ASSINE
Doutora em Epidemiologia (UERJ). Pós-doutora em Epidemiologia (Johns Hopkins University). Professora Titular da Ufes. Aborda nesta coluna a relação entre saúde, ciência e contemporaneidade

Por que o Dia Nacional da Imunização é importante?

Infelizmente, durante a vacinação contra a Covid-19, fake news fizeram com que muitas pessoas que antes se vacinavam não comparecessem às unidades de saúde para receberem a sua dose de vacina

Publicado em 09/06/2022 às 02h01
Vitória foi a primeira cidade do Estado a iniciar a vacinação em crianças
Vitória foi a primeira cidade do Estado a iniciar a vacinação em crianças. Crédito: André Sobral/Prefeitura de Vitória

A data criada pelo Ministério da Saúde do Brasil tem como principal objetivo conscientizar a população sobre a importância de manter as principais vacinas contra doenças que são preveníveis em dia. O Programa Nacional de Imunização (PNI), que agrega as ações voltadas à vacinação no Brasil, busca com elas diminuir a probabilidade de que uma pessoa venha a contrair enfermidades como a tuberculose, o sarampo, o tétano, a gripe, Covid-19, entre outras.

Ao PNI compete também estabelecer um calendário nacional de vacinações contra as principais doenças que atingem crianças, jovens, adultos, idosos e gestantes.

Infelizmente, durante a campanha de vacinação contra a Covid-19, muitas fake news ou mentiras foram espalhadas através de redes sociais, o que fez com que muitas pessoas que antes se vacinavam não comparecessem às unidades de saúde para receberem a sua dose de vacina.

Com isso, famílias que vacinavam seus filhos e filhas deixaram de levá-los para vacinar e estamos enfrentando desde 2020 uma diminuição de crianças vacinadas no Brasil. Isso causa uma redução no que chamamos de cobertura vacinal, que pode ser entendida como a porcentagem de pessoas completamente vacinadas dentro do total de pessoas que precisam ser vacinadas.

Quanto mais pessoas receberem determinada vacina, maior será a cobertura vacinal. Um exemplo do resultado de alta cobertura vacinal é o da varíola, depois do esforço mundial para vacinar praticamente todas as pessoas, o vírus por fim deixou de circular. O mesmo resultado é pretendido no combate a outras doenças graves, como a poliomielite (paralisia infantil), o sarampo, a rubéola e a hepatite B, a tuberculose. Para acabar com elas, é necessário que a maior parte da população esteja vacinada.

Mas para a erradicação ou eliminação não basta apenas atingir altas coberturas vacinais, é preciso mantê-las altas até que o agente causador da doença esteja eliminado e deixe de circular. Mesmo que em determinado momento ocorram apenas poucos casos de alguma doença graças à vacinação, se a população parar de se vacinar, cada vez mais pessoas ficarão desprotegidas e outras tantas serão infectadas, voltando a espalhar a doença, e assim, em pouco tempo, todo o progresso obtido ao longo dos anos estará perdido. É esse o risco que corremos agora no Brasil.

Estamos com baixa cobertura vacinal contra a poliomielite (paralisia infantil), vacina símbolo do nosso Zé Gotinha, o mascote da imunização no Brasil. O país está com falta de BCG, vacina que protege contra a tuberculose, o que pode fazer o país ter epidemias das doenças que seguem controladas, mas com aproximadamente 80 mil pessoas ainda adoecendo. No momento que escrevo essa coluna, o Brasil voltou a ter casos de sarampo devido à baixa cobertura vacinal.

Quando falamos em vacinação precisamos compreender seu benefício para a humanidade e focar nos três pontos principais que as vacinas atuam: elas visam que você viva mais, que possa viver com mais qualidade e que ao se vacinar você também proteja as outras pessoas.

Para que você possa viver uma vida mais longa

O objetivo da imunização é permitir-nos viver uma vida saudável. A vacinação contribui para um aumento da nossa expectativa de vida, permitindo que nosso organismo possa ter mais proteção contra agentes infecciosos.

Para melhorar nossa qualidade de vida

As vacinas nos protegem de muitas doenças que podem provocar casos graves de doença e deixar sequelas físicas e mentais, e assim diminuir nossa qualidade de vida.

Para tornar o mundo inteiro seguro

Ser imunizado não é apenas para você, mas também afeta todos ao seu redor. Com uma pessoa vacinada, as pessoas ao seu redor estarão mais protegidas inclusive diminuindo a possibilidade de transmissão da doença.

Essas constatações fazem ainda mais necessário relembrar esse dia e afirmar a importância da vacinação, e que ela é fundamental para protegermos o futuro de nossas crianças e fazer com que tenham uma vida mais longa e mais saudável. Lembro também que nessa coluna sempre insistimos que vacina é estratégia coletiva e, portanto, é para o bem-estar de todos e todas no planeta.

Nesse dia Nacional de Imunização verifique seu cartão de vacina e de seus filhos, veja se precisa tomar alguma vacina. Mantenha as suas vacinas e de seus filhos e filhas em dia. Vacine-se com as doses necessárias para sua faixa etária. Proteja-se e cuide de todos ao seu redor. Vacinas salvam vidas!

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Ministério da Saúde Vacinas contra a Covid-19 Vacina Campanha de vacinação Imunidade

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.