ASSINE
É mestre em História pela Ufes. Neste espaço, a história capixaba é a protagonista, sem deixar de lado as atualidades. Escreve às terças

A história por trás do Dia das Mães e uma singela homenagem

Criado no início do século XX, nos Estados Unidos, o Dia das Mães também é comemorado em outros países no segundo domingo de maio

Publicado em 04/05/2021 às 02h00
Dia das Mães
Dia das Mães: mesmo não havendo problema em presentear, nada pode substituir um sentimento verdadeiro. Crédito: Luis Baltazar/katemangostar/Freepik

Criado no início do século XX, nos Estados Unidos, o Dia das Mães também é comemorado em outros países no segundo domingo de maio. A marcante data, de sentido original bastante deturpado ao longo do tempo, é fruto dos esforços da norte-americana Anna Jarvis, que lutou pela implantação de um dia especial para as mães após o falecimento da sua progenitora em maio de 1905.

Quase uma década depois, em 1914, o presidente Woodrow Wilson oficializou o dia nos EUA e contribuiu para difundi-lo pelo mundo. Já no Brasil, a reverência foi legalizada pelo Decreto nº 21.366, de 5 de maio de 1932, assinado por Getúlio Vargas, então Chefe do Governo Provisório, com os seguintes dizeres: “O segundo domingo de maio é consagrado às mães, em comemoração aos sentimentos e virtudes que o amor materno concorre para despertar e desenvolver no coração humano, contribuindo para seu aperfeiçoamento no sentido da bondade e da solidariedade humana”.

Apesar das propagandas associarem a data com as compras, o significado defendido por Anna Jarvis um século atrás era bem diferente. Para ela, o feriado deveria ficar restrito ao caráter afetivo, como um momento dedicado a exaltar o valor das mães para os filhos e para a sociedade. Porém, rapidamente sua ideia acabou usada para aumentar os ganhos do comércio, um artifício que a pioneira combateu por toda a vida.

Assim, diante do evidente e até exagerado apelo comercial da data, é importante lembrar que o respeito, o carinho e o amor devem prevalecer, ou seja, mesmo não havendo problema em presentear, nada pode substituir um sentimento verdadeiro.

Que os filhos, portanto, usem a data prioritariamente para fortalecer os laços pessoais e para retribuir o acolhimento recebido desde o período da gravidez.

No caso do autor que vos escreve, o presente de Dia das Mães será uma declaração de amor acompanhada de uma singela cópia deste texto. Não há como prever a reação exata da minha maior defensora, a mãezinha Maríusa Pinheiro Soares, mas certamente ela vai se emocionar e sorrir ao ver o próprio nome escrito em A Gazeta.

Por último, vale o registro: conforme o noticiário recente destaca, nem todos têm o privilégio de ter uma mãe protetora e amorosa. Para esses, sobretudo às crianças indefesas, fica aqui a nossa solidariedade e um clamor para que as autoridades promovam justiça.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais
Brasil Brasil Brasil dia das maes Comércio

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.