ASSINE
Empresário, vice-presidente da CNI e presidente do Copin (Conselho de Política Industrial da CNI). Foi presidente da Findes. Neste espaço, aborda economia, inovação, infraestrutura e ambiente de negócios.

Transição verde: um caminho para o desenvolvimento do país

O primeiro passo talvez seja superar uma falsa guerra de narrativas, que nos põe em oposição aos países mais desenvolvidos

Publicado em 27/06/2021 às 02h00
Dinheiro em moedas
Transição verde é também um caminho importante para gerar emprego e renda e ampliar o acesso a bens e serviços essenciais. Crédito: master1305/Freepik

A transição para uma economia verde, que reduza as emissões de poluentes e respeite os limites do planeta, pode ser o caminho para um novo ciclo de desenvolvimento do Brasil. O país já conta com uma matriz energética que é das mais limpas do mundo, com 46% de fontes renováveis, contra média mundial de 14%. Temos a maior biodiversidade do planeta e podemos liderar essa agenda em nível global.

O primeiro passo talvez seja superar uma falsa guerra de narrativas, que nos põe em oposição aos países mais desenvolvidos.

Estados UnidosChina e França lideram atualmente uma agenda global contra as mudanças climáticas. No extremo oposto, estaríamos nós, o Brasil, ao lado da Bolívia e do Congo, como os campeões do desmatamento. Certamente não podemos nos conformar com essa posição. Não é assim que desejamos ser vistos pelo resto do mundo.

O desmatamento no país é um problema real que precisa ser enfrentado. Mas a soja brasileira é produzida de forma sustentável desde 2008, graças à Moratória da Soja, pacto ambiental de reconhecimento internacional que envolve entidades representativas dos produtores, ONGs e o próprio governo.

Precisamos enfrentar essas desinformações e recuperar o protagonismo nessa agenda global.

A transição verde é importante não somente para cumprirmos compromissos internacionais, como o Acordo de Paris, assinado em 2015, em que prometemos reduzir as emissões de gases de efeito estufa, ou a Agenda 2030, em que nos comprometemos com a adoção de consumo e produção sustentáveis. Essa transição verde é também um caminho importante para gerar emprego e renda e ampliar o acesso a bens e serviços essenciais, como é o caso do setor de saneamento.

O valor da chamada economia verde ainda é incerto, mas o mercado financeiro e consultorias de renome como a PwC têm trabalhado com o relatório da GSIA (Global Sustainable Investment Alliance) que estima que os investimentos sustentáveis já movimentam US$ 31 trilhões, ou cerca de 35% do PIB mundial, como mostra recente reportagem da revista "Istoé Dinheiro".

Nos próximos anos o país vai ter um enorme desafio em questões ambientais. A agenda ESG (ambiental, social e governança, na sigla em inglês) não é um modismo, como mostra a cifra acima. Precisaremos enfrentar esse desafio para sermos ouvidos no mundo, e ele está estreitamente relacionado com a questão da infraestrutura sustentável.

A não ser em setores muito particulares, como o de telecomunicações, o país tem lacunas graves de infraestrutura. E suprir essas lacunas demandará investimentos pesados na chamada infraestrutura “climate-friendly”, ou “amigável em relação ao clima” – na prática, são investimentos para geração de energia limpa ou qualquer estímulo a práticas sustentáveis na agricultura ou na pecuária, em tecnologias de saneamento, construção civil sustentável, meios de transporte com menos emissões, entre outros.

Como esses investimentos são, normalmente, de longuíssimo prazo, e envolvem áreas muitas vezes em estágios incipientes de desenvolvimento, com tecnologias inovadoras, o capital privado, isoladamente, não consegue alimentar os agentes econômicos com o volume de recursos necessários.

Nesse contexto, é essencial a atuação do Estado na condução desse processo, tendo o BNDES como referência, conforme tese em desenvolvimento na USP pelo acadêmico Bernardo de Barros Castro.

O banco já é uma referência mundial na condição de financiador de infraestrutura sustentável. O Fundo Amazônia é um bom exemplo: ele tem o objetivo de captar doações para investimentos não reembolsáveis em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento. O BNDES faz a gestão do Fundo, responsabilizando-se pela captação de recursos, contratação e monitoramento dos projetos e ações apoiados.

O BNDES foi ainda a primeira instituição financeira do país a emitir um título verde, o chamado “Green Bond”, no mercado internacional, e tem expertise e mecanismos para atrair o capital privado para esse tipo de investimento, pelo processo conhecido como “crowding-in”.

O BNDES sozinho, porém, não conseguirá avançar nessa agenda sem o apoio expresso de lideranças do Executivo e do Legislativo.

A transição verde é uma avenida que se abre para o desenvolvimento do país. Reunimos todas as condições para assumir um protagonismo global nesse debate. Temos a maior biodiversidade do planeta: são seis biomas terrestres e três grandes ecossistemas marinhos que abrigam cerca de 20% das espécies do globo. Quase 60% do território do país é ocupado pela Floresta Amazônica, a maior floresta tropical úmida do mundo.

Parece evidente que as discussões sobre o nosso processo de desenvolvimento tenham o meio ambiente como pauta central. Só falta nos organizarmos internamente para assumir esse protagonismo global.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.