ASSINE
É consultor e palestrante em Inovação e Estratégia. Neste espaço, novidades e reflexões sobre mercado de trabalho e tecnologia têm sempre destaque. Escreve aos sábados

Digitalização da economia se acelerou na pandemia. E não vai parar

Até o governo contribuiu com esse tsunami digital fornecendo o app baixado 30 milhões de vezes para receber o coronavoucher e apresentando o PIX

Publicado em 31/10/2020 às 05h00
FGTS - aplicativo, saque, dinheiro
FGTS e auxílio emergencial estão sendo pagos por aplicativos. Crédito: Carlos Alberto Silva

É consenso que a pandemia acelerou o processo de digitalização da economia em vários anos. As ferramentas de reunião se popularizaram, assim como o e-commerce, que dobrou de 5% para 10% sua participação no varejo. Estudantes, nativos digitais, aturaram a baixa familiaridade dos professores com o ensino a distância, mas a coisa andou e o ano letivo aconteceu aos trancos e barrancos para o ensino médio e superior, enquanto os pequenininhos (e os pais) sofriam as dificuldades do virtual. As empresas aprenderam a gerenciar o home office, e muitas delas decidiram manter grande parte dos empregados em casa para sempre. Consequência: empresas contratando gente em qualquer cidade - ou país.

Até o governo contribuiu com esse tsunami digital fornecendo o app baixado 30 milhões de vezes para receber o coronavoucher e apresentando o PIX. Quem ainda não tinha entrado no mundo digital entrou agora, e é ali que vão se dar as disputas por mercado. Mas aí acontecem os enganos, alguns fatais. Fazer sites ou informatizar processos é coisa do século passado. A transformação digital é muito mais abrangente e profunda. Uma aula virtual não pode ser a transposição de uma aula presencial, um jornal na rede deve ser algo diferente, uma loja que tente fazer exatamente o que faz a loja física está morta.

Uma grande diferença do digital na rede é que tudo é interativo e rápido. As ferramentas disponíveis permitem fazer coisas impossíveis anteriormente: comunicação bidirecional instantânea, armazenamento a custo tendendo a zero na nuvem, capacidade de processamento e acesso à informação tendendo para o infinito e no bolso, inteligência artificial, automação robótica de processos(RPA) e dados e mais dados de clientes que se entregam diariamente nas redes sociais.

As empresas têm que disputar a atenção - cada vez mais difícil - dos clientes onde eles estiverem (e eles estão nas mídias sociais, cada uma delas com sua dinâmica e seus algoritmos misteriosos) e os algoritmos do marketing digital permitem a abordagem individualizada.

A transformação digital abriu tantas oportunidades, que existem startups para tudo e um apagão de profissionais de TI, o que acaba reduzindo as exigências de contratação e fomentando novas tecnologias de desenvolvimento sem programação (no-code). As mudanças são rápidas e não param.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Internet Tecnologia Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.