desastre conduzido por um presidente que parece não saber o que faz.

"O Sol Desvelado" é o segundo livro da trilogia de Isaac Asimov sobre um policial precipitado e atrapalhado, ainda que bem-intencionado. Um romance ligeiro de banca de jornal. A Terra estava sufocada por excesso de gente havia muito tempo, o que levara alguns a imigrar para outros planetas. Algo compreensível, afinal, a balbúrdia da aglomeração e dos conflitos pode ser insuportável.

O surpreendente é tão raro na vida quanto nos folhetins, e, já em meados do século passado, a possibilidade de máquinas substituírem o trabalho humano era tema corriqueiro.

Os terráqueos, conflagrados pelo excesso de gente, rejeitavam os robôs. Os colonizadores de planetas, no entanto, os adotavam para cuidar dos afazeres mundanos e proibiam novos imigrantes.

O planeta Solaria foi o último a ser colonizado, levando ao extremo a opção de utilizar robôs e evitar a proximidade social. As pessoas moravam a centenas de quilômetros de distância umas das outras e se falavam por meio de videoconferências tão impecáveis que parecem estar lado a lado. Para elas, era insuportável compartilhar fisicamente o mesmo ambiente.

Naquele mundo de violência improvável, no entanto, houve um assassinato. Para investigar o crime, nada melhor do que convidar um terráqueo, que convive com gente e sabe das suas vilezas. A parte divertida do livro é o contraste entre o detetive gregário de uma Terra atrasada e o mundo com as tecnologias mais modernas que rejeita a proximidade humana.

Em tempos de distanciamento social, alguma histeria e muito oportunismo, a literatura, mesmo a descompromissada, é bem melhor do que assistir ao presidente e ao seu entorno disfuncional. A sociedade testemunha, abismada, a gestão atabalhoada de um governo que não entende a diferença entre ciência e pensamento mágico.

O Brasil atual redime a ficção científica e transforma qualquer Asimov em Shakespeare.

A calamidade empilha suas vítimas. Alguns perdem o emprego e temem pela família em dificuldades. Outros perdem a vida e são enterrados sem a despedida próxima das pessoas queridas.

A dor em demasia torna compreensível perder a paciência com a insensatez dos despreparados.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.