ASSINE
É mestre em História pela Ufes. Neste espaço, a história capixaba é a protagonista, sem deixar de lado as atualidades. Escreve às terças

Como os jornais noticiaram a gripe espanhola no Espírito Santo em 1918

No Espírito Santo daquele período, com menos de 500 mil habitantes e infraestrutura precária, uma das medidas para enfrentar o inimigo foi similar à estratégia de combate ao novo coronavírus, ou seja, isolamento social

Publicado em 21/04/2020 às 05h00
Atualizado em 21/04/2020 às 05h00
Praça João Miguel, na Serra, em 1908
Praça João Miguel, na Serra, em 1908: 21 pessoas morreram durante a pandemia que começou em 2018. Crédito: Acervo do Iphan-ES

“A gripe propalou-se em todo o município com a intensidade terrorista das grandes calamidades”. Tal referência, publicada no “Diário da Manhã”, influente jornal do Espírito Santo, destaca a gravidade, no município da Serra, da pandemia mundialmente conhecida como gripe espanhola que também atingiu o Estado no último trimestre de 1918.

Inicialmente negligenciada no Brasil, “a espanhola”, nome popular do vírus da gripe, o “influenza”, ficou conhecida dessa forma por componentes políticos relacionados à Primeira Guerra Mundial e porque a Espanha, neutra durante o conflito, ao contrário de muitos países, não censurava informações sobre os perigos da enfermidade que, no fim, vitimou cerca de 50 milhões de indivíduos pelo mundo.

No Espírito Santo daquele período, com menos de 500 mil habitantes e infraestrutura precária, uma das medidas para enfrentar o inimigo foi similar à presente estratégia de combate ao novo coronavírus, ou seja, isolamento social. Escolas fechadas, funcionamento do comércio prejudicado e população dentro de casa, tudo para evitar aglomerações e conter o avanço de um vírus que se mostraria devastador até para adultos jovens e saudáveis.

No município de Muqui, conforme o “Muquyense”, 60% dos moradores foram afetados, resultando na morte de duas mulheres, Maria Alves e Ercília Bartossano Dutra, de 28 e 22 anos, respectivamente. Em Muniz Freire, outro a contar inúmeras ocorrências, merece ênfase o relato de seu noticioso, o “Espirito Santo”, ao repercutir as consequências da doença: “Quanto sofrimento, quanta ansiedade, por essas humildes habitações do interior do Brasil, afastadas umas das outras, cujos habitantes se viam a só, isolados, todos doentes ao mesmo tempo, sem terem mão amiga e generosa que lhes desse um caldo!”.

Já em Cachoeiro de Itapemirim, a elevada propagação comprometeu a produção do jornal “O Cachoeirano” e aumentou o número de infectados na Santa Casa de Misericórdia, além de mobilizar a sociedade local na assistência aos indigentes adoecidos, que eram visitados três vezes por semana. Embora sem nenhum falecimento determinado apenas pela gripe, contabilizou-se no município, de acordo com o citado periódico, 23 óbitos “oriundos da atual pandemia complicada com outros estados mórbidos”.

Na Serra, do surgimento dos primeiros casos até o dia 10 de janeiro de 1919, morreram 21 pessoas em decorrência da “espanhola”, incluindo a senhora Ana Campos Marques, de Jacaraípe, e o menino Luiz Cláudio, filho do funcionário do Tesouro, Celso Cláudio de Freitas Rosa e sobrinho do vigário da capital, padre Luiz Cláudio. Todavia, passado o mês de janeiro, segundo comunicado do prefeito Adolfo Fraga, agora os serranos encontravam-se livres da moléstia.

Finalmente, superado o pico de contágio, as estatísticas oficiais revelariam o tamanho da adversidade que esteve diante dos capixabas: em poucos meses a “gripe espanhola” matou 123 cidadãos do Espírito Santo, tornando-se a principal causa de morte no Estado em 1918.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.