Economista, professor universitário, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda. Neste espaço, faz reflexões sobre as decisões econômicas do país. Escreve às quartas

Há esperança de administrar a dívida mesmo com um modesto crescimento

Saída depende da perspectiva que daremos aos agentes econômicos (internos e externos) da nossa capacidade de isolar os efeitos fiscais e monetários da pandemia e de retornar às "reformas"

Publicado em 24/06/2020 às 06h00
Atualizado em 24/06/2020 às 06h00