ASSINE
É consultor e palestrante em Inovação e Estratégia. Neste espaço, novidades e reflexões sobre mercado de trabalho e tecnologia têm sempre destaque. Escreve aos sábados

O que falta para o ES não ser apenas o Estado "apagado" do Sudeste?

Entre outras coisas, faltam projetos relevantes que atraiam investidores e a atenção do Brasil, embora tenhamos as grandes empresas nacionais e empresas ou grupos capixabas grandes e médios com forte atuação

Publicado em 12/09/2020 às 05h00
Atualizado em 12/09/2020 às 05h01
Perspectiva do Porto Central, em Presidente Kennedy, Sul do Espírito Santo
Perspectiva do Porto Central, no Sul do ES: novos projetos e expansão de outros podem dar outra cara ao Estado. Crédito: Porto Central/Divulgação

Fernando Gabeira, em artigo recente em "O Globo", argumentando sobre a decadência do Rio de Janeiro, dizia que alguns cariocas sonham com algo não muito grandioso, a normalidade do Espírito Santo, por exemplo, um Estado próximo e um pouco apagado do Sudeste. O sangue ferveu imediatamente, não que o Gabeira esteja errado - gosto muito dele -, mas pela imagem que passamos para o resto do Brasil. Apagado é o cacete, deu vontade de dizer. Afinal, quem somos nós? E o que queremos ser?

Países pequenos como Singapura, Holanda, Dinamarca, Noruega, Israel, Finlândia, Taiwan e Irlanda conseguem aparecer entre grandes países, como referência em desenvolvimento e nos rankings de educação, ciência, tecnologia e inovação, e assim adquirem uma relevância capaz de atrair capitais e respeito da comunidade internacional. Por que não podemos passar imagem semelhante dentro do país? Por que passamos imagem de apagados?

Tudo bem que o Espírito Santo passou a ser reconhecido como nota A em finanças, um Estado equilibrado, sem escândalos de corrupção, com quadro político, embora pequeno em número, com alguma atuação significativa nacional e com destaque na educação.

Mas falta alguma coisa. Faltam projetos relevantes que atraiam investidores e a atenção do Brasil, embora tenhamos as grandes empresas nacionais como Vale, ArcelorMittal, Fibria, Samarco, Petrobras e Garoto/Nestlé, outras nacionais atraídas pelos incentivos como Weg, Marcopolo, Oxford e Jurong e algumas empresas ou grupos capixabas grandes e médios com forte atuação, como Águia Branca, FortLev, Autoglass, Imetame e Frisa. Temos uma vocação para o comércio exterior, grandes tradings operando, e a logística crescente para o e-commerce em expansão acelerada, mas ainda falta muita coisa para não ser considerado apagado.

Há grandes oportunidades na mesa. A nova lei do gás barateia a energia para a indústria. Concessões e PPPs de saneamento e iluminação estão na pauta, assim como novas rodadas do petróleo e a venda dos poços terrestres pela Petrobras. A privatização da Codesa, concessão da 262 e duplicação da 101 estão saindo por aí, a fórceps.

A liberação do porto da Imetame com acesso já para a ferrovia promete. A ferrovia até Ubu, no pacote da negociação da Vale para extensão do prazo da Vitória-Minas, promete trazer investimentos siderúrgicos para aquela região, junto com a retomada da Samarco, que sozinha representava 5% do PIB capixaba. E coloca a ferrovia no meio do caminho até o Porto Central, a grande chance de redenção do Sul do Estado.

Temos que aproveitar a ainda subutilização da Vitória-Minas, limitada pela sobrecarga no porto de Tubarão. Falta convencer a VLI a trazer mais cargas para o Espírito Santo. E temos que correr. O Porto de Açu de um lado e a ferrovia Oeste-Leste até um porto em Ilhéus do outro lado, ainda mais se for estendida até a Norte-Sul, podem minar a nossa competitividade logística. Mas vamos acreditar na opinião da turma do agronegócio: se tiver ferrovia e porto, eles quintuplicam a produção de grãos. E o mundo compra.

Creio que falta ainda um destaque na atuação das universidades, embora com alguns grupos relevantes e falta uma ênfase no mundo digital, em sua infraestrutura e na explosão de startups, embora alguns avanços. É a economia do futuro e aqueles pequenos países citados entenderam e se posicionaram.

Apagados não, Gabeira. Talvez em processo de iluminação. Espero.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.